ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  04    CAMPO GRANDE 18º

Cidades

Juiz aceita denúncia contra presidente do TRE por “forçar” soltura do filho

"A questão exige uma resposta difícil, pois todo poder implica em proporcional responsabilidade e cada um carrega o peso da sua responsabilidade e das suas próprias escolhas", diz magistrado

Por Aline dos Santos | 02/03/2018 10:46
Segundo a promotoria, Tânia, por meio de ameaça, “forçou” a soltura do filho Breno. (Foto: Reprodução/TV News)
Segundo a promotoria, Tânia, por meio de ameaça, “forçou” a soltura do filho Breno. (Foto: Reprodução/TV News)

A Justiça aceitou denúncia de improbidade administrativa contra a desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, presidente do TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral). A decisão é do juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho, em ação civil proposta pelo MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

Segundo a promotoria, Tânia, por meio de ameaça, “forçou” a soltura do filho Breno Fernando Solon Borges, que estava preso na Penitenciária de Segurança Média de Três Lagoas.

O TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) havia concedido autorização para que ele trocasse a cela por uma clínica de luxo no interior de São Paulo. Contudo, persistia dúvida sobre a validade da decisão, pois Breno tinha contra ele outro mandado de prisão, oriundo da Operação Cérberus, realizada pela Polícia Federal.

Flagrado com droga e munições, Breno foi preso em 8 de abril de 2017 e a ordem judicial para soltá-lo foi dada na madrugada de 21 de julho do ano passado.

Para “busca e liberação” do filho, portanto interesse pessoal, ela usou escolta policial e veículos públicos. A defesa de Tânia Borges pediu que a ação fosse indeferida porque caberia ao procurador-geral de Justiça apresentar ação contra presidente do TRE e negou as denúncias.

“A requerida não poderia ter ido a Três Lagoas sem proteção policial; foi autorizada a utilização do veículo oficial; o Delegado acompanhou o policial apenas a título de apoio; as liminares não foram cumpridas pela requerida, mas sim por oficial de justiça e analista judiciário; a simples presença da curadora no presídio não pode ser entendida como pressão ou ameaça”, informa a defesa.

Hipocrisia - Também foi aceita denúncia contra Pedro Carrilho de Arantes, chefe de gabinete na Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), que, questionado pelo diretor do presídio, autorizou a saída de Breno, mencionando um parecer favorável da procuradoria jurídica da autarquia que nunca existiu.

A defesa de Carrilho nega improbidade e que, no máximo, ele poderia ter errado nos procedimentos, mas sem ato desonesto. Ele também alega que simplesmente cumpriu uma decisão do Tribunal de Justiça.

"Beira a hipocrisia imaginar que algum servidor teria tomado outra atitude senão cumprir a ordem do Tribunal de Justiça, ainda mais levando-se em conta que se tratava de uma ordem a ser cumprida pessoalmente por uma Desembargadora, Presidente do Tribunal Regional Eleitoral”, alega a defesa.

Sensível - A ação foi aceita no último dia 28 de fevereiro pelo juiz. “Perceba-se que não há dúvidas de que a situação de que trata o processo é sensível, pois envolve um drama familiar e a participação de autoridades com elevado poder e elevadas responsabilidades. A questão exige uma resposta difícil, pois todo poder implica em proporcional responsabilidade e cada um carrega o peso da sua responsabilidade e das suas próprias escolhas. Com efeito, somente na sentença será possível alcançar uma decisão completa, isenta e suficientemente refletida”, afirma o magistrado na decisão.

Pedidos - A denúncia - assinada pelo promotores Adriano Lobo Viana de Resende, Humberto Lapa Ferri e Marcos Alex Vera de Oliveira - pede que Tânia Borges seja condenada a ressarcir integralmente o valor gasto com a escolta de Campo Grande a Três Lagoas e toda a mobilização feita para soltar o filho, além de pagar a multa equivalente a 100 vezes o seu salário.

O Ministério Público também pediu suspensão dos direitos políticos da desembargadora por cinco anos. Já contra Pedro, a acusação pede a suspensão dos direitos políticos por prazo de três a cinco anos e o pagamento de multa civil equivalente a 100 vezes o salário dele.