ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  01    CAMPO GRANDE 19º

Educação e Tecnologia

Rede particular prorroga suspensão e organiza ensino a distância

Unidades educacionais da rede privada estão seguindo decretos de prorrogação elaborados por Prefeitura e Estado

Por Maressa Mendonça e Izabela Sanchez | 01/04/2020 19:11
Alunos do colégio Refferencial terão aulas a distância durante pandemia do coronavírus (Foto: Divulgação)
Alunos do colégio Refferencial terão aulas a distância durante pandemia do coronavírus (Foto: Divulgação)


O Governo anunciou, nesta quarta-feira (1º), que a suspensão das aulas nas escolas da Rede Estadual de Ensino em Mato Grosso do Sul será prorrogada até o início de maio para evitar aglomeração nas unidades. As escolas particulares devem seguir o posicionamento adotado pelo Estado intensificando o sistema de educação a distância.

Em nota, a rede Nota 10 informou que as aulas não presenciais terão início no dia 7 de abril, com a implementação do modelo de ensino não presencial. Segundo eles, cada série terá sua proposta e ritmo preparado de acordo com a  idade dos alunos. “Temos consciência de que este será um tempo muito importante de dedicação por parte de todos nós”, informaram.

Colégio Nota 10 vai implantar sistema de aulas não presencial (Foto: Divulgação)
Colégio Nota 10 vai implantar sistema de aulas não presencial (Foto: Divulgação)


Aulas a distância também estão sendo ofertadas pelo colégio Nova Geração. A direção já adiantou que seguirá os decretos estabelecidos pela prefeitura e governo do Estado.

Independente disso, eles criaram lista de transmissão com e-mail dos pais e canal no Youtube para transmissão das aulas em que cada série tem um roteiro específico.

Eles utilizam a plataforma do sistema anglo e analisam a possibilidade de utilizar também o Google Class. O colégio desenvolveu uma agenda completa de estudos com a primeira semana  revisional e a partir de agora terão início os novos conteúdos.

O diretor-adjunto do colégio Refferencial, Edilson Soares da Silveira, disse que a previsão inicial era retomar no dia 6 de abril, mas eles decidiram suspender esta retomada. Uma nova data para o retorno do modo presencial será divulgada na sexta-feira. Enquanto isso, o colégio trabalha com sistema de educação a distância, onde os alunos já fazem até provas.

Segundo ele, os alunos estão estudando normalmente,  das 7h ao 12h25, por meio de vídeo aula das matérias normais, gravadas e disponibilizadas na plataforma da escola.Na parte da tarde, as aulas vão das 14h30 até às 18h30, de segunda a quinta. As avaliações são realizadas na sexta-feira para os estudantes do ensino médio e cursinho.

“Não vamos repor o conteúdo passado porque as aulas estão sendo ministradas. Temos grupo de todos os pais, temos email, todos estão nos apoiando”, disse.

Colégio Nova Geração seguirá decretos da Prefeitura e Governo do Estado sobre quarentena (Foto: Oselame Produções)
Colégio Nova Geração seguirá decretos da Prefeitura e Governo do Estado sobre quarentena (Foto: Oselame Produções)


No colégio Adventista a decisão é acompanhar o decreto estadual que deverá ser publicado nesta quinta-feira (2).  Já a assessoria de imprensa do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora informou que a direção deve decidir sobre o assunto nos próximos dias.

A reportagem tentou contato também com os colégios Dom Bosco, Rui Barbosa, Harmonia e Bionatus, mas as ligações não foram atendidas.

A presidente do Sinep (Sindicato das Escolas Particulares), Maria da Glória da Paim preferiu não comentar sobre possível prorrogação da suspensão das aulas presenciais até a publicação do decreto do Governo do Estado.

Uma Medida Provisória publicada hoje pelo presidente Jair Bolsonaro desobriga as escolas de observarem o mínimo de dias de efetivo trabalho escolar, em outras palavras o ano letivo que é de 200 dias. A regra vale também para universidades desde que cumpram a carga horária mínima exigida.

Defensoria Pública-  O defensor público Homero Medeiros explica que, mesmo em período de quarentena, o órgão está com um canal disponível para atender casos emergenciais de contratos educacionais. Os atendimentos são voltados para pessoas que não têm condições de arcar com os custos de um advogado.

Dentre as questões que podem ser tratadas estão, por exemplo, a de pais impedidos de deixar os filhos nas creches e que tem intenção de obter desconto porque as unidades deixaram de oferecer alguns serviços como alimentação para os bebês.

Medeiros alerta que as escolas estão impedidas de dar aulas não por vontade própria, mas por determinação dos governos. “Ninguém está tendo lucro nesse momento. Estamos repartindo prejuízos para chegar em um ponto em comum”, diz.

Os telefones de atendimento da Defensoria são: (67) 3317-8757 ou (67) 99945-6711.