A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

24/08/2015 17:42

Indústria pode demitir 20 mil com fim da desoneração da folha, diz Fiems

Priscilla Peres
Federação estima demissões até o fim do ano. (Foto: Fiems)Federação estima demissões até o fim do ano. (Foto: Fiems)

A Fiems (Federação da Indústria de MS) estima que 20 mil trabalhadores do setor sejam demitidos até o fim do ano. O presidente Sergio Longen, culpa a crise que afeta o segmento e recente decisão do governo Federal, de por fim a desoneração da folha de pagamento.

O setor gozava há quatro anos de desonerações na folha, ou seja, em 2011 o governo criou as alíquotas de 1% e 2% sobre o faturamento bruto das empresas como contribuição de INSS, que antes eram de 20%. Este ano, diante de dificuldades econômicas, a União decidiu subir as alíquotas de 1% para 2,5% e de 2,5% para 4,5%.

Para Longen, esse aumento é impossível de não ser repassado ao consumidor. Com essa medida, a Fiems estima que os setores industrial e comercial de Mato Grosso do Sul vão passar a pagar ao Planalto cerca de R$ 900 milhões a mais.

A medida de desoneração da folha foi tomada pelo governo para garantir o aumento do número de empregos. Dessa forma, o Estado empregava 141 mil pessoas em 2013, passou para 133 em 2014 e em 2015 a redução chega em 129 mil.

“Quando se transfere esse custo para os produtos finais, você diminui o poder de compra da população e, com a restrição do consumo, automaticamente as indústrias reduzem a produção, resultando em demissões”, explica Sérgio.

Cenário - O economista e consultor financeiro Aldo Barrigosse explica que estamos em uma época em que a economia e o consumo estão girando mais lentamente, o que significa que são precisos estímulos. "Ao invés de cortar na própria carnem o governo decidiu aumentar tributos, o que é ruim para o setor produtivo".

Ele ainda explica que as empresas não conseguem repassar o aumento de impostos para o consumidor, pois o consumo está retraído. "Não podemos aumentar mais impostos, porque a carga tributaria ja é alta. Tem que cortar custos".

Para o economista o momento é de rever os custos da empresa e escolher onde economizar. "O empresário precisa diminuir todos os custos operacionais da empresa. A demissão sempre é a última opção, mas o necessário é otimizar. Produzir mais com menor custo", destaca.

Índice usado em contratos de aluguel acumula queda de 0,68% em 12 meses
O IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), usado no reajuste de contratos de aluguéis, acumula queda (deflação) de 0,68% em 12 meses, de acordo com ...
Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...


Nosso senadores Moka, Simone e Delcidio, votarão a favor de por fim a desoneração da folha de pagamento. Parabéns senadores do POVO. Mais uma vez a população que vai pagar o pato!.
 
Beto em 25/08/2015 08:57:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions