ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Sem registro oficial, suposto tremor de terra continua sendo mistério

Centro de Sismologia da USP recebeu relato de douradense, mas sistema não registrou abalo; Defesa Civil suspeita de dinamite

Por Helio de Freitas, de Dourados | 19/07/2016 08:19
Relato feito por douradense ao Centro de Sismologia da USP (Foto: Reprodução)
Relato feito por douradense ao Centro de Sismologia da USP (Foto: Reprodução)

Continua um completo mistério o tremor de terra que teria ocorrido no início da noite de ontem (18) em Dourados, a 233 km de Campo Grande. Moradores de vários pontos da cidade usaram as redes sociais para comentar um suposto abalo sísmico entre 18h e 19h, que teria balançado janelas de vidro e até portões. Outros dizem que ouviram um forte estrondo.

Apesar de o fato ter durado pouco mais de um segundo, conforme os moradores que dizem ter percebido o tremor, o horário exato é desconhecido.

O Centro de Sismologia da USP (Universidade de São Paulo) e o Observatório Sismológico da UNB (Universidade de Brasília) não registraram o suposto tremor em Dourados. As duas universidades possuem um sistema que acompanha em tempo real a ocorrência de abalos em todo o mundo.

No sistema da USP, por exemplo, foram registrados ontem nove abalos na costa do Chile, no Peru e na Bolívia, região onde os terremos são tão comuns que somente nesta terça-feira já ocorreram três abalos.

Relato de douradense – “Tremor reportado por Wilson no dia 18/07/2016. A intensidade indicada do tremor foi fraca e sentido no dia 18/07/2016 às 18h”, informou o sistema da USP, ontem à noite.

“Som abafado de algo pesado caindo no chão e as janelas de correr vibraram”, relatou o douradense.

Nesta manhã, Marcelo Assumpção, do Centro de Sismologia da USP, respondeu a e-mail do Campo Grande News e disse que algumas estações de Mato Grosso do Sul estão fora do ar, talvez por isso o tremor ocorrido em Dourados não tenha sido identificado automaticamente.

Já a Defesa Civil da cidade acredita que o abalo tenha ocorrido por causa de uma explosão com uso de dinamite em alguma pedreira da região, mas esse fato também não foi confirmado ainda.

O coordenador da Defesa Civil, João Vicente Chencarek, disse que já ocorreram casos semelhantes no passado e nas outras vezes o motivo foi o uso de explosivos, o que não é proibido. No Corpo de Bombeiros de Dourados houve apenas duas chamadas ontem à noite relatando o suposto abalo.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário