ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, DOMINGO  24    CAMPO GRANDE 29º

Enquetes

Metade dos leitores acredita que Campo Grande deve decretar lockdown

“Segunda onda” de covid-19 voltou a preocupar com alto ritmo de contaminação

Por Aletheya Alves | 01/12/2020 06:48
Movimentação de pessoas na rua 14 de Julho. (Foto: Kísie Ainoã)
Movimentação de pessoas na rua 14 de Julho. (Foto: Kísie Ainoã)

Autoridades e população voltaram a ficar preocupados com ritmo rápido de disseminação da covid-19 em Mato Grosso do Sul. Em Campo Grande, o toque de recolher foi retomado como única medida para tentar frear contaminação pelo vírus.

Nesta segunda-feira (30), o Campo Grande News questionou se os leitores acreditam que a prefeitura deva decretar lockdown como mais uma ação na Capital. Em votação equilibrada, 52% dos leitores indicaram que lockdown seria uma medida adequada para o momento, enquanto 48% são contra.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

A favor da restrição mais intensa, Douglas Sanabria vê o fechamento geral como única solução. “Consciência a grande maioria não teve e não vai ter. Infelizmente estas medidas se fazem necessária. Precisamos trabalhar e fazer a economia girar e fazer mais empregos, mas sem saúde isso não é possível”, diz.

Argumentando que a segunda onda ainda não chegou, Douglas Tavares diz que a primeira onda nunca acabou e segue em alta. Para ele, muitas pessoas foram influenciadas pela flexibilização das medidas e tiveram falsa sensação de melhora no cenário.

Por outro lado, Darcilene Conti defende que lockdown não seja colocado em ação. Para ela, a restrição iria “quebrar ainda mais os comerciantes”.

Penso que as autoridades devem se preocupar com as constantes festas, arruaças, aglomerações sem necessidade, baladas lotadas, isso sim seria uma boa forma de dispersar as pessoas".

Seguindo o raciocínio de Darcilene, Alessane França duvida da eficácia que a medida teria na prática. “Não sei se isso vai adiantar, o problema está nas pessoas. As pessoas não se cuidam, não levam a sério essa doença, só quem já viveu essa doença, sabe o quanto ela é séria”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário