ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Capital tem maior alta na cesta básica durante o mês de maio, aponta Dieese

Conjunto de produtos em Campo Grande é o sétimo mais caro do país

Ricardo Campos Jr. | 07/06/2018 11:34
Batata ficou mais cara e foi uma das vilãs da alta no preço da cesta básica (Foto: Marina Pacheco)
Batata ficou mais cara e foi uma das vilãs da alta no preço da cesta básica (Foto: Marina Pacheco)

Campo Grande teve a maior alta no preço da cesta básica entre as 20 cidades pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) em maio. O conjunto de produtos subiu 5,22% em relação ao mês de abril, fechou em R$ 383,21 e assumiu o posto de 7º mais caro no ranking.

O aumento em dinheiro foi de R$ 19,74 puxado principalmente pela batata (84,91%), tomate (29,02%) e feijão carioquinha (6,04%). Os dois primeiros foram severamente afetados pelo desabastecimento causado pela greve dos caminhoneiros, embora o estudo não detalhe se o movimento teve relação com a inflação.

Por outro lado, ajudaram a reter o preço quedas no pão francês (-2,73%), açúcar (-2,65%), manteiga (-2,11% e banana (-0,36%).

Esta foi a terceira vez em 2018 que o valor da cesta subiu, acumulando acréscimo de 8,70% desde janeiro com valor médio de R$ 383,21 no período. Levando em consideração os últimos 12 meses, a variação foi de 0,77%.

Conforme o Dieese, um campo-grandense precisou trabalhar 91h49 em maio para conseguir comprar uma sexta básica, quatro horas e meia a mais que durante o mês de abril.

Além de Campo Grande, altas expressivas no conjunto de produtos foram notadas em Florianópolis (3,49%), João Pessoa (3,17%) e Fortaleza (3,12%). As reduções ocorreram em Manaus (-0,82%) e Belo Horizonte (-0,39%).

Com base na cesta mais cara, o salário mínimo necessário para manter uma família mínima de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.747,10, tendo em vista despesas básicas, como alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

Nos siga no Google Notícias