ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 24º

Direto das Ruas

Na Justiça, pai espera custear remédio que previne convulsões de filho

Medicamentos custam R$ 800 por mês; pai trabalha como entregador em uma conveniência de bebidas

Por Alison Silva | 12/02/2024 17:48
Irio Matheus, de apenas cinco anos (Foto: Arquivo Pessoal)
Irio Matheus, de apenas cinco anos (Foto: Arquivo Pessoal)

Na Justiça, o entregador Elias Matheus Pietrobelli, de 32 anos, espera conseguir a gratuidade do medicamento que previne as convulsões do filho Irio Matheus, de apenas 5 anos. Ao nascer, Irio ficou três meses na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) após ser diagnosticado com hipoplasia do nervo óptico, hipercondroplasia e crise convulsiva de difícil controle, tratada com medicação diária. Atualmente, as doenças que afetam o sistema nervoso do garoto despendem de R$ 800 mensais do pai, que ganha pouco mais de um salário mínimo por mês.

Segundo Elias, o medicamento utilizado pelo filho é a base de Trileptal, usado para tratar crises convulsivas generalizadas. “Recebo cerca de R$ 1,6 mil por mês. Vivo com a minha mãe, tenho de pagar a escolinha dele, tenho outros gastos, e está muito difícil de manter o tratamento”, disse o pai. Cada frasco custa R$ 400 e dura 15 dias.

Elias Matheus Pietrobelli, de 32 anos, pai de Irio (Foto: Arquivo / Paulo Francis)
Elias Matheus Pietrobelli, de 32 anos, pai de Irio (Foto: Arquivo / Paulo Francis)

Apesar da dificuldade, Elias disse que as condições de vida dele são melhores do que as da mãe de Irio, com a qual divide a guarda da criança. Neste momento, ele aguarda junto à Defensoria Pública Estadual a decisão que irá custear os medicamentos do filho.

“O julgamento sobre a gratuidade do medicamento está agendado para o mês que vem. Minha luta é para aposentar meu filho pela Loas (Lei Orgânica da Assistência Social), enquanto isso toda ajuda é bem-vinda”, disse ao Campo Grande News. 

A luta de Elias para aposentar o filho perdura desde 2020, período em que o Irio tinha menos de dois anos. Naquela época, o medicamento que hoje custa R$ 800 custava R$ 397 ao pai, que teve o salário impactado pela pandemia de covid-19 naquele momento.

“Ele não pode ficar sem tomar os remédios, porque convulsiona e tem de ir pro oxigênio. Conto com a ajuda do patrão e das pessoas que vêm aqui. Faço rifas e assim temos conseguido manter ele medicado”, disse na ocasião.

Nascido de 36 semanas, o filho teve sífilis congênita na gestação, e a família passou 96 dias na UTI. Ao sair do hospital, Elias já tratou de conseguir custear os medicamentos do filho, fator que pretende realizar em breve.

Interessados em ajudar Matheus e seu filho, entrem em contato através do número (67) 99226-1894.

Direto das Ruas - A situação chegou pelo Direto das Ruas, o canal de interação dos leitores com a redação do Campo Grande News. Sugestões de pauta em áudios, fotos e vídeos podem ser enviadas pelo número (67) 99669-9563.

Clique aqui e envie agora sua sugestão. Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos sejam feitos com o aparelho celular na posição horizontal.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias