A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

06/03/2009 15:28

Lançada cartilha da Lei Maria da Penha para mãe e filho

Redação

Academia Brasileira de Magistrados lançou hoje (6) a Cartilha Maria da Penha, em defesa da mulher, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. A publicação no formato de história em quadrinhos explica e ensina as crianças como defender suas mães de agressões e violência doméstica.

Os 200 mil exemplares iniciais serão distribuídos a crianças da primeira série do ensino fundamental de escolas públicas municipais e estaduais. A idéia é que essas crianças sejam multiplicadoras e que levem a informação para casa.

Segundo o presidente da Academia Brasileira de Magistrados, o desembargador Heraldo Oliveira Silva, a cartilha é uma forma de conscientizar as pessoas de que não se deve maltratar as mulheres. "Nossa idéia é começar pelos mais novos, para que essa violência não aconteça no futuro."

Além das crianças, os magistrados querem que as pessoas sem acesso à educação formal saibam de seus direitos e dos locais onde pode fazer reclamações. Silva disse ainda que o governo federal já se interessou pela cartilha e encomendou dois milhões de cópias. Outras entidades também devem ser parceiras do projeto e auxiliar na distribuição do material, como jornais e concessionárias de rodovias que distribuirão a cartilha nos pedágios.

Para o desembargador, a idade das crianças que receberão a cartilha nas escolas é a ideal. "Se deixar que a criança cresça assistindo a situações de violência, ela vai achar que é natural o pai bater na mãe, nas irmãs. Se demonstrarmos que não é esse o caminho correto, que o certo é o diálogo, o amor, a compreensão vamos ter futuros homens que combaterão essa violência doméstica."

Na avaliação da terapeuta Magdalena Ramos, o ideal seria que as crianças ficassem fora de situações de violência em casa. Mas, como nem sempre é isso o que acontece, é preciso analisar a situação real. "A criança fica exposta a esse tipo de violência, portanto é melhor que ela esteja informada para saber minimamente o que acontece e o que deve fazer. E saber que por não ter como se defender, que a situação é ruim, ela não tem que aceitar".

Magdalena ressalta que a linguagem deve ser mais generalizada, evitando pormenores que são inerentes ao relacionamento íntimo dos pais, como, por exemplo, falar detalhadamente de relações sexuais forçadas, liberdade sexual, aborto e uso de contraceptivos.

"Essas informações devem ser mais direcionadas à mãe. A criança não deve ser exporta a essas sutilezas, porque não participa diretamente disso. O que geralmente ela vê é o pai chegando bêbado, batendo na mãe, quebrando coisas, por exemplo. Entrar em detalhes é exagerado e desnecessário", diz.

Magdalena reforçou que o primeiro contato das crianças com esse tipo de informação deve ocorrer na escola, em sala de aula para que as crianças sejam preparadas antes. "Deve haver um bate-papo, explicações. O educador deve observar quais crianças passam por essa situação em casa. O trabalho começa na escola. Com essa identificação pode haver uma orientação por parte das educadoras, orientadoras e diretores das escola", afirma a psicóloga.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions