A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 27 de Julho de 2017

13/07/2017 14:10

Para pagar 13º, prefeitura quer vender folha salarial por R$ 50 milhões

Medida é adotada em momento de retração da receita do município

Osvaldo Júnior
Secretário de Finanças Pedro Pedrossian Neto (Foto: Arquivo)Secretário de Finanças Pedro Pedrossian Neto (Foto: Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande vai antecipar a venda da folha de pagamento dos servidores na expectativa de arrecadar aproximadamente R$ 50 milhões, receita que ajudará na composição do recurso necessário para o pagamento do 13º salário. O contrato com o atual banco, o Bradesco, com duração de 60 meses, vence em julho de 2018.

O secretário de Finanças, Pedro Pedrossian Neto, explica que a venda de folha é procedimento comum, usado por governos de todas as esferas de modo geral. Com arrecadação em baixos níveis, o município precisa adotar medidas diversas para melhoria da receita, entre as quais está a do leilão da folha. No primeiro trimestre, a receita primária corrente da prefeitura somou R$ 1,060 bilhão, decréscimo de 4,47% ou de R$ 47,45 milhões na comparação com o valor contabilizado em igual período do ano passado.

A última venda da folha foi em 2012, na gestão de Nelsinho Trad (PMDB), e o município arrecadou R$ 33 milhões. Desta vez, a expectativa é alcançar R$ 50 milhões. A despesa mensal da prefeitura com pessoal é de R$ 107 milhões.

Pedrossian Neto comenta que o montante a ser movimentado mensalmente pela instituição vencedora do processo licitatório é fator favorável para o êxito da negociação. No entanto, o secretário pondera que é preciso considerar que a portabilidade bancária no recebimento de salário e a baixa rentabilidade ao banco proporcionada por esse tipo de conta (a salarial) pesam contra a expectativa da arrecadação da prefeitura.

O contrato com o Bradesco finda em julho de 2018. A venda antecipada da folha não significa quebra contratual. O secretário explica que apenas a negociação é antecipada, mas o contrato segue até o seu encerramento e, só depois, o próximo banco (ou até mesmo o Bradesco, caso tenha interesse e vença a licitação) assumirá a folha.

De acordo com Pedrossian Neto, o processo de licitação deve encerrar em novembro, em tempo hábil para a prefeitura elevar os recursos para pagamento do 13º salário. Ele enfatiza, entretanto, que a venda da folha ajuda na melhoria da receita, mas o município não está na dependência dessa medida para pagar os funcionários no fim do ano. “O pagamento dos servidores não corre nenhum risco”, assegurou.

Atualmente, a folha salarial, que soma R$ 107 milhões, compromete 51,51% da RCL (Receita Corrente Líquida), acima do limite prudencial de 51,3%, da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) e próximo do teto, determinado por essa lei, de 54%.

Temer prorroga prazo de saque do FGTS inativo em casos especiais
O presidente Michel Temer prorrogou a data limite para saque das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) nos casos em que o b...
Dólar fecha de novo em baixa após banco central dos EUA manter juros
O dólar aprofundou as perdas nesta tarde de quarta-feira, 26, após a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed), que ressaltou em comunic...
Juros básicos da economia voltam a um dígito depois de quatro anos
Pela sétima vez seguida, o Banco Central (BC) baixou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu ho...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions