ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Mais 11 homens são resgatados de trabalho escravo em fazenda

Entre os resgatados havia dois trabalhadores paraguaios e um indígena

Por Ana Beatriz Rodrigues | 19/12/2023 17:07
Local onde os trabalhadores estavam sendo mantidos (Foto: Divulgação)
Local onde os trabalhadores estavam sendo mantidos (Foto: Divulgação)

O MPT (Ministério Público do Trabalho) de Mato Grosso do Sul resgatou 11 trabalhadores que se encontravam em situação análoga à escravidão em uma área rural de Porto Murtinho, município que fica a 439 km de Campo Grande.

As vítimas foram contratadas para a construção de cercas, mas acabaram alojadas em barracos de lona, sem banheiros e sem acesso à água potável. O resgate aconteceu na terça-feira passada (12), mas só hoje foi divulgado.

Foi instaurado um inquérito civil para apurar o caso e defender os direitos sociais dos trabalhadores. O MPT também apontou a presença de dois trabalhadores paraguaios e um indígena entre os resgatados.

A ação contou com o apoio do Grupamento Aéreo, Polícia Militar Ambiental (PMA) e a segurança da Polícia Institucional do MPU (Ministério Público da União). O apoio facilitou a chegada, de maneira segura, até o local onde o grupo estava. O nome da fazenda não foi divulgada.

De acordo com o procurador do Trabalho, Paulo Douglas Almeida de Moraes, responsável pelo caso, a partir de agora o fazendeiro será obrigado a registrar previamente os funcionários, manter condições adequadas nos dormitórios de alojamento e áreas de vivência e disponibilizar água potável aos empregados, entre outras medidas.

Após os resgates, as vítimas optaram em receber as verbas rescisórias pelos serviços prestados (R$ 37,4 mil para cada) e indenização por danos morais individuais, que totalizou R$ 240 mil, o equivalente a 20 vezes o valor do salário acordado no momento da contratação. O total será dividido entre os cinco trabalhadores.

O proprietário da fazenda também deverá pagar outros R$ 240 mil, a título de dano moral coletivo, como forma de reparação à sociedade. O valor será revertido a instituições que promovam direitos sociais de interesse coletivo.

É o segundo caso divulgado em dois dias. Ontem, o flagrante envolveu 7 indígenas, na região sul do Estado.

O fazendeiro Virgílio Mettifogo, que é um dos réus do "Massacre de Caarapó", ataque que causou morte de um indígena e deixou outros seis feridos em 2016, foi autuado por manter os trabalhadores da etnia guarani em situações análogas as de escravizados. O crime ocorreu na fazenda Marreta, em Dourados, a 251 km de Campo Grande.

No grupo, estava uma criança de apenas 11 anos e um adolescente de 17. Os resgatados moravam no mesmo território indígena em que houve o massacre, na Aldeia Tey’i Kue, em Caarapó. Todos faziam a colheita manual de milho, inclusive, sem equipamento de proteção individual.

Denuncie – Os canais para denúncias são o site do MPT (clique aqui), portal da Inspeção do Trabalho ou pessoalmente em uma das três unidades do Ministério Público do Trabalho, localizadas em Campo Grande, Três Lagoas e Dourados.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias