ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 10º

Saúde Viva

As lutas diárias dos pais de crianças com doenças raras

Por Anaísa Banhara (*) | 20/06/2024 13:36

Ser pai ou mãe é um dos maiores desafios da vida, mas quando uma criança é diagnosticada com uma doença rara, esses desafios se multiplicam e tornam-se ainda mais complexos. As doenças raras, definidas como condições que afetam uma pequena porcentagem da população, apresentam uma série de obstáculos únicos que podem impactar profundamente a vida das famílias.

O diagnóstico de uma doença rara é frequentemente um processo longo e frustrante. Devido à raridade dessas condições, muitos profissionais de saúde não estão familiarizados com os sintomas e sinais específicos, levando a diagnósticos errados ou atrasados. Este período de incerteza pode durar meses ou até anos, durante os quais os pais enfrentam uma montanha-russa emocional. As consultas médicas frequentes, exames invasivos e a constante busca por respostas exaurem tanto os recursos emocionais quanto financeiros da família.

Nesse sentido, uma vez diagnosticada, a busca por tratamento adequado para uma doença rara pode ser igualmente desafiadora. Em muitos casos, os tratamentos disponíveis são limitados e, frequentemente, ainda estão em fase experimental. Os medicamentos e terapias específicas são geralmente caros e podem não ser cobertos pelos seguros de saúde ou sistemas públicos, forçando os pais a buscarem alternativas, como campanhas de arrecadação de fundos e a própria judicialização.

Os pais também enfrentam a tarefa de se tornarem especialistas na condição de seus filhos, aprendendo sobre os últimos avanços médicos, ensaios clínicos e opções terapêuticas. Eles frequentemente precisam tomar decisões difíceis sobre tratamentos arriscados ou experimentais, balanceando a esperança de melhora com os potenciais riscos.

Os pais se tornam os médicos, enfermeiros e cuidadores dos próprios filhos! Muitas vezes porque os profissionais da saúde desconhecem as mazelas da doença rara, tampouco sabem o caminho para o diagnóstico.

Por outro lado, a carga emocional de cuidar de uma criança com uma doença rara é imensa. Os pais vivem constantemente sob o peso da incerteza sobre o futuro, preocupando-se com o progresso da doença e as implicações a longo prazo para a qualidade de vida de seus filhos. Esse estresse contínuo pode levar a problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Ademais, o isolamento social é uma realidade para muitos pais, que podem sentir que amigos e familiares não compreendem a gravidade ou a complexidade da situação. Eventos sociais e atividades que antes eram rotineiros tornam-se difíceis ou impossíveis, levando ao afastamento e ao sentimento de solidão.

Com tudo isso, será mesmo possível viver a um diagnóstico de doença rara?

Eu diria, sobreviver.

Pais de crianças com doenças raras, sintam-se fortemente abraçados por mim.

(*) Anaísa Maria Gimenes Banhara dos Santos, 34 anos, é advogada e proprietária do escritório Banhara Advocacia em Campo Grande, MS, especializado em demandas de saúde contra planos de saúde e o SUS. Com inscrição na OAB/MS e suplementares na OAB/DF e OAB/SP, é especialista em acesso à saúde e pioneira em tutelas de urgência para medicamentos de alto custo como Voxzogo e Zolgensma. Atua também na concessão de tratamentos oncológicos avançados e é ativista na causa. Membro de diversas comissões da OAB e ABA, é palestrante, colunista, professora universitária e foi assessora jurídica no Ministério Público Estadual por mais de dez anos. Graduada em Direito pela UCDB, possui MBA em Direito da Saúde e Compliance Hospitalar. Fluente em português, inglês e espanhol, domina o pacote Office e Internet. Siga nas redes sociais: @anaisabanhara.

Nos siga no Google Notícias