ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 21º

De olho na TV

Horário político vai sem deixar saudades

Por Reinaldo Rosa | 26/10/2018 16:15

TERMINA HOJE – Horário político chegou ao fim nesta sexta-feira sem atingir os objetivos para os quais foi criado. Com disputa –em nível nacional- monopolizada entre fascismo e ódio ao petismo, rádio e televisão foram usados para tudo; menos transmitir programas de governo dos candidatos.

ESTÃO PRONTOS? – Regionalmente, no segundo turno aconteceu o mesmo. Troca de acusações –sem a menor cerimônia de ambos os lados- resgistra “empate técnico”, mostrando a inocuidade dos objetivos buscados pelo horário bancado por nós eleitores.

LUTOU – Kadu Bortolot encarou o câncer com a dignidade que lhe era peculiar. Sucumbiu ao mal nesta sexta-feira, não sem antes deixar sua marca entre os colegas de profissão que tanto o respeita. Notícia que entristece o setor.

TÔCA – Partidos políticos que disputaram vagas ao governo estadual neste ano, foram bafejados pela sorte. Ou distração alheia. Usaram e abusaram do uso de imagens de profissionais globais. Com o devido desrespeito à lei de imagem de terceiros. Por enquanto.

NAS ONDAS DO RÁDIO – Profissionais do radiojornalismo de Mato Grosso do Sul fizeram de tudo para transmitir notícias eivadas da desejada imparcialidade. Redes sociais serviram para mostrar a verdadeira máscara de tal comportamento. Jornalista também é humano e tem suas escolhas pessoais. Simples assim.

ALÉM TV – A carreira de marqueteiros e coordenadores de campanha percebeu um epílogo nada favorável à suas aulas práticas em épocas eleitorais. Programas eleitorais através de rádio e televisão foram apequenados diante do fenômeno das redes sociais.

SIGA A LÍDER – Na década de oitenta, Ruy Pimentel ousou reproduzir ideia de emissoras nacionais e criou aqui “a marcha das apurações, urna por urna”, como afirmava. Sucesso comprovado em eleições passadas cresce o número de rádios (e TVs) interessadas –e que acompanham- a citada programação. Tem para todos os gostos.

SE A ELEIÇÃO FOSSE HOJE – Domingo é dia de prova do enem dos institutos de pesquisas. Com resultados para satisfação de cada galera contratante, a noite de domingo, a partir das 20 horas local, os extratificadores de resultados pesquisados terão a comprovação –ou não- dos números e índices apresentados até aqui.

HABEMUS PRESIDENTE – Em eleição polarizada entre o ‘nós contra eles’ tem virtual vencedor (até hoje, 25/10) que recebeu votos de quem não acredita nele mas odeia o Partido dos Trabalhadores. Com tal ‘esclarecimento’ da maioria para justificar a escolha de seu candidato, resta-nos a certeza de que –bem ou mal- a coloração das nuvens que nos espera pertence a Deus. Oremos.