A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

03/04/2013 10:22

E o vinagrete, quem diria, ficou mais caro que o churrasco: tomate R$ 9,92

Nícholas Vasconcelos, Mariana Lopes e Edivaldo Bitencourt
Valor do produto já equivale a dois quilos de costela (Vanderlei Aparecido)Valor do produto já equivale a dois quilos de costela (Vanderlei Aparecido)

O churrasco que se preze tem de ter a carne, e acompanhar a mandioca, arroz e o vinagrete. Em geral, a carne é o produto que custa mais nessa conta. Mas nas últimas semanas, o item mais caro dessa tradição sul-mato-grossense passou a ser o tomate e não a carne.

Par a fazer um churrasco com costela, por exemplo, é preciso desembolsar de R$ 4,99 até R$ 8,55, na média, pelo quilo. Enquanto o quilo do tomate pode sair por até R$ 9,92, o dobro do preço da carne.

Em três estabelecimentos pesquisados pela reportagem, o preço do tomate oscila entre R$ 7, R$ 8,99 e até R$ 9,92. Já a costela, em outros três pontos de venda custa R$ 4,99 a R$ 5,50, mas pode ser encontrado até por R$ 8,55.

A explicação para essa alta começa na Ceasa de Campo Grande, onde a caixa de 25 kg do tomate tipo “extra” sai por R$ 140 e o mais em conta, por R$ 120.

“O problema foram as chuvas e a Semana Santa, que aumentou o consumo”, explica o coordenador da Divisão de Mercado da Ceasa, Cristiano Chaves. Além do tomate, a batata e a cebola tiveram altas que chegaram a 20%.

Cristiano lembra que 85% dos alimentos comercializados na Ceasa vieram de outros estados, como São Paulo, Paraná, Santa Carina, Goiás e até do Rio Grande do Sul.

A expectativa é que já a partir da primeira quinzena deste mês os preços comecem a cair. “Da semana passada para esta mesmo não tivemos um grande aumento”, revelou.

Dono de três supermercados em Campo Grande, Adeilton Feliciano do Prado, diz que não tem como segurar o aumento do tomate, já que compra o fruto na Ceasa e, como os outros hortifrutis, sofre com o clima. “O consumidor tem de se adequar, comprar menos. Nós supermercadistas não temos muito o que fazer”, comenta.

Adeilton lembra que se o consumidor deixa de comprar o alimento, a empresa também deixar oferecer com grande quantidade. “Diminuímos a compra até por uma questão de preço do produto”, lembra.

Consumidora pensa, mas acaba comprando tomate para a salada (Vanderlei Aparecido)Consumidora pensa, mas acaba comprando tomate para a salada (Vanderlei Aparecido)

Sem opção - O alto custo do tomate faz o consumidor pensar antes da compra. "Nossa, tá bem alto mesmo", exclamou a fonoaudióloga Karenluce Mamede, de 46 anos, ao se confrontar com o preço da fruta a R$ 9,92. Ela tenta substituir o tomate pela cenoura, mas nem sempre consegue poupar o orçamento doméstico do preço extorsivo.

Karenluce explica que o tomate é o favorito da família na salada. “É o que a gente come todo dia, todo mundo gosta”, justifica.

A mesma opinião tem a farmacêutica Flávia Cumine, de 29 anos, que também considera o valor caro, mas acaba comprando o tomate. “É o produto de referência na salada”, justifica.



se todo mundo boicotar o tomate, eles vão baixar o preço, pois vai estragar nas prateleiras, teve anos que choveu muito mais e o aumento não foi tão absurdo!!!
 
daniela dias em 04/04/2013 00:44:08
Vamos agradecer a Dilma, pois como ela mesmo disse "os pobres estão comendo bem melhor agora"!!!UMA VERGONHA ISSO.
 
Cristiane pAPI em 03/04/2013 11:06:28
Infelizmente essa é uma realidade na vida e na mesa do brasileiro ,se tem o feijão ,falta o arroz,abaixa o preço da carne,sobe o das verduras e assim vai...se a desculpa não é por conta da safra é culpa da chuva ou falta dela... pelo menos é variado kkkk ,em um mês comemos proteínas no outro carboidratos e no outro frutas e verduras....Af é pra caba.
 
ana paula ribas em 03/04/2013 11:00:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions