A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

09/11/2009 16:13

Jurados de Beira-Mar têm de 22 a 58 anos de idade

Redação

Na lista para atuar no julgamento mais esperado do ano - o de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, estão 25 pessoas. Dessa relação, 7 serão sorteados e vão ter de votar pela condenação ou inocência de um dos maiores traficantes do País, mas que nessa terça-feira vai responder por assassinato.

A maioria dos candidatos a jurados é formada por servidores públicos federais.

A sessão de julgamento está marcada para começar às 8 horas, no Fórum, em Campo Grande, e será presidida pelo juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete. A previsão dele é que o júri termine no fim da tarde.

A lista das pessoas para o julgamento de Beira-Mar foi feita utilizando os mesmos critérios de outros júris. Não houve uma seleção diferenciada.

Os nomes são selecionados utilizando o banco de dados do Fórum. São pessoas que se inscreveram voluntariamente no início do ano e também nomes que foram fornecidos por associações, sindicatos e outras entidades.

Na relação de possíveis jurados, há pelo menos 15 servidores públicos, um bacharel em Direito e quatro assistentes administrativos. Essas pessoas têm entre 22 e 58 anos.

A composição do júri é feita no dia do julgamento. Amanhã, o sorteio é realizado antes de começar o julgamento. Advogados e o promotor de Justiça ainda podem pedir que o sorteado não componha o júri, apresentando razões que poderiam comprometer o julgamento imparcial. A relação das 25 pessoas é entregue anteriormente à defesa e à acusação, que estuda cada um dos candidatos.

Cabe ao júri votar pela condenação ou não, do réu. Depois da argumentações da defesa e da acusação,são feitos questionamentos aos jurados, que votam secretamente em cada quesito, nas opções Sim ou Não. Depois, os votos são contabilizados e a partir do resultado, o presidente do júri dá a sentença.

Quem exercer a função do júri tem presumida sua idoneidade moral, além de ter assegurado o direito à prisão especial, em caso de crime comum até o julgamento definitivo e a preferência (em casos de empate) em concorrências públicas.

Plenário - O julgamento de Beira-Mar, considerado histórico, será assistido, em plenário, por 116 pessoas. Muitos são acadêmicos, que fizeram prévio credenciamento. Só poderão entrar no local quem tiver se credenciado.

Segundo o juiz Carlos Alberto Garcete, a sessão deve terminar por volta de 18 horas. De acordo com ele, o julgamento não deve ser tão longo porque não haverá depoimento de testemunhas.

Além da ausência de testemunhas, outro fator apontado por Garcete é a tese da negativa de autoria. O juiz explica que Beira-Mar nega a autoria e por isso deve falar pouco sobre o assassinato de João Morel. "Quando a pessoa nega, não fala muito", diz Garcete.

Segurança - Conforme Garcete, a segurança no Fórum será feita por homens da Força Nacional de Segurança Pública, Polícia Federal, Polícia Militar e Depen (Departamento Penitenciário Nacional).

Ele conta que o esquema da segurança começou a ser montado há três meses. De lá pra cá, foram feitas diversas reuniões para definir a estratégia. Até ruas em volta ao Fórum estarão interditadas.

O Fórum irá funcionar normalmente, mas, alguns juízes, suspenderam as audiências de amanhã.

Imprensa Trinta e cinco profissionais da imprensa foram credenciados para acompanhar a audiência. Os profissionais só poderão ficar no plenário até às 7h45.

Depois disso, irão acompanhar o júri somente pela sala reservada para os profissionais, onde haverá um telão. O Campo Grande News irá acompanhar o julgamento.

A acusação - Beira-Mar é acusado de ser o mandante do assassinato de João Morel. O homicídio aconteceu em uma das celas da Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande, em 1999.

Morel foi morto com golpes de chucho. Ele estava preso por tráfico de drogas e era apontado com um dos líderes da atividade criminosa em Coronel Sapucaia.

A briga pela liderança do tráfico, na região, que faz fronteira com o Paraguai, teria sido o motivo do crime. Beira-Mar já foi condenado por outros crimes e está preso na Penitenciária Federal de Campo Grande.

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada de acesso ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions