A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Outubro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


21/09/2012 06:00

Clima quente

Jogo Aberto

Ataques

A sessão de ontem (20) na Câmara Municipal de Campo Grande registrou novo bate-boca entre os vereadores, novamente, motivado pela eleição a prefeito na Capital.

Farpas

Tudo começou mais uma vez a partir do discurso do vereador Athayde Nery, vice do candidato Reinaldo Azambuja. Ele ocupou o microfone para falar da participação do tucano no debate sobre saúde, promovido pelo conselho municipal, na quarta (19), e definiu Edson Giroto como candidato chapa branca.

Troco

O vereador Paulo Pedra mais que prontamente retrucou, dizendo que se Giroto era chapa branca, Azambuja era “chapa azul” ou “rosa” por ter sido aliado histórico do PMDB. Além disso, acusou Nery de “não gostar de evangélicos”.

Memória

Nery também condenou o passado recente do PDT. Lembrou que Pedra era crítico ferrenho do prefeito Nelson Trad Filho e, agora, faz parte da chapa que quer eleger Giroto. “Agora o senhor é um bajulador do prefeito, vergonhosamente”.

Memória 2

Pedra voltou ao microfone para dizer que quem “lambeu o sapato” do prefeito foi Athayde durante os seis anos que foi secretário e fez parte da base de Trad. “Não mamei nas tetas desta Prefeitura”.

Deixa disso

Outros vereadores se revezaram no microfone para comentar a briga, entre eles, o vereador Lídio Lopes que pediu para que os parlamentares se ativessem às propostas legislativas durante a sessão. Isso depois de muito bate boca.

Outro mundo

Se na Câmara a temperatura era alta, na Assembleia Legislativa a última sessão da semana foi relâmpago. Com poucos deputados em plenário, não haviam parlamentares inscritos para discursar, apesar de haver quorum para votação. Durou cerca de 20 minutos e apenas moções e indicações foram aprovadas.

Neymar e Lucas comemoram gol dançando o Camaro Amarelo. Neymar e Lucas comemoram gol dançando o "Camaro Amarelo.

Chicletaria

Cantores saídos de Mato Grosso do Sul estão, decididamente, se transformando em símbolo de música que gruda na cabeça. Depois de "Chora me liga", de João Bosco e Vinícius, que virou até hino de torcida na Argentina, veio o "Ai se eu te pego", que bateu todos os recordes. Agora, a vez é "Camaro Amarelo", da dupla Munhoz e Mariano.

Efeito Neymar

Os dois últimos casos têm em comum a propaganda feita pelo craque do futebol brasileiro na atualidade, que volta e meia é filmado fazendo as coreografias das músicas.

Comemoração

Foi assim no jogo em que o Brasil venceu a China por 8 a zero, em Recife, no Pernambuco. Um dos gols teve, na hora da comemoração, a "dancinha" do "agora eu fiquei doce, doce", por Neymar e Lucas.

Adeus a "Playboy" tem foto de bebida na mesa de bar
Despedida – Tem gosto amargo e dolorido, principalmente para as pessoas próximas, a última foto postada nas redes sociais por Marcel Colombo, conheci...
Campanha, tiro na escola e oportunismo
“Guerra virtual” – Não podia ser diferente. O episódio lamentável em que uma criança de 9 anos entrou armada na sala de aula em Campo Grande e atirou...
Justiça agora pode até cobrar Delcídio
Ainda à espera - A Justiça Eleitoral rejeitou o registro de candidatura de Delcídio Amaral (PTC) ao Senado, depois da derrota nas uras. A juíza Eliza...
Clima de campanha não poupa nem festões
Todo lugar - O clima de campanha, neste segundo turno polarizado, não deixa escapar nem os casamentos. Durante festa no sábado no bufê Murano, na Ave...


Seleção, Neymar, políticos, música sertaneja de uma letra só, feito música bahiana...tudo lixo.
 
agricio araujo em 21/09/2012 09:04:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions