ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 15º

Em Pauta

Breves notícias da medicina na Pré-História e na Antiguidade

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 24/05/2022 07:00
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Desde os tempos imemoriais homens ficam doentes e outros se propõem a curá-los. Acredita-se que o surgimento da medicina seja contemporâneo dos primeiros funerais. A ideia era proteger os vivos e os mortos dos animais selvagens. O que é possível afirmar é que os trogloditas sabiam alinhar fraturas e imobilizá-las com talas de madeira. Nos clãs, as mulheres já colhiam ervas de efeito considerado benéfico e as guardavam em saquinhos impermeáveis de pele. As plantas eram utilizadas para curas, em compressas ou infusões. A magia e a medicina estavam estreitamente ligadas. E a dança do feiticeiro tinha poderes de cura. A trepanação, abrir a cabeça do doente, costumava ser mais mágica que terapêutica. A amputação já era praticada e sobreviviam graças à solidariedade do clã.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Carma na Índia e oráculo do fígado na Mesopotâmia.

Na Índia, os brâmanes-médicos privilegiavam o "ayurvéda", a ciência da vida longa. Acima de tudo, diziam eles, a saúde deve ser preservada com a harmonia entre corpo e mente. Mas tudo dependia dos carmas e das ações de vidas passadas. Na Mesopotâmia, existiam os sacerdotes-médicos que conheciam fórmulas mágicas e algumas técnicas cirúrgicas primitivas. Também se entrechocavam sacerdotes-médicos que faziam diagnósticos observado a gota de água e aqueles que observavam a gota de óleo. Outra "técnica" era identificar a doença através do fígado do carneiro sacrificado. As tabuletas mesopotâmicas comportavam milhares de plantas por suas virtudes terapêuticas. O pioneiro "Código de Hamurabi" já regulamentava a responsabilidade médica."Se curar o paciente ganhava muito dinheiro, mas se ele morrer, terá as duas mãos cortadas", determinava Hamurabi.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

O mito sem pênis da medicina egípcia e os pastores do ânus.

A medicina egípcia era essencialmente religiosa, baseada em um mito fundador. Osíris, o grande deus, casou com sua Irmã Isis. Osíris foi assassinado por seu irmão Seth, que o cortou em pedaços e o dispersou pelo Egito. Ísis, grande feiticeira, partiu em busca dos pedaços e os encontrou..... todos, menos o pênis de Osíris. Ele é o responsável pela cura. Os mais antigos tratados que conhecemos são os papiros Ebers e Smith, que datam de 1.600 a.C. Ele tem vinte metros de comprimento. Há nele, um tratado sobre o coração e 700 remédios para inúmeras patologias. Cada médico tratava uma doença. Havia desde "pastores do ânus" até "médicos para as doenças ocultas dos olhos".

Nos siga no Google Notícias