A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


12/08/2013 09:21

Santos pratas de casa

Reinaldo Rosa
Santos pratas de casa

ALGUMA COISA ACONTECE - Caetano Veloso afirmou em pesquisa que realizou por conta própria, que 99,8% de músicas criadas no país têm letras românticas. Autores carentes de melhor inspiração têm no tema, forma fácil de colocar nos ouvidos de pessoas verdadeiras obras primas que desaparecem com a mesma facilidade com que aparecem.

ESTRELAS DESCEM - Procura-se leitor que saiba (sem apelar ao Google) quem foram os intérpretes das músicas 'só no sapatinho' e 'no balanço do buzão'. Os responsáveis pela irresponsabilidade de transformá-los em sucesso trabalhavam na rede Globo. É uma dica.

SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR - Na ânsia de galgar as primeiras colocações na audiência radiofônica diária, emissoras -de todo o país- fizeram do chamado sertanejo universitário um meio de galgar índices. Passado -muito- pouco tempo o gênero começa dar sinais de que já cansou o público; FM Capital a '100% sertaneja' já segmenta a programação com pagode.

VOCÊ NÃO VÊ - Repetidoras de TV locais abrem poucos espaços para a música -de qualidade- produzida em Mato Grosso do Sul. O Nosso Mato Grosso do Sul, com Márcio de Camilo, pela TV Morena, é rara -e boa- exceção, que apresentou, no sábado, Aurélio Miranda, autor e violeiro dos maiores do Brasil.

MAS NÓS ESTAMOS AQUI - A lamentar há o fato de saber que jovens do estado não conheçam a obra de Geraldo Espíndola e família. Músicas que sintetizam valores e sons regionais escancarados na vida da população que aqui habita e não os percebe; emissoras de rádios e repetidoras de redes de televisão (aquelas da audiência fácil) as grandes culpadas.

NEM MESMO EM COXIM - Entre os 'procurados' da música regional de qualidade está o cantor João Figar. Intérprete dos mais completos não tem o destaque que emissoras martelam até a exaustão a uma dupla como, pasme, Diego e não-sei-quem.

EXEMPLOS NÃO FALTAM - Mato Grosso do Sul é rico de ótimos autores que só são lembrados em matérias sobre a história musical do estado. Carlos Colman, Paulo Gê, Geraldo Rocca, Paulinho Simões, Celito e Jerry Espíndola soam como palavrões para grande parte da juventude local. Para programadores de rádio, então, é a seleção do 'famoso quem?'.

O ÚLTIMO APAGUE A LUZ - Nos anos oitenta, no Bar Café Soçaite, o até então desconhecido Almir Sater profetizou que "vou fazer minha carreira em São Paulo; aqui não da não". E os resultados do vaticínio todos conhecem hoje. No 'aqui não da não" entenda-se mídia eletrônica local.

MUITO POUCO - A abertura para o gênero regional é encontrada na Rádio FM 104 e, em particular, no trabalho do apresentador Ciro de Oliveira, além de emissoras que reservam cinco minutos para a música local numa programação de 24 horas. Com o FM do disco de vinil (outro palavrão para a molecada) e o moribundo CD, arquivos musicais de emissoras de rádio não chegam a ficar empoeirados em razão da alta rotatividade de 'sucessos do trimestre'.

GRUPO DA TRADIÇÃO - Michel Teló e Luan Santana produtos genuinamente difundidos pela mídia local -e lançados ao mundo- cobram altos cachês por suas apresentações. Enquanto isso, em Campo Grande, o excelente Paulo Gê lança CD de coletânea de autoria própria e, como numa súplica na TV Morena, informa um endereço eletrônico a interessados na sua aquisição. Notícias da província Santos pratas de casa.

Programa resgata causos do futebol regional
CONTA OUTRA – O futebol sul-mato-grossense – graças a alguns – vive na história do torcedor local. Jogadores, dirigentes e técnicos estão no ‘Conto d...
Público dando um show no futebol de MS
QUEM NÃO AJUDA – Domingo de ‘Comerário’ no Morenão. Se dependesse apenas dos torcedores, o futebol de Mato Grosso do Sul teria vida longa no cenário ...
Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...



Concordo com você Ramão! Temos ótimos compositores, de todos os estilos e gostos musicais! Não se pode segmentar um estilo só ao citar compositores como feito na coluna, como disse, bastante apreciada! Acredito que o Ms é um celeiro de bons autores e de bons músicos, independente de que estilo fazem parte!
 
Emerson Roque Pires em 13/08/2013 14:26:17
Prezados,

Sou admirador da musica e concordo quando o colunista fala do pouco espaço. Na Band existe o programa Rancho Caboclo, que apesar de alguns problemas técnicos na sua produção resgatam o verdadeira musica de MS. Se melhorarem a produção vai ficar um show. Parabéns Band.
 
Adriano Cintra em 12/08/2013 15:03:37
Faltou ao ilustre colunista mencionar os compositores Nelson Sanches, Marco Aurélio, Airo (In memoriam) Iko Cordeiro, ou não vale compositor sertanejo? Só a panela de sempre? O que é música de qualidade? Vale lembra que o Almir Sater saiu daqui e foi para São Paulo e lá era apenas mais. Ao ser escalado ao lado do Sergio Reis (seu amigo pessoal) na novela Pantanal na extinta Rede Manchete em 1990, é que se tornou realmente conhecido. O resto da história todos conhecem. Tenha cuidado com o que escreve, sua coluna é bastante apreciada.
 
Ramão Cabreira - Jornalista em 12/08/2013 13:08:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions