A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


08/06/2011 06:00

Anos depois...

Jogo Aberto

As relações do jornalista Antonio João Hugo Rodrigues (PSD) e do prefeito Nelsinho Trad andam estremecidas. Os dois trocaram farpas por meio de torpedos. O governador André Puccinelli também não morre de amores pelo dono do jornal Correio do Estado. AJ, como é conhecido, sonha em suceder Trad

Sobre a polêmica do Código Florestal aprovado na Câmara, a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu, desafiou “os radicais a encontrarem na proposta qualquer artigo que fale de desmatamento ou anistia”.

Realmente, a palavra anistia não aparece, apenas o artigo que estabelece que “serão suspensas as sanções decorrentes de infrações cometidas antes de 22 de 0julho de 2008, relativas à supressão irregular de vegetação em áreas de reserva”.

O Corpo de Bombeiros anda capenga. A escada Magirus, usada para combate a incêndios em prédios, está sem freios e encostada na oficina. Acidentes graves, com pessoas presas em ferragens, também só pode ser atendido um de cada vez, porque só há um "desencarcerador" que serve a ese tipo de socorro.

Até janeiro de 2012, São Paulo deve eliminar as sacolas plásticas dos supermercados, o que poucos achavam que aconteceria efetivamente. Por aqui, a lei foi vetada e novo projeto só estabelece que os supermercados têm de passar a cobrar pelo material. Como a lei cidade limpa, que teve de valer lá para ser copiada aqui, a esperança é a última que morre entre os ambientalistas.

As empresas estão preocupadas em saber se terão de pagar juros e multa pelos tributos não recolhidos pelos beneficiados coma guerra fiscal entre os estados sobre o ICMS, depois do acórdão do Supremo Tribunal Federal. Na semana passada, o STF julgou 14 ações diretas de inconstitucionalidade e declarou inválidas leis em MS, e outros 5 estados, além do Distrito Federal.

Para os "esclarecidos" de plantão, decisão recente do Superior Tribunal de Justiça sobre caso semelhante confirmou que o tributo é devido, mas sem multa. Se o Supremo não deixar claro que os juros não devem ser cobrados isso deve gerar uma avalanche de ações na Justiça.

Terreno de deputado estadual na rua Estevão de Mendonça virou dor de cabeça para moradores da Vila Nasser. Vizinhos dizem que o cuidado é nenhum, já a bicharada é frequente. Na primeira vez de mato alto, telefonema fez o parlamentar resolver a questão, mas agora o problema voltou sem solução.

Outra reclamação dos últimos dias é sobre a limpeza do shopping Norte Sul. Recém inaugurado, o local exibe chão encardido nos corredores principais e consumidores dizem no facebook que até pombas são vistas sobrevoando a praça da alimentação.

Deputado estadual Paulo Corrêa (PR) já informou que vai apresentar um projeto de lei que regulamenta o processo de criação de distritos e municípios, porque depois de anos, foi descoberto que a mesma lei que estabelece mínimo de três mil habitantes, sendo que 5% dessa população devem ser eleitores, diz que precisa ter quatro mil habitantes para a emancipação.

"Nem a pau", diz Correa sobre desistir de ação contra JBS
Negativo - “Nem a pau”. Essa foi a reação do presidente da CPI da JBS, Paulo Correa (PR), à cogitação de retirar a ação contra a empresa, para preser...
Bonito quer bombar com shows gringos no Carnaval
Bombando - Empresários estão investindo pesado no Carnaval de Bonito 2018. Além da celebridade internacional Paris Hilton, uma das atrações em negoci...
Fábrica planeja investimento de meio bilhão em porto
Projeto ambicioso – Depois de inaugurar mais uma unidade em Três Lagoas, ampliando a produção de celulose, a Fibria negocia com a ampliação da estrut...
MS cumpre "regra de ouro" na finança pública
Melhor que os outros – Existe uma máxima em finanças públicas de que os governos, para não cair em estado de insolvência, não devem custear despesas ...



Para conhecimento do seu "Osmiro", Rondonópolis fica no estado do Mato Grosso, a duplicação do trecho de Campo Grande ao Municipio de Sonora ja esta no Orcamento da União deste ano. Vamos ler um pouco mais antes de qualquer comentário desinformado.
 
Ulisses Rocha em 09/06/2011 10:31:48
Concordo plenamente com o Dep. Paulo Duarte e vou mais além as sacolas plásticas devem ser banidas do comércio.
 
Walter Barros em 08/06/2011 10:48:01
É muito triste ver que enquanto nosso Estado parou no tempo e não emancipou nenhum distrito, nosso co-irmão Mato Grosso mais que dobrou o numero de municipios. E ainda hoje pude ver em um site daquele Estado que a AMM (Associação Matogrossense de Municipios) está a pleno vapor com estudos para criação de mais municipios, é o progresso, e nós...
Ocorre que nossa AL dorme em berço explendido, nossa representação é zero, e lugares como Itahum por exemplo, está se acabando, quando poderia ser um próspero municipio, isso sem falar em Anhandui que é outro que já deveria ser municipio, são lugares distantes da sede e que sofrem com o descaso das administrações municipais.
Espero que nesta iniciativa do Dep. Paulo Correa outros parlamentares venham colaborar e possamos ter mais representatividade e progresso.

 
José Braga em 08/06/2011 09:35:07
Bom dia! Em relação a nota "vingou", quero esclarecer, como autor do projeto, q a minha proposta é anterior ao projeto de SP. Quero esclarecer tbm. q as sacolas plásticas NÃO são dadas de graça, o seu valor está embutido no preço final do produto.O q proponho é q o preço seja cobrado separadamente,estimulando dessa forma o uso consciente,e numa segunda etapa, a substituição definitiva desse material altamente poluente!Obrigado e bom trabalho!!
 
Paulo Roberto Duarte em 08/06/2011 09:12:00
A bancada federal de MS, precisar aprender com a bancada federal de Goiás e Mato Grosso, como trabalhar para o bem do estado e da população. De Jataí, a Goiânia são 380 Kms, estão duplicando a rodovia de ponta a ponta. De Lucas do Rio Verde a Cuiabá são 400 Kms, também estão duplicando a Rodovia 163. Por quê não duplicam a BR 163 que liga Campo Grande à Rondonopolis? Que é considerada a rodovia da morte. É falta de interesse mesmo. A povo precisa analisar os trabalhos em que elegeu na última eleição, se é que se lembra ainda.
 
osmiro capistrano da costa em 08/06/2011 07:01:18
O problema de pombos dentro do Fort Atacadista do shoping Norte Sul, existe desde a inauguração e até agora não foi solucionado.
 
valter antunes em 08/06/2011 06:42:01
Ficar dizendo que com mais municipios vamos ter mais corrupção e coisas do genero não é um opção inteligente de crescer de verdade, mato grosso do sul precisa rever sua politica de crescimento urgente... ficamos no tempo. O problema de gestão não esta só na Santa Casa, está no estado inteiro...basta dar uma olhada nas vias das maiores cidades do estado, são tão ruins quanto as de campo grande. É ou não um problema de gestão?
 
agricio araujo em 08/06/2011 05:40:42
Retirar as sacolas é necessario, mas não podemos destruir as margens do corregos como fizemos em campo grande no corrego Imbirussu. Primeiro tivemos a pessima ideia de retirar a grama/capim que estava na margem para plantarmos, quem sabem, uma especie mais nobre, a ideia não deu certo e a prefeitura abandonou os trabalhos e agora muitas arvores estão sendo arrancadas pelas enchentes...isto esta ocorrendo a partir do guanandy ...onde estão os ambientalistas de plantão?
 
agricio araujo em 08/06/2011 05:35:00
em relaçao a noticia do shoping, realmente os corredores estão com o visual comprometido devido às obras ainda existente no local, e há pombas sim na aréa destinada a praça de alimentação, espero que se resolva o mais breve possivel. pois o shoping ficou maravilhosso.
 
NEY HERNANDES GOMES DA SILVA em 08/06/2011 04:57:24
Olha muito se fala do meio ambiente, ele precisa mais doque retirar sacolas plástica dos mercados, precisa de conciencia do povo, dos governantes dar alternativas para moradores de bairros mais distantes, deveria o prefeito bancar as lixeiras para o pessoal de baixa renda, colocar caminhões de lixo em todos os bairros, como leitor disse 3 dias fez plantão na calçada, parabens ao deputado mais precisa ampriar em outros itens que vem degradando o meio ambiente, se cada um fazer sua parte com serteza iremos vencer ao contrario o meio ambiente vai ficar igual a saude e segurança publica
 
Alberto Pontes Filho em 08/06/2011 04:15:52
Com relação a noticia "Vingou" o autor da lei fala que pagamos as sacolas plásticas embutidas no preço da mercadoria e vejo que os mercados que aboliram as sacolas não diminuiram nada no preço da mercadoria muito pelo contrário continuou a mesmas coisa e muitos até aumentaram e com relação ao meio ambiente, já existem meios destas embalagens serem biodegradaveis e também evitam muita sujeira pois acondicionam o lixo evitando se espalhar quando oos garis apanham este lixo. Seria mais fácilinvestir em biodegradaveis...ou não!!!
 
Eriobaldo Pimentel em 08/06/2011 03:19:43
Sobre a nota "Vingou", e aproveitando que o autor do projeto sobre o uso de sacolas plásticas Paulo Duarte se manifestou, cabe alguns comentários: sou totalmente a favor de qualquer proposta que venha a freiar a devastação que estamos fazendo com o meio ambiente, mas hipocrisias a parte, se eu não receber sacolas plásticas nos supermercados para jogar o lixo, vou ter que comprar sacos para este fim. Nesse caso, não estou trocando 6 por meia dúzia? Tentei por diversas vezes, após fazer compras em atacadistas (que já não disponibilizam sacolas), jogar o lixo acondicionado em caixas de papelão. Acontece que o caminhão do lixo passa a noite aqui em casa, às vezes em horário que estou dormindo. Por dois dias meu lixo ficou da mesma forma que deixei na lixeira. No terceiro dia, resolvi fazer plantão na calçada até o caminhão passar. Na ocasião questionei um dos trabalhadores sobre minha caixa e ele foi bem honesto: "Senhor, pegar caixa requer mais tempo que sacolas, para a gente atrapalha o serviço...".
Sou do tempo das latas de lixo, não dependia de sacolas. Mas hoje, o que faço sem elas? Não seria uma alternativa obrigar os estabelecimentos a utilizarem as biodegradáveis? Como bem disse o deputado, o valor das sacolas está embutido no valor dos produtos, e como bem sabemos, o fato de deixarem de "distribuir" as sacolas não mudará em nada o valor dos produtos para o consumidor final. que distribuam, então, sacolas ecologicamente corretas.
 
João Júnior em 08/06/2011 01:24:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions