ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, DOMINGO  27    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Réu diz que voltou armado para bar, mas sem intenção de matar

Ronaldo dos Santos contou ter ficado incomodado com homens que assediaram sua mulher e de confusão por causa de batida em moto, mas diz que só voltou a boteco para beber mais

Por Anahi Zurutuza e Bruna Kaspary | 22/08/2018 12:20
Réus durante julgamento (Foto: Henrique Kawaminami)
Réus durante julgamento (Foto: Henrique Kawaminami)

Em depoimento, durante júri popular na manhã desta quarta-feira (22), Ronaldo dos Santos, de 45 anos, manteve versão parecida a que deu à Polícia Civil quando foi preso em junho de 2012 por matar o militar da Base Aérea, Renato Dec Barbosa, 21 anos. Ele confessou ter voltado armado no bar onde aconteceu o assassinato, mas diz que não tinha intenção de matar.

Ronaldo afirma que estava incomodado com alguns dos frequentadores do bar porque eles estavam “mexendo” com a mulher dele. O réu bebia junto com a esposa e um amigo Kenny Mendes Durand, 34 anos, conhecido como Bugão, que responde como coautor do crime.

Na hora de ir embora, Ronaldo conta que encostou com o carro na motocicleta da vítima e houve uma confusão. Ele e Kenny deixaram a mulher em casa e voltaram para o bar.

O homem que matou o militar explica que pegou a arma, mas não revelou ao amigo.

“Quando eu saí e encostei na moto, eles começaram a me humilhar. Fui para casa, deixei a minha esposa e chamei o Kenny para beber mais. Peguei a arma, mas não tinha a intenção de matar”, contou Ronaldo ao júri.

Kenny confirmou a versão do amigo. “Ele desceu no bar para pegar um copão”.

Ronaldo disse ainda que só atirou porque a vítima “fez menção” de estar armado. “Atirei para todo lado e saí correndo”.

O amigo relatou ainda que quando ouviu os disparos tentou fugir, mas a motocicleta engasgou.

Quando Ronaldo apareceu, ele deu fuga ao colega e o levou até a casa no bairro Dom Antônio Barbosa, onde o atirador escondeu a arma.

O crime aconteceu no Bar do Braga, no Jardim São Conrado. Everton Delfino dos Santos, Marcos Pereira da Silva e Anderson Xavier dos Santos ficaram feridos no tiroteio.

Ronaldo e o corréu são julgados nesta quarta-feira.

Regras de comentário