ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Reunião na Sejusp discute solução pacífica em área de conflito

Fazenda teve ocupação no domingo e índio foi preso durante operação da Polícia Militar

Danielle Valentim | 31/08/2018 07:58
Ao Centro, secretário de segurança de MS, Carlos Videira. (Foto: Divulgação)
Ao Centro, secretário de segurança de MS, Carlos Videira. (Foto: Divulgação)

Reunião na Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) nesta quinta-feira (30) debateu soluções pacíficas para o conflito entre índios e produtores rurais na região de Caarapó, a 283 km de Campo Grande. A Fazenda Santa Maria foi invadida no domingo (26), por pelo menos 100 índios Guarani-Kaiowá e a Polícia Militar fez uma operação, que prendeu um índio de 70 anos e gerou abertura de inquérito por parte do MPF (Ministério Público Federal).

O encontrou reuniu o secretário de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, o procurador federal da AGU (Advocacia Geral da União), Tiago José Figueiredo da Silva, e o coordenador regional da Funai (Fundação Nacional do Índio) de Dourados, Silvio Raimundo da Silva.

Segundo o governo do Estado divulgou, o procurador e coordenador da Funai procuraram o secretário para discutir ações conjuntas para o entendimento e solução do problema, sem a necessidade de confrontos e intervenção policial. 

Silvio se comprometeu em solicitar à presidência da Funai, em Brasília, apoio do Ministério da Segurança Pública e envio da Força Nacional à região de conflito, o mais rápido possível, para que seja mantida a ordem e a tranquilidade. O envio de forças federais para o local já foi autorizado pelo Governo Federal.

Videira, durante a conversa, argumentou que o Governo do Estado sempre atuou para evitar situação de confronto ou violência entre índios e proprietários rurais e que sempre agiu para que as questões sejam resolvidas de forma pacífica e em comum acordo entre as partes.

O secretário repetiu o argumento de que a ação da Polícia Militar ocorrida na última segunda-feira (27) se deu em razão do cometimento de crimes de roubo qualificado, cárcere privado e danos ao patrimônio particular.

Operação - Durante a ação, que levou à fazenda homens do Batalhão de Choque, de Campo Grande, e que foi acompanhada, de helicóptero, pelo secretário e pelo comandante da Polícia Militar, coronel Valdir Acosta. Um índio de 70 anos foi preso em flagrante por roubo e resistência.

Segundo os proprietários, que acionaram a polícia, funcionários foram feitos reféns, mas liberados após a chegada de policiais militares.

Na terça-feira, o MPF abriu inquérito para saber se a ação da PM teve suporte legal. A investigação será feita pela Polícia Federal. Segundo o Ministério Público Federal, os índios estão fazenda com aval do STF (Supremo Tribunal Federal), que derrubou uma ordem de reintegração de posse em abril deste ano. A decisão é da ministra Carmem Lúcia, presidente da corte.

 

 

Nos siga no Google Notícias