A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

23/09/2019 11:56

“Falta arte, união e empatia”, diz representante do Círculo Universal da Paz

Delasnieve Daspet frisa que a cultura não existe sem paz e paz não existe sem cultura.

Danielle Valentim e Clayton Neves
A falta de diálogo gera violência dentro das casas e famílias. Não há diálogo e isso é o que nós buscamos”, destaca Delasnieve. (Foto: Clayton Neves)"A falta de diálogo gera violência dentro das casas e famílias. Não há diálogo e isso é o que nós buscamos”, destaca Delasnieve. (Foto: Clayton Neves)

O Dia da Paz ganhou evento nos altos da Avenida Afonso Pena neste domingo (22). Mais de 500 pessoas passaram pela comemoração, que ressaltou a ausência de um dos maiores significados da bandeira da paz: a união.

Ao Lado B, a representante no Brasil do Círculo Universal da Paz, Delasnieve Daspet, ressaltou que falta a interpretação dos significados da bandeira da paz. Ela frisa que a que não a cultura não existe sem paz e paz não existe sem cultura.

“Os triângulos na bandeira representam cultura, arte e religião. O círculo na bandeira significa a união, que é o que está faltando. Existe hoje em dia, uma completa de ausência de empatia entre as pessoas que sequer se olhar. Não conversam. A falta de diálogo gera violência dentro das casas e famílias. Não há diálogo e isso é o que nós buscamos”, destaca.

A artista plástica Erika Rando Arctan aproveitou o evento para expor seu trabalho. (Foto: Clayton Neves)A artista plástica Erika Rando Arctan aproveitou o evento para expor seu trabalho. (Foto: Clayton Neves)

A artista plástica Erika Rando Arctan aproveitou o evento para expor seu trabalho. Ela faz parte do grupo Caravelle de Reves que traduzido do francês significa a “Caravela dos Sonhos”. O grupo existe há 3 anos, e todas as obras são trocadas por cestas básicas para doação a instituições de solidariedade.

“A arte é a principal atividade que consegue traduzir esse sentido de paz, união, harmonia. A arte vê além, não tem discriminação. Por meio da arte você consegue compartilhar. A arte aproxima e agrega”, frisa.

A artista destaca que o mundo vive tempos complicados e que reflexão sobre o que está acontecendo é um bom passo.

“Um evento como este faz com que as pessoas reflitam sobre o que temos e a reflexão nos faz enxergar o que estamos fazendo”, completa.

 

Venceslau levou ao evento orquídeas que transmitem paz de forma natural. (Foto: Clayton Neves)Venceslau levou ao evento orquídeas que transmitem paz de forma natural. (Foto: Clayton Neves)

Além das apresentações musicais, o evento contou com exposições de orquídeas que, segundo os expositores, transmitem paz natural. As orquídeas variam entre R$ 10 e R$ 50 mil.

Venceslau Carlos de Oliveira, de 50 anos, também é organizador da exposição de orquídeas que acontece no Armazém Cultural. “Eu trouxe para a exposição mais de 200 orquídeas de 40 espécies diferentes. As plantas traduzem o sentimento de paz. Conheço três pessoas que sofriam com depressão e após o contato constante diminuíram os remédios e até deixaram de se medicar”, conta.

Acompanhado do filho de 2 anos e a esposa, o servidor público Raul Valentim, de 29 anos, passava pelo local ouviu a música resolveu parar. “A cultura enriquece não só as crianças como a todos nós. Gostei muito da exposição de orquídeas e vou muito ao parque também”, conta.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.