ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  29    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Paraguai e Brasil encerram operação eliminando 416 toneladas de maconha

Com a 28ª edição da Nova Aliança encerrada ontem, chegou a 2.100 hectares o total de roças destruídas em 2021

Por Helio de Freitas, de Dourados | 25/11/2021 11:20
Agente da Senad corta pés de maconha em roça na região de Pedro Juan Caballero. (Foto: Divulgação)
Agente da Senad corta pés de maconha em roça na região de Pedro Juan Caballero. (Foto: Divulgação)

Terminou ontem (24) com saldo de 416 toneladas de maconha destruídas, a 28ª fase da Operação Nova Aliança, desencadeada pela Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) para eliminar roças da droga na linha internacional do Paraguai com Mato Grosso do Sul.

Com apoio de dois helicópteros da Polícia Federal brasileira, a ação durou dez dias em vários pontos do departamento (equivalente a estado) de Amambay, cuja capital é Pedro Juan Caballero, cidade separada por uma rua de Ponta Porã (MS).

Segundo balanço divulgado hoje pela Senad, as incursões aéreas e terrestres por matas fechadas em Amambay levaram à destruição de 131 hectares de roças de maconha. Cada hectare produz, em média, três toneladas da droga.

A operação se concentrou nas colônias Alpasa, Estrella, María Auxiliadora, Tatú e Santa Ana, onde ficam a maior parte das roças de maconha na região. Nesses locais, foram destruídos 94 acampamentos montados para processamento da droga. Também foram eliminadas 23 toneladas de maconha já pronta.

A Senad estimou em 12,5 milhões de dólares o prejuízo aos traficantes, mas como ocorre em todas as operações semelhantes, ninguém foi preso.

Com mais essa etapa da operação, a parceria entre Senad e PF brasileira bateu recorde de lavouras de maconha destruídas ao longo de 2021 – 2.100 hectares que produziriam pelo menos 6.300 milhões de quilos da droga pronta para o consumo.

Aniversário – Hoje, Senad e Polícia Federal do Brasil comemoram sete anos de trabalho conjunto contra o crime organizado radicado na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul. O primeiro acordo de cooperação foi assinado em 2014.

Além da destruição de roças de maconha, a parceria permitiu ao longo dos anos o desmantelamento de estruturas do tráfico de drogas e de armas, desarticulação de complexos esquemas de lavagem de dinheiro e prisões de chefões do tráfico.

A ministra-chefe da Senad, Zully Rolón, se reúne nesta quinta-feira em Pedro Juan Caballero com o diretor de combate ao crime organizado da PF, o delegado Luís Flávio Zampronha de Oliveira.

Os dois participam da inauguração da Direção de Inteligência Estratégica, montada em uma casa confiscada de traficantes. A “Base Mbarete” vai ampliar a presença da Senad no trecho de fronteira mais violento do continente sul-americano.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário