A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

11/09/2018 08:01

Antes do ex-patrão morrer, Luiz foi parceiro em viagem a todos mercadões do País

Os dois se conheceram no Box do Gordinho e rodaram o Brasil de Sul ao Norte para realizar um sonho

Kimberly Teodoro
Literamente, do Oiapoque ao Chui, amigos cruzam o país em viagem que inclui 4 dias de barca pelo Rio Madeira. (Foto: Acervo Pessoal)Literamente, do Oiapoque ao Chui, amigos cruzam o país em viagem que inclui 4 dias de barca pelo Rio Madeira. (Foto: Acervo Pessoal)

Luiz Ferreira rodou o Brasil de caminhonete, dormindo na estrada e cozinhando no estacionamento de postos de gasolina, até realizar o sonho do amigo e ex-chefe Audomir Fontes Ferreira Lima, famoso mesmo como “Gordinho”. A aventura do sul ao norte do País foi a despedida do patrão, que só morreu depois de conhecer todos os mercadões municipais do País.

A primeira viagem aconteceu em janeiro de 1995 e nem o estado de saúde de Audomir, que na época já tinha problemas cardíacos, impediu que a dupla concluísse a missão.

Audomir herdou do pai o amor pelo Mercadão de Campo Grande e passou quase toda a vida entre as barracas e depois boxes do lugar. Pelas mãos dele, o local começou a se transformar e ganhar autonomia com a criação da Associação dos Comerciantes do Mercado Municipal de Campo Grande, em 1983, da qual foi o primeiro presidente. “Antes dele criar a associação, os comerciantes pagavam uma taxa para o governo administrar o Mercadão, mas viam pouco retorno. Era muito bagunçado e tinham muitos moradores de rua, além dos caminhões do Ceasa que paravam aqui na frente”, relembra Luíz, que na época já trabalhava como entregador no Box do Gordinho.

 

Funcionário e amigo de longa data do Gordinho, Luíz guarda com carinho as fotos das aventuras vividas. (Foto: Kimberly Teodoro)Funcionário e amigo de longa data do Gordinho, Luíz guarda com carinho as fotos das aventuras vividas. (Foto: Kimberly Teodoro)
Luíz viajou o país inteiro de caminhonete seguindo os antigos mapas da quatra rodas. (Foto: Kimberly Teodoro)Luíz viajou o país inteiro de caminhonete seguindo os antigos mapas da quatra rodas. (Foto: Kimberly Teodoro)

Ninguém queria aceitar o desafio, já que a ideia era ir o mais longe possível com pouco dinheiro e muita disposição. “Tinha muito assaltante e acidente na estrada. Ele não queria parar em hotel”, explica ele sobre desistência de tanta gente. “Aí eu cheguei pra ele e falei que conhecia um doido para acompanhar ele nessa andança, e ele já sabia que era eu. Nas viagens, só comíamos em restaurante quando nenhum dos dois aguentava mais comer a comida dele”.

O espírito aventureiro fez o projeto vingar. Luíz era o responsável por montar as rotas da viagem. Audomir decidia o rumo e Luíz traçava o caminho usando os mapas da revista Quatro Rodas como guia. A única regra era não passar duas vezes pela mesma estrada.

Conhecer todos os mercadões do Brasil fazia parte do projeto de Audomir para melhorar as condições em Campo Grande. Das viagens, sempre trazia fotos e anotações do que poderia ser usado aqui. “Ele ia nos mercadões e conversava com todo mundo, sempre procurava o responsável pela organização e não saiamos de uma cidade sem ele ter visto tudo”, conta.

Luíz também atribui ao amigo a ideia de trazer o Camelódromo da antiga rodoviária para o centro da cidade, “Nas viagens ele notou que sempre ao lado do mercado municipal tinha um camelódromo, era igual em praticamente todas as cidades e isso ajudava a aumentar o fluxo de clientes dos mercados”.

Estrada de Ferro Madeira Mamoré em Porto Velho, destino marcante para Luíz. (Foto: Acervo Pessoal)Estrada de Ferro Madeira Mamoré em Porto Velho, destino marcante para Luíz. (Foto: Acervo Pessoal)

Apesar da curiosidade de Audomir pelos mercadões, Luíz confessa que sempre burlava as ordens do patrão e seguia rumo aos pontos turísticos das cidades, principalmente, se tivesse praia. “Eu estava lá trabalhando, mas como era o único que dirigia ia direto para as praias ou parávamos para tomar banho de rio, meu interesse era turistar. Era o único momento em que ele ficava bravo, ele dizia que conhecia o cheiro dos mercados de longe, tinha cheiro de centro”.

A viagem mais longa foi de Porto Velho até Manaus e levou 52 dias. “Não tinha estrada e encaramos muitas horas de balsa. Torcendo para não afundar e caso afundasse, torcendo para conseguir nadar até a margem sem encontrar nenhuma sucuri ou crocodilo”. Apesar do teste de resistência, essa é uma das memórias mais marcantes que Luíz guarda.

Em 6 anos a dupla percorreu literalmente o País, do Oiapoque ao Chui, passando pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Belém, Recife, Natal,Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás, Piauí, Mato Grosso, Amazonas. Não necessariamente nessa ordem, já que foram muitos os lugares e tantos anos depois a memória falha um pouco.

Mas Luíz garante que a experiência dos dias na estrada não pode ser comparada há nenhuma outra coisa. “Não acumulei nada na vida, comprei pouca coisa, mas o que vivi não tem como colocar preço”, ensina.

Pouco antes de conhecer todos os mercados municipais da América Latina, a maior viagem que os amigos planejavam, o coração de Audomir não resistiu e ele morreu em 1999. Luíz ainda se lembra do roteiro ousado, que deveria sair do Brasil e ir até o Panamá. Uma aventura que ele ainda pretende realizar, desta vez em família. “Assim que eu parar de trabalhar vou comprar um carro, quero levar minha esposa e minhas filhas nos lugares que até hoje elas só ouviram falar. Depois, vamos de carro conhecer os países vizinhos, começando pelos que estão no Mercosul”.

Curta o Lado B no facebook e no instagram.

Luíz no Mercadão Municipal de Belém (Foto: Acervo Pessoal)Luíz no Mercadão Municipal de Belém (Foto: Acervo Pessoal)
Mercado municipal de Ilha do Mosqueiro, um dos menores mercados visitados pela dupla. (Foto: Acervo Pessoal)Mercado municipal de Ilha do Mosqueiro, um dos menores mercados visitados pela dupla. (Foto: Acervo Pessoal)



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.