A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Fevereiro de 2018


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


30/07/2014 09:43

Campanha tem guerra entre radialistas e volta de bailarino não famoso

Reinaldo Rosa

RADIALISTA X RADIALISTA - Joel Silva, candidato na atual campanha, questiona junto ao Tribunal Regional Eleitoral candidatura de Alcides Bernal ao senado pelo PP. Em legislação rica em recursos o ato soou apenas como noticia na mídia e a vida seguirá com o ex-prefeito da capital lutando por votos.

THOSE WERE THE DAYS – No comando de noticioso em rádios de Campo Grande, Silva sempre enalteceu o pronto – e privilegiado- atendimento do então prefeito Bernal em pautas de entrevistas. Amigos; eleições à parte.

EU ME AMO - Vereador cabeludo, de Campo Grande, sai da disputa pelo degrau de deputado estadual com alegações que beiram ao chororô de personagem de novela. Cansado de ser coadjuvante – que elegia colegas de coligações - pleiteava papel de protagonista.

QUALIDADE DANÇA – Fora da refrega eleitoral Wanderley Cabeludo volta ao comando de programa televisivo aos sábados. Sai o candidato entra o dançarino não famoso. É vida de repetidoras de TV que segue. Sem vida.

DO ARQUIVO – Para lembrar. Nos cinco anos da gestão Sarney (1985-1989), foram distribuídas 1.091 concessões –entre rádios e TVs-. Estudos comprovam que tais concessões foram em troca do voto pelos cinco anos de mandato do presidente Sarney. Exigir os reais objetivos educacionais dos meios de comunicação -falado e televisado- seria piada.

DISTORÇÕES - Programas que mesclam música, produção cultural e educativa e trabalho jornalístico são funções empíricas na atividade de Rádios Educativas. Reafirma-se o princípio de que tais emissoras não devem ser uma rádio institucional, porta-voz de determinados setores, mas sim que sirva à população com programação plural e democrática.

NÃO AQUI – A ausência de tais princípios –e finalidades- de todas emissoras classificadas como educativas, em Mato Grosso do Sul, não é mera coincidência. Seria bom se elas ‘falassem a língua do povo’, como diria o poeta.

QUEM DERA - O rádio é um veículo que tem em si próprio a tradição do popular e que aliado a uma programação educativa pode contribuir muito no processo de resgate da cidadania. Rádios Educativas deveriam constituir-se em espaço de difusão de ideias e projetos culturais que tenham comprometimento para a transformação da sociedade. Também objetivar oportunidades de divulgação da produção cultural do Estado, de grupos sociais, debatendo os problemas pertinentes à realidade de cada comunidade.

ESTELIONATO ELEITORAL - 171 é o número de candidatos a governador nas eleições de outubro em todo o país. Sem comentários.

O futebol fora da Band
VEM AÍ – A Band (SP) anuncia, nesta terça-feira, sua nova programação televisiva “voltada ao gosto do povo” e confirma que estará fora das transmissõ...
Comércio local fora do horário nobre
DE BRISA – TV Morena continua com tabela de preços discricionária em sua grade publicitária. No horário nobre não existe veiculação significativa de ...
TVE tem novidade na cobertura do futebol de MS
VÍDEO MONITORAMENTO - Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de Dourados instaura Inquérito Civil para investigar eventual irregularida...
Só Corumbá terá Carnaval na televisão
MAMÃE EU QUERO – Procura-se o responsável pelo apoio midiático e discriminatório do governo do Estado. Apenas a Festa de Momo, de Corumbá, foi privil...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions