ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Presos em operação do Gaeco, três policiais militares já estão em liberdade

Aline dos Santos | 29/11/2011 14:16

Eles colaboraram com as investigações sobre contrabando de cigarro

Operação de combate ao cigarro foi realizada na última quarta-feira. (Foto: Viviane Oliveira)
Operação de combate ao cigarro foi realizada na última quarta-feira. (Foto: Viviane Oliveira)

Presos na última quarta-feira na operação Alvorada Voraz, três policiais militares colaboraram com as investigações e conseguiram liberdade provisória. Os nomes não foram divulgados.

Na ação, foram presas 16 pessoas, acusadas de participarem de um esquema criminoso de contrabando de cigarro. De acordo com a denúncia, cinco policiais presos recebiam propina para liberar os comboios.

O líder do esquema é apontado o contrabandista Alcides Carlos Grejianin, o Polaco. Ele foi preso em Eldorado, junto com dois filhos. Dos 17 mandados de prisão, somente Aparecido Costa continua foragido.

Ele foi identificado como agente tributário estadual, informação contestada pelo Sindate/MS (Sindicato dos Agentes Tributários Estaduais de Mato Grosso do Sul). Os demais presos tiveram a prisão temporária prorrogada por mais cinco dias.

A ação foi realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e a PRF (Polícia Rodoviária Federal).

A operação Alvorada Voraz foi desencadeada nas cidades de Antônio João, Caracol, Jardim, Porto Murtinho, Campo Grande, Eldorado e Brasilândia, além de Brasília (DF) e Umuarama (PR).

Foram apreendidos 12 veículos, 268 munições de vários calibres, um revólver calibre 38 de propriedade de um policial, um CPU, um notebook e cinco celulares.

Milionário - A justiça federal já sequestrou seis fazendas de propriedade de Polaco, sendo uma avaliada em R$ 20 milhões.Ele responde a processos por contrabando de cigarro e lavagem de dinheiro. Em fevereiro deste ano, a justiça arrecadou R$ 7 milhões com leilão do gado apreendido. Além de acusação por homicídio.

Nos siga no Google Notícias