A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 24 de Maio de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


12/08/2013 09:21

Santos pratas de casa

Reinaldo Rosa
Santos pratas de casa

ALGUMA COISA ACONTECE - Caetano Veloso afirmou em pesquisa que realizou por conta própria, que 99,8% de músicas criadas no país têm letras românticas. Autores carentes de melhor inspiração têm no tema, forma fácil de colocar nos ouvidos de pessoas verdadeiras obras primas que desaparecem com a mesma facilidade com que aparecem.

ESTRELAS DESCEM - Procura-se leitor que saiba (sem apelar ao Google) quem foram os intérpretes das músicas 'só no sapatinho' e 'no balanço do buzão'. Os responsáveis pela irresponsabilidade de transformá-los em sucesso trabalhavam na rede Globo. É uma dica.

SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR - Na ânsia de galgar as primeiras colocações na audiência radiofônica diária, emissoras -de todo o país- fizeram do chamado sertanejo universitário um meio de galgar índices. Passado -muito- pouco tempo o gênero começa dar sinais de que já cansou o público; FM Capital a '100% sertaneja' já segmenta a programação com pagode.

VOCÊ NÃO VÊ - Repetidoras de TV locais abrem poucos espaços para a música -de qualidade- produzida em Mato Grosso do Sul. O Nosso Mato Grosso do Sul, com Márcio de Camilo, pela TV Morena, é rara -e boa- exceção, que apresentou, no sábado, Aurélio Miranda, autor e violeiro dos maiores do Brasil.

MAS NÓS ESTAMOS AQUI - A lamentar há o fato de saber que jovens do estado não conheçam a obra de Geraldo Espíndola e família. Músicas que sintetizam valores e sons regionais escancarados na vida da população que aqui habita e não os percebe; emissoras de rádios e repetidoras de redes de televisão (aquelas da audiência fácil) as grandes culpadas.

NEM MESMO EM COXIM - Entre os 'procurados' da música regional de qualidade está o cantor João Figar. Intérprete dos mais completos não tem o destaque que emissoras martelam até a exaustão a uma dupla como, pasme, Diego e não-sei-quem.

EXEMPLOS NÃO FALTAM - Mato Grosso do Sul é rico de ótimos autores que só são lembrados em matérias sobre a história musical do estado. Carlos Colman, Paulo Gê, Geraldo Rocca, Paulinho Simões, Celito e Jerry Espíndola soam como palavrões para grande parte da juventude local. Para programadores de rádio, então, é a seleção do 'famoso quem?'.

O ÚLTIMO APAGUE A LUZ - Nos anos oitenta, no Bar Café Soçaite, o até então desconhecido Almir Sater profetizou que "vou fazer minha carreira em São Paulo; aqui não da não". E os resultados do vaticínio todos conhecem hoje. No 'aqui não da não" entenda-se mídia eletrônica local.

MUITO POUCO - A abertura para o gênero regional é encontrada na Rádio FM 104 e, em particular, no trabalho do apresentador Ciro de Oliveira, além de emissoras que reservam cinco minutos para a música local numa programação de 24 horas. Com o FM do disco de vinil (outro palavrão para a molecada) e o moribundo CD, arquivos musicais de emissoras de rádio não chegam a ficar empoeirados em razão da alta rotatividade de 'sucessos do trimestre'.

GRUPO DA TRADIÇÃO - Michel Teló e Luan Santana produtos genuinamente difundidos pela mídia local -e lançados ao mundo- cobram altos cachês por suas apresentações. Enquanto isso, em Campo Grande, o excelente Paulo Gê lança CD de coletânea de autoria própria e, como numa súplica na TV Morena, informa um endereço eletrônico a interessados na sua aquisição. Notícias da província Santos pratas de casa.

Rádio esbanja potência, mas com público restrito
O ELO – No Brasil todo está disseminada a prática de terceirização de espaços na comunicação falada. Cronistas do rádio esportivo ficam à mercê do bo...
O bagunçado e voraz mercado local das rádios
SENHORES PASSAGEIROS – Nivaldo Mota, João Flores, Miltinho Viana e Marcelo Nunes têm algo em comum. Foram revelados para o rádio de MS originários do...
Sem novas ideias, rádio de MS definha
SINTONIA GROSSA – Tratado como penduricalho de informações oficiais, o rádio de Mato Grosso do Sul definha por não renovar estratégias comerciais de ...
Futebol fraco restringe cobertura à Série D via rádio
O QUE FAZER – Domingo de abertura do Campeonato Brasileiro de futebol e os cronistas esportivos de Mato Grosso do Sul sem a parte que lhes cabe na co...



Concordo com você Ramão! Temos ótimos compositores, de todos os estilos e gostos musicais! Não se pode segmentar um estilo só ao citar compositores como feito na coluna, como disse, bastante apreciada! Acredito que o Ms é um celeiro de bons autores e de bons músicos, independente de que estilo fazem parte!
 
Emerson Roque Pires em 13/08/2013 14:26:17
Prezados,

Sou admirador da musica e concordo quando o colunista fala do pouco espaço. Na Band existe o programa Rancho Caboclo, que apesar de alguns problemas técnicos na sua produção resgatam o verdadeira musica de MS. Se melhorarem a produção vai ficar um show. Parabéns Band.
 
Adriano Cintra em 12/08/2013 15:03:37
Faltou ao ilustre colunista mencionar os compositores Nelson Sanches, Marco Aurélio, Airo (In memoriam) Iko Cordeiro, ou não vale compositor sertanejo? Só a panela de sempre? O que é música de qualidade? Vale lembra que o Almir Sater saiu daqui e foi para São Paulo e lá era apenas mais. Ao ser escalado ao lado do Sergio Reis (seu amigo pessoal) na novela Pantanal na extinta Rede Manchete em 1990, é que se tornou realmente conhecido. O resto da história todos conhecem. Tenha cuidado com o que escreve, sua coluna é bastante apreciada.
 
Ramão Cabreira - Jornalista em 12/08/2013 13:08:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions