A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

05/07/2011 15:53

Mato Grosso do Sul tem 3 faculdades com nota zero no Exame da Ordem

Angela Kempfer

Mato Grosso do Sul tem 3 faculdades de Direito entre as 90 que não conseguiram aprovar nenhum aluno no último Exame da Ordem do Advogados.

Com índice recorde de reprovação este ano, a OAB teve apenas 11,8% de aprovados no País.

De 106.891 bacharéis em direito inscritos em todo Brasil, só 12.534 passaram pelo teste. O percentual de aprovação média nacional é o mesmo atingido pelos acadêmicos de Mato Grosso do Sul que representaram 14 faculdades no Exame.

Na lista de piores desempenhos estão a Faculdades Integradas de Paranaíba – Fipar, o Instituto Campo Grande de Ensino Superior – ICGES e Instituto Mato Grosso do Sul de Educação e Cultura – Ismec.

Das três, o pior resultado foi da Fipar, que já na primeira fase teve os 10 alunos participantes eliminados. O ICGES aprovou 4 dos 45 inscritos, mas todos foram eliminados na segunda etapa da prova. O Ismec conseguiu a aprovação de 1 dos 10 inscritos, mas não passou também da segunda fase.

Melhores - Nenhum curso conseguiu ultrapassar os 30% de aprovação em Mato Grosso do Sul. Os melhores resultados no Estado ficaram com as faculdades públicas.

O maior índice foi obtido pela UFGD e UFMS.

A Unaes é a primeira entre as particulares, com 12,45% de aprovação, seguida pela UCDB - 12%, Faculdade Salesiana de Santa Teresa de Corumbá - 11%, Unigran (Universidade da Grande Dourados) - 6,30% e Uniderp - 6,08%.

Desde o ano passado, a prova é nacional, unificada, e realizada pela Fundação Getulio Vargas.

A OAB nacional informou que vai notificar o Ministério da Educação para colocar as 90 instituições com nota zero em regime de supervisão, que pode levar ao cancelamento das autorizações de ensino superior, como ocorre no Enade (Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes).

O MEC registra 1.120 cursos superiores de direito no país. São cerca de 650 mil vagas, segundo a OAB.

Dados dos últimos quatro exames mostra que as 20 melhores instituições de ensino superior públicas aprovam, em média, entre 70% e 90% dos candidatos inscritos no Exame da Ordem.

Nas 20 piores universidades públicas e as 20 melhores universidades privadas, a aprovação média é de 40% a 60%. Já as 20 piores instituições particulares aprovam entre 3% e 5%. “Isso puxa para baixo o número de aprovações. Infelizmente, o maior número de estudantes está nas faculdades privadas”, disse Cavalcante.

Segundo o MEC, os melhores cursos de Direito do País estão na Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal do Ceará (UFCE), Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Universidade Federal de Sergipe (UFS).

A entidade também estuda a possibilidade de questionar na Justiça as aprovações de novos cursos feitas pelo Conselho Nacional de Educação.



eu sou academico de educacao fisica o que eu percebo que ttem muitos alunos
que nao estuda e professores coniventes com alunos que colam e muitas vezes passam e uma vergonha . tenho noticias que alunos de direito de uma grande universidade que a maioria cola , colar e a mesma coisa de corrupcao fraude daquele outro qque estudou talvez o que estudou tirou 7, o outro que colou tirou nota alta.
 
marcelo aparecido cunha de freitas em 03/07/2012 10:49:10
Eu acredito que não é hora de avaliar a instituição por ter sido rebaixada no quesito média e sim acreditar, que realmente, se os 05 anos oferecidos, você tenha pelo menos estudado o bastante para passar na OAB. A competência é deles, mais a capacidade é nossa. Não adianta nos lamentarmos o que já passou... o importante é seguir em frente e estudar e estudar e tentar de novo até conseguir.
 
Luciana Oliveira em 19/01/2012 04:06:38
Realmente os dados são bastante coerentes, o que realmente não da para entender, é que o curso de direito não tem dada a ver com a prova da OAB, e advogar não tem nada haver com curso de bacharelado e muito menos com prova de OAB, estas três fases por assim dizer tinham que andar juntas, para eliminar ditados populares como, ¨ NA PRATICA A TEORIA É OUTRA. É uma vergonha, mas é a pura realidade, já esta na hora do MEC reavaliar esta disparidade no que tange a curso de direito, e para esclarecer Fipar de Paranaíba, este ano forma a primeira turma direito, Na qual eu faço parte.
 
vagner costa em 07/07/2011 03:37:35
Esse é uma discussão interessante, quem culpar pelos zeros??
Não vamos falar apenas da área de direito que possuí um exame para jugar se um bacharel é hapto para exercer a profissão ao qual se "preparou" que no meu ponto de vista é um item extra para saber que o acadêmico deve estudar mais ou melhor, se dedicar mais, isto é um assunto que deve ser ser generalizado englobar todas as áreas.
Já estudei em duas instituições aqui na capital, fiz cursos, graduação e pós-graduação não na área de direito, todavia, acredito que a realidade acadêmica é mesma.
Com essas experiências cheguei a seguinte conclusão:
"A qualidade de ensino é diretamente proporcional ao interesse do aluno. Culturalmente pensar que tirar 7 pra passar é o suficiente, resulta numa notícia dessa que é desagradável e em profissionais não haptos pelo mercado para exercer cargos ao qual de titulo é liberado"
 
Alessandro Gonzalez em 06/07/2011 12:21:31
Não seria essa prova da OAB, com grande índice de reprovação, onde foi exigido conhecimento sobre Antropologia, Filosofia, História, Economia, Sociologia etc?
Cumpre realmente à OAB avaliar algo além do domínio do Direito, única exigência para o exercício profissional da advocacia?
Será que se ao considerar somente as matérias pertinentes ao Direito, o índice seria o mesmo?
 
Lamartine Ribeiro em 06/07/2011 10:16:55
Ok... ok... A Faculdade de Direito em Campo Grande foi a que mais aprovou, 38,89%, mas para quem conhece os meandros da UFMS o discurso será o seguinte: a faculdade não precisa de mais professores nem de mais estrutura, pois está "bem" na OAB.... É isso aí, continuaremos sem professores e com estrutura deficitária! Lamentável dona magnifíca, que um curso que se destaque assim seja desconsiderado por boa parte de sua administração!
 
João Assis em 06/07/2011 09:56:43
Parabéns alunos da UFMS, que apesar da total falta de estrutura, ainda logram êxito na aprovação do exame da Ordem. Vcs provam que quem estuda passa. Parabéns, mais uma vez vencedores...!!!
 
DR FABIO VERSOLATO em 06/07/2011 09:47:09
Essa questão das baixas notas no exame da OAB requer uma reflexão mais profunda sobre a qualidade dos cursos de direito no Brasil sim, pois percebe-se que existe alguma coisa errada na condução dos cursos. Mas em minha opinião é um ciclo vicioso com Faculdades sem uma estrutura adequada de funcionamento, como no caso da FACSUL e FCG que os livros mais atuais são de 2008, na área jurídica que as atualizações são constantes e também a questão de alunos que não querem estudar para aprender e sim passar, e muitas vezes colando nas provas. Esquecem que se dedicar e estudar muito para aprender as ciências jurídicas e passar em qualquer prova, inclusive no exame de ordem.
 
Mário Rosa em 06/07/2011 09:40:23
isso so vem a reforçar o nosso pedido para que se crie a universidade publica de campo grande.
 
Jonathan malaquias em 06/07/2011 09:08:15
Acredito que pelo tanto de tanta gente reprovada nesse exame da OAB é da falta de interesse dos alunos. Há várias pessoas que não estudam direito e no entanto, tem enorme conhecimento em direito, pq estudam muito para concursos e muitos que tem nivel superior que não tem nada a ver com direito são aprovados. Então o interesse parte de cada um. Não há prova dificil que não seja resolvido desde que vc tenha estudado para isso!!!!
 
Eliane Salu em 06/07/2011 08:53:55
Primeiramente, sou aluno da Unaes, porém gostaria de informá-los que esse resultado, da unaes em primeiro dentre as particulares, é provisório. Isso se dá porque a Unaes mudou para ANHANGUERA, e sinceramente depois dessa mudança o ensino caiu muito.Só para vocês terem uma idéia, não há aula na sexta-feira, os últimos dois tempos são aulas virtuais, e a média é 5! Diante disso, mostro que os aprovados na tão concorrida OAB se deve ao fato da grade curricular ser ainda da antiga, e boa Unaes. Esperem para ver quando a grade da unaes se encerrar (acredito que dentre 2 anos no máximo) aí teremos a verdadeira e nova Anhanguera.
 
felipe lara em 06/07/2011 08:37:19
tem faculdade aqui em dourados que não pratica nem 2h e meia por dia ,é bom dar uma olhadinha.Tem peofessores que só chegam atrasados,liberam mais cedo,ou seja não levam muito sério,e os alunos só que pagam.BOM NÉEEEEEEEEE?
 
andeeson luiz em 06/07/2011 07:33:46
Isso só mostra que mesmo sem professores em dadas matéria, os aluno da UFMS tem a garra e determinação de conquistarem sua tão e esperada aprovação da OAB. E também se da por parte dos excelentes professores que lá se Encontram. Mesmo sem toda a estrutura necessária, continua sendo uma das melhores do estado.
parabéns a todos os alunos e ex alunos da UFMS.
 
Sarah Lima em 06/07/2011 04:45:41
Não importa o ninho se ovo é águia , pesquisando ao longo da história , verificamo que a grande maioria de pessoas que se destacaram no mundo , não cursaram em grandes e famosas universidade , públicas ou particulares , e contribuíram para sociedade , quanto ao exame nacional da O A B , unificado para todo Brasil é uma situação complexa , haja vista a diferença , na grade curricular ,na metodologia de ensino , etc...e tal , até mesmo em uma mesma instituição de ensino , quando o aluno muda de turno , sente alguma diferença , enfim como igualar em todo o Brasil , aquilo que é totalmente desigual ? acredito sim no esforço individual de cada acadêmico , o curso não é só as aulas e sim uma pesquisa constante , existe também outro problema ,na atual conjuntura a grande maioria que consegue chegar ao curso superior não consegue acompanhar as explicações e muito menos entender certos conceitos básicos que são ensinados , querem terminar um curso superior aos trancos e barrancos , se o professor exige um pouco , este não serve , gostam de trabalhos , principalmente em grupo , os trabalhos individuais são verdadeiras cópias , principalmente da Internet , sem falar nas colas , em tempo de provas , alunos que durante o curso não demonstram nenhum interesse na aula, e saem da aula após registrar a presença , é comum turmas com mais 40 alunos ,no final da aula existe apenas 5 ou 6 alunos ,mas foram acostumados assim , no curso básico e fundamental e no final do ano , sempre conseguiu ser promovido .......enfim o problemas é grave e precisa de uma radical mudança ,mas este fato fica evidente no curso de Direito , e outros profissionais com curso superior que não é realizado esta seleção para o exercício da profissão ? Por a medicina , engenharia , nas diferentes formações na área do magistério ........Eu pergunto será que o resultado não igual ou pior ?
 
Paulo Roberto Marques Pereira em 06/07/2011 03:04:56
Há vários destinos de sucesso em ambas entidades... Sou estudante da facsul, mas vi tanto perdas sugeridas... Quanto reais vitórias de alunos que são diferenciais, tais como o número e qualidade de carros q circulam por ambas... Alunos que até com mais tempo de estudar... Pois em minha sala a maioria das pessoas, vão com o uniforme das empresas no corpo... a maioria em ônibus. Não quero qualificá-los como piores, mas creio que mais dificultoso pessoal!
Pois vi Vitórias como do Sr. Aldo, (deficiente visual) estudante Fcg, foi cego pisado por um touro em rodeio... Lutou pela vida e deu a volta por cima. Foi muito bem no exame da ordem. Algumas outras pessoas também!!!
Além de ter sido uma das melhores notas no Enade ano passado.
Há sim o diferencial das pessoas, mas a motivação da entidade é fundamental.
Há mais falhas que outras, mas creio que a maior parte quer acertar para melhorar e não fechar.

Obrigado pelo espaço
Aquele abraço.
 
Charles Müeller em 06/07/2011 02:23:23
Fico muito feliz pela UNAES(Centro Universitario Anhanguera de Campo Grande),gente é o maximo! principalmente por estar na frente da UCDB...é isso aí gente, boa sorte para todos !!!!!
 
Joseane Recalde em 05/07/2011 10:36:30
Parabéns, essas faculdades tem que ser fechadas,visam lucros,quanto deveriam ver o lado do ensino com qualidade.
 
Hildemar Castro em 05/07/2011 10:05:11
Apesar da falta de estrutura do Direito da UFMS em CAMPO GRANDE é o que mais aprova no estado: 38,89%. Não se pode classificar todos os Direitos da UFMS como sendo apenas um, já que são 3 campus no estado com estrutura, professores e acadêmicos diferentes. Mesmo assim, sendo o "melhor" é uma vergonha esse baixo índice... Cadê os investimentos?
 
Leandro Yasuhiro Nakasone Paulo em 05/07/2011 09:26:22
Sou aluno da Unigran Dourados, estou contente com o curso acredito que somos nós que temos que explorar a universidade, os professores todos são mestres e ou doutores tem bagagem depende de nós alunos, a biblioteca é ótima mais de 75.000 exemplares e ja formou juízes, promotores, defensores e outros advogados de sucessos.
RRamires
 
Ramão Franco Ramires em 05/07/2011 09:16:27
Na realidade, quem ficou em primeiro lugar foi a UFMS, com 27,21%. A UFGD vem em segundo, com 26,92%, um equilíbrio total entre as melhores universidades de MS, mais a UEMS. Fala-se mal das instituições públicas de ensino superior, mas o exame da ordem prova que o melhor ensino do país está nas universidades públicas.
 
Ricardo Leandro em 05/07/2011 08:58:45
Na minha opinião parece mais estória de "gato e rato", o professor brincando de ensinar e os alunos brincando de aprender. Se não passaram é porque não têm conhecimentos suficientes para passar. E assim ficamos livres desses "advogados".
 
jose alfredo de melo em 05/07/2011 08:36:56
Lamento, porém, está havendo um grosseiro equívoco: " O NÍVEL DE ENSINO APLICADO PELAS UNIVERSIDADES E FACULDADES DE DIREITO A SEUS ALUNOS NÃO É PARÂMETRO PARA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE EM RELAÇÃO À APROVAÇÃO, OU NÃO, NO EXAME DE ORDEM ( OAB )". Digo isto porque todos nós sabemos da infinidade de cursos preparatórios, criados justamente para "equalizar" os conhecimentos do acadêmico à exigência da OAB. E´notório o conhecimento, por todos - principalmente a mídia - de que a avaliação do nível de ensino nos cursos superiores é feito mediante o ENADE; e neste quesito a FACSUL - uma das referidas - obteve nota 4 (quatro) ná última avaliação. Com este resultado a citada faculdade ostenta a melhor posição entre as demais universidades particulares de campo grande.O meu inconformismo não objetiva criar animosidade no meio acadêmico ( outras entidaddes de ensino) porém, ver a propria classe: OAB - ACADÊMICOS DE DIREITO se degladiando frente a formadores de opiniões.
 
Edson F. Chaves em 05/07/2011 08:07:58
Porque todos os diretores da OAB do Brasil, não provam que eles próprio conseguem passar na prova?
Eu corto o "dedo" se eles e mais trocentos advogados com OAB, do tempo da onça conseguem passar.
Isso é reserva de mercado, protegido pela cúpula juridica deste país.
 
helio silva em 05/07/2011 08:03:02
O estudo é igual a uma casa se o alicerce não for bem feito, a casa cai no primeiro vendaval e assim é ensino. Se o ensino no Brasil não melhorar, vamos continuar do mesmo jeito ou pior: que saudade do ensino até os anos 80.
 
gloria aparecida em 05/07/2011 08:00:35
Com certeza entre os reprovados, estarão alguns acadêmicos para os quais eu que sou Historiadora, elaborei trabalhos sobre os mais diversos assuntos, e cobrei bem caro!
Lembro-me particularmente de um "acadêmico", que saido da EJA, escrevia seu próprio nome com letra minúscula, e lia de forma silábica, gaguejando muito.
Há tempos deixei essa prática indecente de ganhar dinheiro, pois é uma verdadeira "prostituição intelectual."
 
Hilda França em 05/07/2011 06:59:57
Pessoal, é o seguinte, concordo, realmente só pelo fato de você passar em frente a uma instituição destas e olhar para ela, no outro dia receberá na sua casa um comprovante de matrícula e um boleto de pagamento e infelizmente o MEC está se lixando literalmente para nós, visto que exige 3.800 horas aulas no mínimo para reconhecer um curso de direito, e esta instituições trabalham com o mínimo e não conseguem cumpri lo, então, entubam nos acadêmicos as tais disciplinas na modalidade EAD, ensino a distância, somados a mais 04 meses de férias, basta fazer as somas e vestibular, tornou se mera formalidade e foi banalizado, ou seja a instituição que deveria ofertar lhe ao menos 50%, para que os outros 50% fiquem ao encargo dos esforços de seus acadêmicos, na realidade ofertam somente 20%, por isso vai aí minha dica, por mais que nossas rotinas e afazeres diários sejam massantes e cansativo, vale a pena ao menos uma horinha diária, após as aulas para revisar os conteúdos, vale a pena se abdicar das baladas badaladas, festas e outras diversões que nos secam o tempo ,também vale a pena usar a ferramenta internet para pesquisa, ciência e estudo e formar pequenos grupos de estudos, para que uns venham a motivar os outros, por que na realidade todos nós queremos o bônus, mas o ônus, ninguém quer pagar, ou então oneremos universidades caríssimas como o Mackenzie, a Getúlio Vargas, as Pontifícias e por ai vamos...
Sucesso a todos lutadores estudiosos deste País
 
Gustavo César Capilé Gonçalves em 05/07/2011 06:52:44
O aluno tem que ser preparado no banco da escola , na formação , não fica esperando gastar dinheiro na industria dos cursos pré ordem. na verdade os alunos não estudam, estão com preguiça, estão invovidos com a héra da comunicação técnologica que da a falsa emprensão que sabe a matéria mas na verdade não sabem nada.. o aluno tem que estudar só isso e acaba com o problema....os alunos não estão estudandooooooooooooo.
 
Paulo G. Dias em 05/07/2011 06:51:35
Acho que ta na hora de parar de brincar, de estudar direito, as faculdades tem que, já no 3º semetre começar a fazer provas de oab, na faculdade valendo nota, ou seja os alunos
começavam a se preparar, é muito dificil vc, acabar o curso e fazer prova da oab, parece que vc, nunca estudou curso de direito..e a OAB, que so reclama ta na hora de começar a dar mais atenção: cobrar mais pedir para cancelar curso..enfim não dar uma de artista só apreçe na final pra fotografia..todos estão errado, e o aluno só.........
 
marco pereira em 05/07/2011 06:34:31
Estudei dois primeiros anos do meu curso de direito na Facsul, a partir do terceiro ano fui para UCDB, não tenho dúvidas da diferença na qualidade de ensino da UCDB, mas tb depende muito do aluno, pois formei com alunos que começaram na UCDB desde o primeiro ano e que não conseguem passar na prova, nem da primeira fase. Reprovei uma vez na segunda fase e agora fui aprovada nesta ultima em todas as fases. O exame de ordem é muuuuuito dificil, tem que estudar mesmo, senão não passa nunca. Quanto a segunda fase o que pesa é que a prova é muito extensa e pouco tempo p responder. Boa sorte para todos.
 
Deyse Santiago em 05/07/2011 06:04:06
NA VERDADE FORMEI NA AEMS - INDICE É RAZOÁVEL EM QUESTÃO APROVAÇÃO , MAS OS BACHARÉIS TEM PREPARAR EM CURSINHO , POIS A COMPLEXIDADE DA PROVA DO EXAME DA ORDEM NÃO TEM NADA A VER PARECE QUE ESTA EM OUTRA DIMENSÃO , O SERÁ QUE TEM UM CUNHO POLITICO OU FINANCEIRO ESTE EXAME? TEMOS QUE REPENSAR ESTE EXAME TIPO QUEM PASSA NA PRIMEIRA ELIMINA ETAPA , NO PRÓXIMO FAZ SÓ SEGUNDA FASE , ABRAÇOS
 
joao ramos em 05/07/2011 05:52:30
meus caros Alunos de Direiro, não vai ser porque a universidade tem nome que vcs vão ser aprovados quando fizerem as provas tbem. Isso é de cada pessoa. O morador de rua não passou no concurso do banco do brasil, quer dizer que ele estudou so em colegio que tem nome, ou colegio particular. Só sei que muitas universidades, não ensinam nada, só vai pra frente quem se interessa.
 
thiago souza em 05/07/2011 05:51:40
olha soh a nota do indice de aprovação.
 
rodrigo garcia ferreira da cunha em 05/07/2011 05:30:13
Fico orgulhoso de ser acadêmico de direito da UNAES de Campo Grande, MS.
 
João Luiz Mendes em 05/07/2011 05:11:27
Sou aluna do Instituto Mato Grosso do Sul de Educação e Cultura – Ismec.Conhecida mais como Facsul - faculdade mato grosso do sul.E fiquei super surpresa com as reprovações
começo a temer se o ensino que estou pagando para obter é bom.Procuro sempre me atualizar,pesquisar mas será que isso é o suficiente para garantir meu futuro já que as raízes estão sendo plantadas de maneira incorreta?Fico me perguntando isso.
 
Elizandra Canhete em 05/07/2011 04:58:45
sinceramente, não da para entender se a culpa esta nos alunos que não se interesam nos estudos , ou a escola que so pensa em receber as mensalidades se esquivando das responsabilidades e ludibriando os alunos desinteressados por quatro belos e longos anos perdidos, ou SENHORES, a Ordem (OAB) que deveria realizar esta prova por etapas, assim corrigiria todos os erros dos alunos e das faculdades, dando-as notas e eliminando essa escolas de fachadas que existem por ai.
 
ronaldo luiz bazzotti em 05/07/2011 04:48:35
Essas faculdades deveriam ser fechadas. Tratam os alunos como "clientes" e não como "acadêmicos", visando tão apenas o lucro fácil em detrimento a um ensino de qualidade. O pior é que a grande maioria desses "clientes" jamais conseguirão passar no exame da OAB, permanecendo na eterna condição de "Bacharéis em Direito".
 
Edivaldo Moraes em 05/07/2011 04:25:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions