A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


09/10/2014 06:00

Eleita deputada, vereadora não perdoa quem escreve nome errado

Edivaldo Bitencourt

Fiel da balança - As eleições de domingo passado fizeram do senador Waldemir Moka o interlocutor mais confiável e credenciado do PMDB de Mato Grosso do Sul. Fiel até a última hora à candidatura do seu partido, ele foi o primeiro a anunciar apoio a Reinaldo Azambuja (PSDB) e, com isso, abriu a porteira para os peemedebistas aderirem ao tucano. Hoje, nenhuma decisão acontece no partido sem que passe por ele.

Timoneiro político - A decisão do segundo turno, também segue uma coerência. Moka e Reinaldo são aliados desde 1996, quando o tucano, com a ajuda do peemedebista, elegeu-se prefeito da cidade de Maracaju, estreando na vida política. Desde então, só se “separaram” agora no primeiro turno da eleição estadual e estão “reconciliados” para a segunda etapa. Com Moka, segue a maioria expressiva do PMDB.

Aliados de 1ª hora - As reuniões para fechar acordo para o segundo turno, entre Reinaldo Azambuja (PSDB) e Nelsinho Trad (PMDB), avalizada pelo senador Waldemir Moka, são na verdade continuação que conversas que começaram ainda no primeiro turno. Pelo acordo, quem chegasse na frente teria o apoio do outro. As exceções – que os peemedebistas consideram raras - acontecem em municípios onde as duas legendas travam “guerra” eleitoral.

Tratamento - Grupo de peemedebistas que tratavam petistas como “nós” mudou o discurso e hoje está cada vez mais distantes dos “companheiros”, tratando-os como eles ou vocês.

Convocação - Derrotado na campanha pela reeleição de deputado federal, Antonio Carlos Biffi, foi convocado para a coordenação da campanha do senador Delcidio do Amaral, candidato ao governo do Estado.

Atritos – Nem tudo é paz no ninho tucano. Candidato derrotado no primeiro turno da eleição vem pousando de “rei” na coligação, mandando e desmandando. Ele vem causando conflitos e obrigando Reinaldo a intervir para aparar arestas.

Relâmpago – O prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP), vem realizando agenda relâmpago. Ontem à tarde, ele mandou assessoria avisar que estava vistoriando obras na antiga rodoviária. Não levou nem 10 minutos, assessoria ligou dizendo que o prefeito já tinha cumprido a agenda.

Relâmpago 2 – Olarte tem evitado a imprensa nos últimos dias. Primeiro, ele recuou das demissões que seriam realizadas. Até a redução de salários dos comissionados foi desfeita. A Prefeitura continua com as contas no vermelho e pode atrasar o pagamento do 13º pela primeira vez em 18 anos.

De novo – A Santa Casa, sob comando da Associação Beneficente há pouco mais de um ano, volta a enfrentar grave crise financeira. Além de atrasar pagamentos, o hospital pode ser obrigado a restringir o atendimento realizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Erro gravíssimo – A vereadora Grazielle Machado (PR) não perdoa quem erra o seu nome. Assessores da parlamentar, eleita deputada estadual na vaga do pai, o decano Londres Machado (PR), ela e equipe classificam como “erro gravíssimo” e “imperdoável” escrever seu nome como “Graziela Machado”.

DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions