ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 23º

Arquitetura

Arquiteta cria móveis inspirados no Pantanal e recita poesia em fábrica

Mobiliários trazem elementos da cultura sul-mato-grossense e funcionários declamam poesias de Manoel de Barros

Por Bárbara Cavalcanti | 06/05/2021 08:22
Os móveis são inspirados no Pantanal e "contam histórias" da cultura do estado. (Foto: Paulo Francis)
Os móveis são inspirados no Pantanal e "contam histórias" da cultura do estado. (Foto: Paulo Francis)

Seriema, sabiá, bem-te-vi e quero-quero são tanto pássaros encontrados no Pantanal, quanto móveis do projeto “Design Poético”. No show room na galeria escola Supapo Criativo, na avenida Via Park, estão expostas luminárias, mesas e até um balanço, todos inspirados em elementos da cultura de Mato Grosso do Sul. E na fábrica onde os móveis foram feitos, ainda se aproveitou para recitar poesia de Manoel de Barros com a equipe.

A arquiteta e designer Luciana Teixeira explica a iniciativa. “É uma intenção de usar o design como expressão artística cultural e narrativa. Então a gente usa o design para contar histórias”. Os móveis, todos autorais de Luciana, são inspirados em elementos da região do Pantanal e de toda cultura do Mato Grosso do Sul. É o balanço Sabiá, a mesa Bem-te-vi, a luminária Quero-Quero e a Aysú, palavra em tupi-guarani que significa amor.

Uma das peças principais é a luminária Rio dos Cocares, que faz um pequeno recorte da história do Rio Paraguai. Em 1534 existiam 15 etnias indígenas que habitavam as margens do rio. A estrutura de madeira central representa o rio, os cones simbolizam as etnias e as mangueiras, os canais e afluentes do rio. Os cones inclusive são ajustáveis.

A luminária Rio dos Cocares é feita à mão com estrutura de aluminío e cordas. (Foto: Paulo Francis)
A luminária Rio dos Cocares é feita à mão com estrutura de aluminío e cordas. (Foto: Paulo Francis)
A mesa Seriema é equilibrada em três pés e feita com couro de descarte. (Foto: Paulo Francis)
A mesa Seriema é equilibrada em três pés e feita com couro de descarte. (Foto: Paulo Francis)
A luminária Quero-Quero traz uma luz ambiente aconchegante. (Foto: Paulo Francis)
A luminária Quero-Quero traz uma luz ambiente aconchegante. (Foto: Paulo Francis)
A luminária "Aysú" significa amor em tupi-guarani. (Foto: Paulo Francis)
A luminária "Aysú" significa amor em tupi-guarani. (Foto: Paulo Francis)

Luciana ainda reforça que a valorização da mão-de-obra, a economia criativa e os princípios de sustentabilidade pautam o projeto. A ideia inicial, que evoluíu posteriormente no projeto, surgiu justamente com a escassez de recursos causada pela pandemia. “Era junho de 2020, a gente achava que era o auge da pandemia. Então eu inverti o processo criativo e comecei a pensar a partir do que eu tinha disponível”, detalha. As peças foram feitas a partir da sobra da produção de esquadrilhas, portas, janelas e fachadas. São aplicados cortes especiais no material, que depois segue para ser finalizado de maneira artesanal. Nesse ano, o projeto foi contemplado por edital da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (SECTUR) pela Lei Aldir Blanc.

A ideia tomou forma na fábrica Alumix Esquadrias Especiais. E a poesia veio para sensibilizar e motivar toda a equipe. “A proposta foi levar os poemas de Manoel de Barros para o chão de fábrica. Nós levamos livros e junto com os funcionários, recitamos poemas”. Cada integrante da equipe recitou uma poesia e ainda recebeu um poema de acordo com a sua personalidade. “Os poemas de Manoel de Barros foram como um feixe de luz lá no chão de fábrica”, comenta Luciana.

O show room está aberto ao público e quem quiser pode conferir todas as peças presencialmente. Para evitar aglomerações, é necessário ligar no telefone (67) 3027-7174 e agendar. O horário de funcionamento é das 14h às 17h.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário