A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

01/09/2011 17:50

TJ mantém decisão que impede retenção de produtos de 3 lojas virtuais

Marta Ferreira

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul manteve ontem a decisão que impede o Governo do Estado de reter para cobrança de ICMS produtos vendidos pelas lojas virtuais Americanas, Shoptime e Submarino, que fazem parte do grupo B2W.

Por unanimidade, o Órgão Especial rejeitou recurso do Governo do Estado contra decisão anterior, favorável ao grupo. O recurso impetrado, embargos de declaração, é utilizado para questionar ou pedir esclarecimentos de despachos.

Nesse caso, o Estado alegou omissão e obscuridade da decisão, afirmando que não foi realizada a necessária diferenciação da situação da liberação das mercadorias, se é para as já apreendidas ou se se refere à impossibilidade de apreender mercadorias futuras. Por isso, requereu que fosse suprida a omissão e obscuridade apontada a fim de negar provimento ao agravo regimental e assim manter a liminar anteriormente concedida no Pedido de Providência.

O relator do processo Claudionor Miguel Abss Duarte afirmou em seu voto que “em nenhum momento houve menção acerca das mercadorias apreendidas, mesmo porque, como dito pelo próprio embargante, não havia controvérsia a esse respeito. Segundo ele escreveu, “discutiu-se, apenas, se a embargante poderia apreender as mercadorias para identificar os contribuintes e confeccionar os respectivos autos infracionais, coagindo-os ao pagamento do imposto”.

O voto, que teve manifestação favorável dos outros desembargador, finalizou observando que “na verdade, o embargante pretende, sob o pretexto de que houve omissão e contradição sobre o objeto do recurso, rediscutir o mérito, notadamente quanto à extensão da decisão proferida, contudo, não é este o objetivo dos embargos declaratórios”.

É uma mais uma decisão relacionada à briga judicial aberta com a entrada em vigor, em maio, do decreto que exige recolhimento de ICMS sobre produtos vendidos na internet tanto para o estado de origem quanto de destino.

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...


Há uns dias atrás comentei uma notícia semelhante a esta, Naquela oportunidade disse que o TJ só julgava a favor do Estado do MS, pois bem, cometi um equívoco e agora prestes o plenário da Suprema Corte brasileira julgar por definitivo a cobrança de impostos na venda de produtos na internet o TJ numa decisão razoável fará com que eu receba meu celular comprado há algumas semanas no shoptime, acredito que o produto deva estar por aí em algum lugar deste meu Estado querido. Valeu TJ, muito obrigado.
 
Edmundo Junior, Vicentina em 02/09/2011 09:02:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions