ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Polícia investiga homem que enviou imagens pornográficas a criança de 8 anos

Polícia acredita que suspeito faça parte de rede internacional de pedofilia virtual

Por Mirian Machado | 05/03/2021 14:50
Crime foi denunciado pela mãe da criança na Delegacia de Polícia Civil de Paraíso das Águas (Foto: O Correio News)
Crime foi denunciado pela mãe da criança na Delegacia de Polícia Civil de Paraíso das Águas (Foto: O Correio News)

A Polícia Civil de Paraíso das Águas, cidade a 279 km de Campo Grande, investiga uma suposta rede internacional de pedofilia virtual, após mãe de uma menina de 8 anos denunciar que a vítima teria recebido imagens pornográficas pelas redes sociais.

Segundo o delegado Alexandro Mendes de Araújo, o caso foi registrado na última quarta-feira (3). Um homem teria criado um perfil fake no Instagram também como se fosse criança e começou a conversar com a vítima.

Após conseguir a confiança da menina, passou a enviar fotos do que indica a ser o órgão genital do suspeito, além de conseguir convencer a menina a enviar também.

Conforme Mendes, a mãe teria descoberto após desconfiar do comportamento da menina e vistoriar o aparelho celular dela.

Após a denuncia, em diligencias juto a Delegacia Especializada em Crimes Virtuais, o delegado contou que há suspeita de que o homem faça parte de uma rede internacional de pedofilia e que se encontraria do outro lado do Atlântico. "Vamos confirmar as suspeitas e acionar a Polícia Federal", afirma.

Apesar de até o momento não ter aparecido outras vítimas na cidade, o delegado alerta sobre os perigos na internet. "O que chama atenção é a quantidade de pessoas no perfil fake do suspeito. Há cerca de 500 seguidores e ele segue mais de 3 mil perfis infanto-juvenis", conta.

“O caso é muito grave e pode ter consequências e transtornos futuros até mesmo irreparáveis. O cuidado deve ser redobrado com a internet. Dentro do quarto , através apenas de um celular o filho de uma pessoa pode estar sendo vítima de uma rede de pedofilia. É obrigação e responsabilidade dos pais", destacou Alexandro.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário