ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 23º

Economia

Bolívia quer abrir mercado do gás para negociar com empresas brasileiras

Sinalização do país vizinho entende demanda do governo de MS

Por Priscilla Peres | 16/02/2017 07:45
MSGÁS é a empresa responsável por distribuir o gás natural no Estado. (Foto: Assessoria)
MSGÁS é a empresa responsável por distribuir o gás natural no Estado. (Foto: Assessoria)

A Bolívia se manifestou ontem favorável a abertura do mercado de gás natural para outras empresas brasileiras, além da Petrobras. A decisão do país vizinho vem ao encontro ao pedido do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) de importar o combustível independente da estatal, no intuito de elevar a arrecadação com ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

De acordo com a Agência Brasil, o ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Luis Alberto Sánchez Fernández, disse ontem (15) que o excedente de gás do país que não está sendo consumido pela Petrobras poderá ser negociado com novos clientes no Brasil.

O ministro boliviano se reuniu ontem com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e disse que quer negociar a venda para outros mercados, como por exemplo, as termelétricas. “Até 15 de março, a Petrobras vai nos dar uma projeção e teremos a definição de outros mercados”, disse.

Segundo Sánchez, historicamente a Petrobras importa entre 28 milhões e 30 milhões de metros cúbicos (m³) de gás da Bolívia por dia, mas atualmente esse volume está em 15 milhões de m³/dia. “Em função dessa projeção, eu teria a capacidade de entregar outros volumes, fundamentalmente para empresas brasileiras”, disse à Agência Brasil.

Isso acontece porque a estatal tem priorizado o consumo de gás natural produzido no Brasil. Como consequência, derrubou a arrecadação de Mato Grosso do Sul com ICMS sobre importação do gás, pela metade. O montante caiu de R$ 79,3 milhões para R$ 38,6 milhões entre 2016 e 2017, segundo dados da Sefaz (Secretaria estadual de Fazenda).

Detalhes – Ainda de acordo com a Agência Brasil, o ministro boliviano não adiantou como será feito o acordo financeiro com a Petrobras se a estatal brasileira passar a receber menos gás da Bolívia. “Dentro dessa negociação, desses acordos, vamos tocar nesse tema, e ficará mais claro a partir de março”.

Segundo a Petrobras, a importação atual de gás da empresa Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) está em cerca de 45% do volume máximo diário. “A queda na importação reflete a redução conjuntural da demanda brasileira termelétrica e do mercado industrial, somada ao aumento da oferta de gás nacional, e está de acordo com as obrigações e direitos da Petrobras em seus contratos”, informou a estatal.

O Ministério de Minas e Energia disse que não vai se opor à venda do excedente de gás da Bolívia e vai dar todo o suporte necessário para a negociação com os agentes privados.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário