ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Paraguai quer acelerar extradição de líder do Comando Vermelho

Jorge Teófilo Samudio González, o “Samura”, foi preso em Sinop, no Mato Grosso

Por Helio de Freitas, de Dourados | 30/03/2021 08:18
Jorge Samudio, o “Samura”, no momento em que foi preso ontem (Foto: Divulgação)
Jorge Samudio, o “Samura”, no momento em que foi preso ontem (Foto: Divulgação)

O Paraguai quer acelerar o processo de extradição do narcotraficante Jorge Teófilo Samudio González, o “Samura”, 49, preso ontem (29) em Sinop (MT) em ação conjunta envolvendo o serviço de inteligência da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) e a Polícia Federal brasileira.

Natural de Capitán Bado, o traficante é apontado como um dos principais líderes da facção carioca Comando Vermelho na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul.

“Samura” estava foragido desde setembro de 2019, quando foi resgatado por comparsas em ataque ao comboio policial que o escoltava de volta ao presídio, na região da capital Asunción. Um oficial da Polícia Nacional foi morto e dois ficaram feridos.

Ainda ontem, o procurador de Assuntos Internacionais Manoel Doldán disse que a intenção é iniciar o processo de extradição do traficante com autoridades brasileiras nos próximos dias. Segundo ele, a extradição é mais rápida que a expulsão.

Entretanto, a intenção do Paraguai em recambiar “Samura” para que seja processado e condenado pelos crimes cometidos naquele país pode fracassar. Apesar de não ser procurado em território brasileiro, Jorge Samudio foi flagrado com documento falso e por porte ilegal de arma, o que deve atrasar a extradição dele para seu país de origem.

Nesta terça-feira (30), Manoel Doldán admitiu que o flagrante por porte ilegal de arma e uso de documento falso gera uma causa penal contra o traficante em território brasileiro. Entretanto, acredita que esses crimes no Brasil não devem atrapalhar a extradição, já que as denúncias contra ele no Paraguai são muito mais graves.

À rádio ABC Cardinal, o procurador disse que autoridades brasileiras ainda não informaram oficialmente sobre as circunstâncias da prisão do bandido mais procurado do Paraguai, o que deve ocorrer em breve através de canais diplomáticos.

A prisão – O esconderijo de “Samura” foi localizado pelo serviço de inteligência da Senad. Por volta de meio-dia de ontem, ele foi preso por agentes da PF brasileira e da Interpol (polícia internacional) em Sinop, a 1.500 km de Pedro Juan Caballero. Estava com a atual mulher, a ex-miss Paraguai Natalia Carolina Ramires Franco, 39.

Detalhe que chama a atenção é que a cidade onde “Samura” se escondia fica a 84 km de Sorriso, onde, em 1º de julho de 2017, foi preso Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, até então um dos traficantes mais procurados da América do Sul e que também atuou por muitos anos na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário