ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SÁBADO  28    CAMPO GRANDE 21º

Amor em 4 Patas

Castrar ou não castrar, eis a questão!

Por Dra. Larissa Meurer (*) | 12/05/2022 09:30

Há grande polêmica ao redor desse assunto, pois apesar da maioria dos médicos veterinários apoiarem a castração, muitos tutores ainda tem “dó” de castrar seus animais, acham que precisam cruzar, precisam ter cria para não ter doenças reprodutivas. Mas esses são grandes mitos do assunto.

Os animais não possuem desejo sexual igual as pessoas, e ter filhotes não evita doenças, não há lógica nisso. O que evita doenças é a castração.

Veja 10 motivos pra você castrar sua cachorra ou gata fêmeas:

1. Diminui as chances de ter infecções uterinas, algo que acomete grande parte dos animais idosos, apesar de poder acontecer em qualquer idade;

2. A infecção de útero mais comum é a piometra, quando há pus no útero, e a única forma de tratar é através da retirada do útero, procedimento pelo qual muitas fêmeas não resistem pois já estão doentes. Então se vai ter que castrar de qualquer maneira, doente ou saudável, melhor que castre com o pet saudável, em que os riscos cirúrgicos são muito menores;

Confira a galeria de imagens:

  • Comparação de útero normal e com piometria. Imagem: Bulldog Club
  • Comparação de útero normal e com piometria. Imagem: EFECADEPATOS
  • Comparação de útero normal e com piometria. Imagem: Núcleo de Atendimento Pet

3. A castração eletiva (animal saudável) é mais econômica pra você, do que a castração de animal doente, além dos riscos e sofrimento do pet quando já possui alguma infecção no útero;

4. A castração diminui a circulação de hormônios, ou seja, auxilia até na TPM. Sim, os animais fêmeas também entram na TPM, algumas ficam até mais agressivas e acabam mordendo as pessoas da própria família, é uma fase delicada onde a fêmea está sensível e dolorida, então através da castração podemos auxiliar nesse quesito;

5. É comprovado cientificamente que animais castrados aumentam a expectativa de vida em 30%, ou seja, se ela fosse viver 9 anos com você, irá viver 12 anos se for castrada quando jovem;

6. Você diminui as chances de gestação não planejada;

7. Você diminui brigas, pois quando há 2 machos convivendo com a fêmea não castrada eles podem brigar por ela. Ou quando há pelo menos 1 macho convivendo com a fêmea, eles dois podem brigar devido aos hormônios;

8. Você evita toda dor e sofrimento da gestação, parto e amamentação. Pois quando a fêmea passa por esses processos nunca mais ela volta a ser a mesma, até mesmo as mamas ficam flácidas (caídas);

9. Você evita fugas e atropelamentos. A fêmea no cio faz o possível pra estar com o macho, aí que acontece fugas, se machucam ao tentar fugir, e podem ser atropeladas na rua. Castrar a sua fêmea ajuda a salvar a vida de outros animais, pois os machos sentem o cheiro do cio há quilômetros de distância e também acabam fugindo de suas casas pra ir até o portão da casa da fêmea, podendo se machucar, ser atropelado e se envolver em brigas, já que não é apenas 1 macho que sente o cheiro do cio, e sim todos os machos da região;

10. Você diminui as chances dela ter tumor de mamas.

Eu te entendo, sei que o coração fica apertado por deixar sua filha pet passar por uma cirurgia, mas pior do que isso seria ela fugir pra sempre, ser atropelada, ter tumor, infecções, doenças reprodutivas e acabar não resistindo, você não acha? Acredito que ninguém quer isso pra própria filha pet, por isso vá o quanto antes e agende a castração dela, quanto antes fizer menor as chances de adoecer.

Para ter mais informações sobre esse processo, fale comigo pelo direct do Instagram clicando aqui.

(*) Dra. Larissa Meurer é médica veterinária com 5 anos de experiência clínica. Especializada em Prevenção e profissional no atendimento domiciliar. Trabalha realizando treinamentos de equipe em pet shops com foco em prevenção. E também realizando consultas, exames e vacinas em domicílio com objetivo de aumentar o tempo de vida dos animais e trazendo ainda mais qualidade de vida aos pets e consequentemente pra toda família de seus pacientes.

Nos siga no Google Notícias