ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Polícia de MG nem foi atrás de suposta localização do corpo de Eliza

‘Ficou só na especulação’, afirma advogada da mãe da jovem assassinada a mando do ex-goleiro do Flamengo

Anahi Zurutuza | 12/08/2016 08:34
Eliza e o filho, que ela garantia ser do ex-goleiro (Foto: Facebook/Reprodução)
Eliza e o filho, que ela garantia ser do ex-goleiro (Foto: Facebook/Reprodução)
Irmão de Bruno diz saber onde estão os restos mortais de Eliza (Foto: Yala Sena/CidadeVerde.com)
Irmão de Bruno diz saber onde estão os restos mortais de Eliza (Foto: Yala Sena/CidadeVerde.com)

Pouco mais de um mês depois que Rodrigo Fernandes das Dores, irmão do ex-goleiro Bruno Fernandes, disse à Polícia Civil do Piauí que sabe onde estão os restos mortais de Eliza Samudio, sequer foi aberta investigação pela Polícia Civil de Minas Gerais, Estado onde a jovem foi assassinada. Rodrigo também não foi incluído no programa de proteção a testemunha, exigência que fez para indicar onde o corpo teria sido desovado, e continua preso na Casa de Detenção de Altos, próximo a Teresina (PI).

De acordo com a assessoria de imprensa da polícia de Minas, no depoimento, Rodrigo não deu evidências de que realmente sabe a localização dos restos mortais e como a investigação sobre o homicídio já foi encerrada e Bruno Fernandes até já passou por júri, o comando entendeu que não havia necessidade de abrir novo inquérito por enquanto.

Para a polícia de Minas Gerais, Rodrigo estaria blefando para obter alguma vantagem. Contudo, caso o irmão do ex-goleiro apresente alguma informação mais concreta, a qualquer momento uma nova investigação pode ser aberta.

O gerente da Casa de Detenção de Altos, Antônio Gregório da Rocha, confirmou para a reportagem, na tarde de ontem (11), que Rodrigo ainda cumpre pena no local e que não lhe foi oferecido ainda nenhum tipo de regime diferenciado a pedido da Justiça.

Mãe de Eliza e o neto, no aniversário dele em 2011 (Foto: Arquivo)
Mãe de Eliza e o neto, no aniversário dele em 2011 (Foto: Arquivo)

Sofrimento – Maria Lúcia Borges, a advogada de Sonia de Fatima Marcelo Silva Moura, a mãe de Eliza, afirma que a família sofre muito cada vez que declarações como as do irmão de Bruno são feitas. “Ficou só na especulação e causou um sofrimento desnecessário, porque só o que esta mãe queria era enterrar a filha e ficar em paz”.

Hoje com 6 anos de idade, Bruninho, filho do ex-goleiro Bruno com Eliza, pergunta mais sobre os pais e o que houve com eles. Para evitar muita exposição e que o neto saiba de tudo por enquanto, a mãe de Eliza, que mora com o neto em Campo Grande, tenta impedir que ele assista televisão e dispensa dar entrevistas. O garoto já faz acompanhamento psicológico.

Bruno foi condado em 2013 pela morte da jovem (Foto: TJMG/Divulgação)
Bruno foi condado em 2013 pela morte da jovem (Foto: TJMG/Divulgação)

Crime e investigações – Bruno Fernandes foi condenado, em 2013, pela morte de Eliza Samudio, que desapareceu em 2010. À época, a jovem buscava na Justiça que o então goleiro do Flamengo reconhecesse a paternidade de seu filho.

Conforme a investigação, a moça foi torturada e morta a mando de Bruno. Com base nos depoimentos, foram descobertos indícios de que o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, teria sido contratado para matar a jovem e esconder o corpo. Luiz Henrique Ferreira Romão, amigo de Bruno, é apontado como o autor do “esquema” para matar Eliza e foi condenado em 2012.

Bola teria asfixiado e cortado o corpo da modelo, jogando os pedaços para os cães da raça Rottweiler, que ele criava.

No dia 4 de agosto, o irmão de Bruno revelou que à polícia do Piauí que sabe onde estão os restos mortais de Eliza, embora tenha dito que estava no Rio de Janeiro quando o crime aconteceu em Minas Gerais.

O depoimento foi colhido a pedido da Dam (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Jacarepaguá (RJ). “Encontra-se em andamento na unidade uma investigação complementar para identificar dois indivíduos que teriam participado do sequestro e da tentativa de aborto sofridos por Eliza Samúdio, nos quais já foram indiciados Bruno Fernandes das Dores de Souza e Luiz Henrique Ferreira Romão”, informou a Polícia Civil do Rio de Janeiro por meio de nota.

Nos siga no Google Notícias