ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

Número de casos de dengue no Estado caiu 8,78% em 2018

Média histórica da Capital é de grandes números de proliferação da doença a cada três anos

Danielle Valentim | 17/08/2018 08:55
Mesmo em período de estiagem, os cuidados para prevenir larvas devem continuar. (Foto: Marco Ermínio/Arquivo/CGNews)
Mesmo em período de estiagem, os cuidados para prevenir larvas devem continuar. (Foto: Marco Ermínio/Arquivo/CGNews)

O boletim epidemiológico semanal da SES (Secretária Estadual de Saúde), divulgado nesta quinta-feira (16), aponta 16 novas notificações de dengue em seis dias e 3.789 de janeiro até agora. O número é 8,78% menor, que o mesmo período em 2017, quando 4.154 casos haviam sido comunicados.

No ano passado, 6.201 pessoas tiveram dengue e três morreram em decorrência da doença, nas cidades de Aquidauana, Cassilândia e Camapuã. Em 2016, 59.874 pessoas foram contaminadas com a doença e 19 morreram.

O ano de 2017 terminou com queda de 89% nas notificações de casos de dengue em Mato Grosso do Sul. Mesmo assim, na época, o coordenador de Controle de Endemias Vetoriais da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Eliasze Guimarães, pontuou que as equipes trabalham para evitar um novo risco de epidemia.

A previsão é de os casos voltem a aumentar em 2019, levando-se em conta a média histórica na Capital, em que registra grandes números de proliferação da dengue a cada três anos, o último aconteceu em 2016. “Estamos monitorando para que não tenhamos epidemia em 2019”, destaca Eliasze Guimarães.

A reportagem do Campo Grande News comparou o levantamento de casos de dengue da 32ª semana de 2018, que seguiu de 5 a 11 de agosto, com dados verificados de 6 a 12 de agosto de 2017.

Dados em 2017.
Dados em 2017.
Dados em 2018.
Dados em 2018.

Estiagem x cuidados - A previsão deste inverno é de período de estiagem. Mas os cuidados com terrenos baldios e com a limpeza dos quintais devem continuar. O alerta é da Sesau, para evitar focos de reprodução do mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como a dengue.

Para Eliasze, a rotina de cuidados não pode mudar. "A preocupação deve ser a mesma o ano inteiro, fazer o controle mecânico do ambiente que você mora ou trabalha, evitando qualquer recipiente que possa acumular água", orienta.

Os cuidados em casa também devem se estender aos ralos, calhas e todo e qualquer outro tipo de local que possa servir para acumular água. "Agora é o melhor momento para cuidar, porque assim, quando chegar o verão, nós teremos um momento confortável", alerta o coordenador.

Nos siga no Google Notícias