ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 20º

Economia

Pela continuidade da ferrovia, Delcídio diz que trava guerra com Rumo ALL

Priscilla Peres | 03/06/2015 10:09
Os trilhos do trem podem ser vistos na Capital, agora sem movimento. (Foto: Fernando Antunes)
Os trilhos do trem podem ser vistos na Capital, agora sem movimento. (Foto: Fernando Antunes)
Senador Delcídio afirma que se for preciso, vai travar guerra para manter a ferrovia ativada. (Foto: Divulgação)
Senador Delcídio afirma que se for preciso, vai travar guerra para manter a ferrovia ativada. (Foto: Divulgação)

A briga entre autoridades de Mato Grosso do Sul e a Rumo/ALL tem ganhado força, com a cobrança do cumprimento das ações estabelecidas no contrato de concessão da malha ferroviária, que liga Bauru(SP) a Corumbá(MS). O senador Delcídio do Amaral (PT) disse hoje que se for preciso trava uma "guerra" para garantir a continuidade do transporte.

A desativação da ferrovia no Estado compromete todo o escoamento da produção, principalmente de combustível, minério de ferro e celulose. Além disso, pode travar o desenvolvimento da economia, visto que a perda deste modal pode ser decisivo para a tomada de decisões de empresários em investir por aqui.

Para o líder do governo no Senado, é de extrema necessidade que se cobre não só o cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta firmado para recuperar o trecho Corumbá-Três Lagoas, mas medidas efetivas por parte da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) e da Rumo/All, pertencente ao grupo Cosan.

"A ANTT tem a obrigação de tomar as providências devidas porque foi assinado esse termo e a concessionária não cumpriu. As operações da ALL foram compradas pela Rumo Logística, que na verdade é uma empresa do Grupo Cosan. Portanto, agora a briga é com a Rumo/ALL, e nós não vamos dar moleza não", enfatizou o senador, durante entrevista concedida por telefone à Rádio Difusora Pantanal, de Campo Grande.

O contrato para explorar a ferrovia pelo Estado tem mais 10 anos de vigência, e para Delcídio a empresa corre o risco de perder a concessão, caso continue descumprindo os acordos firmados em contrato. "Ou eles colocam a ferrovia nos eixos, ou então vamos pedir que seja cassada a concessão, para que façamos uma nova licitação e outro grupo assuma as operações”.

Neste ano a Rumo/ALL já demitiu 100 funcionários e de acordo com o sindicato da categoria, tem desativado a ferrovia aos poucos. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), o deputado federal Zeca (PT) e o senador Delcídio do Amaral (PT), têm recorrido a ANTT para impedir que a situação se consolide.

Delcídio explica ainda, que a ferrovia está pronta e que basta investimentos para que o modal volte a atuar. “De todas as ferrovias previstas para Mato Grosso do Sul o caso mais fácil de implementar é a antiga Noroeste, porque a via já existe, não tem problema de licenciamento ambiental e nem precisa adquirir áreas, ou seja, é uma ferrovia em operação, mas que, lamentavelmente, está degradada”, ressaltou.

No próximo dia 12, o governador se demais autoridades se reúnem com a Rumo ALL para cobrar o cumprimento do contrato e a continuidade dos investimentos. A empresa alega que o andamento da ferrovia depende de demanda de produtos.

Nos siga no Google Notícias