A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

02/08/2017 17:12

Alta de impostos no Brasil derruba em 70% venda de gasolina em Ponta Porã

Osvaldo Júnior
Veículos cruzam a fronteira para abastecer no Paraguai (Foto: Divulgação) Veículos cruzam a fronteira para abastecer no Paraguai (Foto: Divulgação)

A elevação dos tributos sobre os combustíveis no Brasil impactou, fortemente, o setor em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai e a 323 quilômetros de Campo Grande. As vendas de gasolina caíram até 70% no município e os postos já começam a demitir funcionários.

“Aqui trabalhavam 12 frentistas. Agora são seis”, disse um gerente, que pediu para não ser identificado. De acordo com ele, a comercialização de gasolina vem caindo há dois anos, mas, nas últimas semanas, a situação ficou muito mais crítica.

“A diferença entre o preço da gasolina aqui e lá [no Paraguai] é de R$ 1,20, R$ 1,50. Lá, custa R$ 2,50 em alguns postos. Então, fica muito difícil pra gente. O turista prefere abastecer lá”, contou. Em Ponta Porã, o preço chega a R$ 3,95.

A preferência pela gasolina mais barata do Paraguai não é algo recente. No entanto, depois do dia 20 de julho, quando o presidente Michel Temer assinou decreto, autorizando o aumento do PIS/Confins sobre os combustíveis, o quadro se agravou na cidade sul-mato-grossense. Nas refinarias, o reajuste foi de R$ 0,41, com repasses, em alguns casos, acima desse patamar ao consumidor final.

Além disso, a Petrobras tem reajustado (para mais ou para menos) os preços dos combustíveis às distribuidoras. Do dia 26 de julho até esta quarta-feira (dia 2), o valor da gasolina vem subindo continuamente. Amanhã, entretanto, haverá queda de 1,3%, o que não é suficiente para compensar as altas dos últimos dias.

Nesse cenário, o varejo de combustíveis de Ponta Porã está amargando quedas recordes de vendas. “Nossa média era de 10 mil litros de gasolina por dia. Hoje, não chegou a 3 mil litros”, disse o gerente de um posto da cidade, Jayson Ronaldo. De acordo com ele, os últimos dias têm sido de comercialização muito fraca. A queda referida pelo gerente é de 70%.

No posto que gerencia, não houve, por enquanto, demissões – no local, trabalham 26 pessoas. No entanto, Jayson contou que está marcada reunião com os funcionários para tratar do problema. “Pode ser que vamos precisar demitir. Infelizmente”, disse.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions