ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 25º

Economia

Greve dos caminhoneiros faz inflação bater recorde dos últimos 22 anos

O indicador fechou em 1,17% e só perdeu para 1996, quando foi 1,57%.

Ricardo Campos Jr. | 09/07/2018 10:17
A gasolina foi uma das responsáveis pela alta na inflação de junho, já que ela aumentou 7,39% no período (Foto: Paulo Francis)
A gasolina foi uma das responsáveis pela alta na inflação de junho, já que ela aumentou 7,39% no período (Foto: Paulo Francis)
A batata, um dos itens mais afetados pelo desabastecimento em Campo Grande, subiu 50,34% (Foto: Marina Pacheco)
A batata, um dos itens mais afetados pelo desabastecimento em Campo Grande, subiu 50,34% (Foto: Marina Pacheco)

Reflexo da greve dos caminhoneiros, a inflação em junho subiu 1,17% em relação a maio e bateu o recorde dos últimos 21 anos para este mês, segundo apurou o Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais) da Uniderp. O indicador fechou em 1,17% e só perdeu para 1996, quando foi 1,57%.

O sexto mês normalmente tem baixas variações nos preços, mas o coordenador da pesquisa, Celso Correia de Souza, o desabastecimento causado pela interrupção no transporte de cargas elevou os valores a um alto patamar, principalmente no grupo alimentação.

Além disso, as projeções para os próximos meses não são nada favoráveis e a inflação acumulada em Campo Grande dificilmente fechará o ano abaixo do centro da meta do CMN (Conselho Monetário Internacional), que é de 4,5%.

Entre os fatores que devem influenciar negativamente os índices está a safra agrícola 7% menor, que pode atrapalhar a regulação dos preços dos produtos alimentícios, e a alta no dólar, que pode interferir nas importações, como trigo, máquinas de alta precisão, eletroeletrônicos e gasolina.

Vilões – A gasolina foi uma das responsáveis pela alta na inflação de junho, já que ela aumentou 7,39% no período. Também pesou no bolso dos consumidores a variação de 4,39% na energia elétrica com a bandeira vermelha nível dois e o gás de cozinha, que subiu 8,77%.

Com relação aos gêneros alimentícios, a batata, item mais afetado pelo desabastecimento, subiu 50,34%. Já o leite pasteurizado teve alta de 9,34%.

Pelo segundo mês consecutivo, o grupo alimentação registrou alta e fechou com índice de 3,22%. O A previsão do Nepes é que os produtos desse seguimento retornem aos patamares antigos com a normalização da distribuição.

Etanol, que ficou 1,64% mais barato no período, ajudou a reter a inflação (Foto: Paulo Francis).
Etanol, que ficou 1,64% mais barato no período, ajudou a reter a inflação (Foto: Paulo Francis).

Baixas – A inflação só não foi mais alta porque alguns itens pesquisados tiveram variações negativas e seguraram os índices.

Entre eles está o diesel, que também como efeito da greve teve o preço congelado nas refinarias e apresentou deflação de 9,54% nas bombas e o etanol, que ficou 1,64% mais barato no período.

Na análise por grupos, tiveram deflações transportes (-0,56%), despesas pessoais (-0,44%) e vestuário (- 0,54%).

Um fator que pode ajudar a segurar a inflação este ano é a continuidade do nível de desemprego do país, que deve reduzir a demanda influenciado também pelos altos juros na economia e o nível de endividamento.

O IPC/CG mede o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Nos siga no Google Notícias