ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEXTA  29    CAMPO GRANDE 28º

Economia

Inadimplência cresceu no varejo da Capital em tempos de coronacrise

Mais de 97 mil consumidores declararam estar endividados e com contas em atraso em Campo Grande

Por Rosana Siqueira | 21/05/2020 17:30
Movimento no comércio caiu, e atraso nos pagamentos subiu neste período (Henrique Kawaminami)
Movimento no comércio caiu, e atraso nos pagamentos subiu neste período (Henrique Kawaminami)

A inadimplência cresceu na Capital nestes tempos de pandemia. Apesar do isolamento ter restringido o vai e vem movimento no comércio, a recessão elevou o desemprego e consequentemente o total de pessoas que estão sem condições de cumprir com os pagamentos das contas. Em Campo Grande pelo menos 97.076 estão inadimplentes e 31.431 pessoas não terão condições de pagar os débitos. Com isso o percentual de famílias que não terão condições de pagar contas aumentou de 8,6% para 10,1

Os dados foram apresentados hoje na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic)  da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Os indicadores mostram que o número de famílias campo-grandenses com dívidas em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro, no mês de maio, teve uma ligeira alta em relação ao mês de abril. De 57,2%, em abril, o índice passou para 58,4%, este mês

Em números absolutos, são 182.363 famílias endividadas em maio. "Sem poder aquisitivo, as famílias não consomem. Com essa pandemia que atravessamos, muitas pessoas perderam suas rendas, total ou parcialmente, e isso reflete no consumo. E mesmo as que mantêm seu poder aquisitivo estão consumindo com cautela, devido à insegurança vivida no momento", explica a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio-MS (IPF-MS), Daniela Dias.

Vilão -  O cartão de crédito continua na liderança como principal fonte de dívidas dos campo-grandenses (62,7%), seguido pelos carnês (28,6%). Financiamento de casa vem logo em seguida (16%) e financiamento de carro (12,7%).