A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

06/02/2014 10:18

Carne, mensalidade e beterraba são os vilões da inflação de janeiro

Edivaldo Bitencourt e Viviane Oliveira
A beterraba está 36% mais cara. (Foto: Marcos Ermínio) A beterraba está 36% mais cara. (Foto: Marcos Ermínio)

A inflação de janeiro fechou com alta de 1,18% em janeiro deste ano na Capital, o dobro em relação a dezembro (0,63%) e inferior ao mesmo período do ano passado (1,40%). Os vilões do custo de vida na cidade foram a beterraba (36,59%), chuchu (31,11%), mensalidades escolares (que tiveram alta de até 9,36%) e a carne bovina.

A constatação é do IPC/CG (Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande), divulgado hoje pelo Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais) da Anhanguera Uniderp.

Para o coordenador do levantamento, o economista Celso Correia de Souza, a boa notícia é que houve queda no índice em relação ao ano passado. Apesar dos eventos previstos para este ano, como Copa do Mundo e eleições, e aumento nas exportações, o primeiro indicado do ano mostra que a inflação começa com menos pressão.

 

Conrado, que trabalha vendendo frutas há mais de 10 anos, diz que não tem como deixar de passar o valor do reajuste para o cliente. (Foto: Marcos Erminio) Conrado, que trabalha vendendo frutas há mais de 10 anos, diz que não tem como deixar de passar o valor do reajuste para o cliente. (Foto: Marcos Erminio)
Marli sentiu no bolso o aumento dos produtos, mas afirma que vai continuar comprando. (Foto: Marcos Erminio)Marli sentiu no bolso o aumento dos produtos, mas afirma que vai continuar comprando. (Foto: Marcos Erminio)

Mas o maior peso foi a educação, como acontece em todos os meses de janeiro. O segmento teve aumento de 7,24% no mês, puxada, principalmente, pelas mensalidades escolares. Os estudantes do ensino fundamental e médio tiveram aumento de 9,36%, enquanto o do superior e da infantil subiu 8,51%.

Alimentação – Outros dois fatores influenciaram no IPC/CG de janeiro, os grupo alimentação, com alta de 1,62%, e de saúde, 1,21%. O primeiro foi impulsionado pelo clima e produtos fora da estação, como beterraba (36,59% mais cara), chuchu (31,11%), cenoura (27,88%) e laranja pêra (20%).

Com o preço da arroba do boi gordo batendo recorde por causa do aumento nas exportações, o preço da carne continua subindo ao consumidor. O contrafilé ficou 11,32% mais caro, seguido por outros cortes, como alcatra (9,52%), costela (9,1%), bisteca (6,87%) e ponta de peito (6,16%).

Vilão famoso em outras épocas de inflação alta, chuchu teve aumento de 31% em janeiro (Foto: Marcos Ermínio)Vilão famoso em outras épocas de inflação alta, chuchu teve aumento de 31% em janeiro (Foto: Marcos Ermínio)

A dona de casa Marli Gomes Pereira, 51 anos, sentiu no bolso o aumento da laranja e da cenoura. No entanto, afirma que não pretende deixar de comprar os produtos. “Quando o preço está alto a gente tenta substituir o produto por outro mais barato, mas no caso da laranja não tem jeito vou ter que continuar comprando”, diz.

Os clientes de Conrado dos Santos, 63, que trabalha vendendo frutas na Rua Pedro Celestino há mais de 10 anos, estão reclamando dos preços que teve um aumento considerável. A laranja, por exemplo, o saco de 20 quilos vendido por R$ 20 foi para R$ 25. No entanto, a bandeja do tomate que Conrado chegou a vender por R$ 6 hoje esta pela metade do preço. “Não tem como fugir e não deixar de repassar o valor para o cliente, que sente o aumento”, afirma.

A aposentada Catarina Neves, 62, conta que vai substituir os legumes pelas folhas. “A gente tem que tentar economizar, no momento estou preferindo comprar os produtos que estão mais em conta”, diz. Para ela, o importante é não deixar de ter uma alimentação saudável.

Laranja pera ficou 20% mais cara na Capital (Foto: Marcos Ermínio)Laranja pera ficou 20% mais cara na Capital (Foto: Marcos Ermínio)

A saúde também pesou no bolso do consumidor campo-grandenses no mês passada. O custo da consulta no médico ortopedista disparou e teve aumento de 16%, quatro vezes a inflação acumulada nos últimos 12 meses.

Não foi o único serviço a ter aumento expressivo. Ir ao dentista ficou 9,73% mais caro, enquanto o médico pediatra teve alta de 8,45%.

A boa notícia veio do setor de combustíveis, com a gasolina ficando 2,23% mais barata em função da concorrência acirrada entre os postos. O etanol teve redução de 0,7%.

Ano – A inflação acumulada nos últimos 12 meses ficou em 4,08%, bem abaixo da meta de 4,5% estabelecida pelo Banco Central. O Governo trabalha com um teto de dois pontos percentuais para mais ou menos.

IBGE inclui Campo Grande no cálculo de índice que mede inflação
O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) vai incluir Campo Grande e Vitória (ES) no cálculo do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Con...
Cesta de produtos de famílias com renda até 2,5 salários tem inflação de 4,98%
O Índice de Preços ao Consumidor-Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda até 2,5 salários mínimos, fechou 2013 com taxa de 4,9...


A política aplicada pelo governo federal não tem a menor culpa né. A culpa é da beterraba.
 
Cyro chan em 06/02/2014 16:35:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions