ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 24º

Comportamento

Das fotos às histórias, você acerta sobre as primeiras ruas da Capital?

É difícil quem não conheça os nomes das principais vias, mas a história e motivo podem gerar mais dúvidas

Por Aletheya Alves | 25/04/2024 06:15
Vista parcial de Campo Grande com a Afonso Pena no centro. (Foto: Acervo/Arquivo Histórico de Campo Grande)
Vista parcial de Campo Grande com a Afonso Pena no centro. (Foto: Acervo/Arquivo Histórico de Campo Grande)

Dia de #TBT também pode ser o momento de testar os conhecimentos e, por aí, você conseguiria reconhecer as fotos das primeiras ruas de Campo Grande, explicar o motivo de seus nomes e as histórias que fazem parte de seus anos de formação? Desde homenagens a governantes até narrativas com cabarés, os anos iniciais da cidade tem um pouco de tudo.

Guardando parte da história da cidade, o Arca (Arquivo Histórico de Campo Grande) reúne esses contextos e curiosidades em formatos diversos. Além das fotografias, mapas e cadernos de registros públicos ajudam a contar sobre as narrativas envolvendo o município, como conta a técnica do arquivo, Valdelir Alves.

Apesar de as buscas serem mais intensas no mês de agosto, com o aniversário da Capital, ela narra que pesquisadores e curiosos sempre costumam aparecer no Arca (localizado na Rua Brasil, 464). E com parte de seu acervo é que o assunto de hoje são as primeiras ruas da Capital.

(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)

Começando pelas ruas 7 de Setembro e 13 de Maio, ambas são do início do século XX. A partir de registros em livros, jornais, relatos e documentos, o Arca apresenta que a 7 de Setembro se dividia entre sentimentos.

Isso porque de um lado havia o apelido de “Rua Alegre” ou “Ruas das Alegrias” devido aos seus cabarés, bares e festas. Mas, de outro lado, os crimes também eram muito comuns, “os crimes da Rua 7 de Setembro eram todos contra a pessoa, violências por motivos diversos. Alguns praticados por bandidos profissionais, outros derivados das emoções e paixões exacerbadas pelo álcool”, descreve publicação do arquivo.

Em relação ao seu nome, a 7 de Setembro ganhou esse título desde o alinhamento das ruas em 1909 como uma homenagem à Independência do Brasil.

A 13 de Maio, por sua vez, foi uma homenagem à Lei Áurea e também foi nomeada no alinhamento de 1909.  Diferente de outras vias da cidade que passaram por várias mudanças de título, a 13 segue com o mesmo nome desde o início.

Marcadas pela primeira igreja da cidade, as ruas 15 de Novembro e Calógeras contam com uma das fotografias mais antigas de Campo Grande. Nelas é que foi construída a capela de Santo Antônio.

Capela de Santo Antônio, localizada na 15 de Novembro com a Calógeras. (Foto: Acervo/Arquivo Histórico de Campo Grande)
Capela de Santo Antônio, localizada na 15 de Novembro com a Calógeras. (Foto: Acervo/Arquivo Histórico de Campo Grande)

O título da 15 de Novembro segue a mesma lógica das ruas citadas anteriormente e homenageia a Proclamação da República, sendo assim nomeada em 1905. Já a Calógeras passou por mudanças de nomes.

No primeiro arruamento da cidade, ela tinha o nome de Santo Antônio e em 1912 é que se tornou uma homenagem ao engenheiro e ministro João Pandiá Calógeras. Na época, ele foi o responsável pela instalação da 9ª Região Militar e Comando Militar do Oeste em Campo Grande.

Diferente das homenagens nacionais, a Rua 14 de Julho se refere à queda da Bastilha, um marco da Revolução Francesa. Segundo o acervo do Arca, essa foi uma ideia do vereador Miguel Garcia Martins, que legislou entre 1909 e 1911.

A história da 14 de Julho envolveu sua nomeação popular como “Beco”, já que existia um trilheiro sem saída. No final da década de 1900, ela ganhou o atual nome, mas depois passou a se chamar Aníbal de Toledo como uma homenagem ao então “presidente” de Mato Grosso.

Depois, se chamou João Pessoa para homenagear o candidato à vice-presidência do Brasil e que foi assassinado. Mas, em 1914, voltou a se chamar 14 de Julho, já que a população continuava a conhecendo assim.

(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)

Tendo se tornado a principal avenida da cidade, a Afonso Pena foi nomeada Marechal Hermes no arruamento de 1909. Mas, em 1916, ganhou o título atual para homenagear o presidente que aprovou o traçado da Noroeste do Brasil, que mudou os rumos de Campo Grande com a chegada da ferrovia.

Entre as curiosidades envolvendo a Afonso Pena está que, segundo o Arca, a avenida era ponto não apenas de taxistas, mas de choferes. Também no século passado, o antigo Cine Alambra ficava localizado por ali e tinha seus dois mil lugares.

E, para fechar as curiosidades do #TBT de hoje, a Dom Aquino já foi uma homenagem ao fim da Guerra do Paraguai. Por isso, se chamava 1º de Março (já que a guerra acabou nesta data, em 1870).

Mas, em 1919, começou a se chamar Dom Aquino para homenagear o “presidente” de Mato Grosso, Francisco de Aquino Corrêa. O governante se tornou sacerdote em 1909 e, em 1915, se tornou o bispo mais jovem do mundo (na época). Ele governou Mato Grosso entre 1918 e 1922.

Dom Aquino, entre a 13 de Maio e 14 de Julho (Foto: Acervo/Arquivo Histórico de Campo Grande)
Dom Aquino, entre a 13 de Maio e 14 de Julho (Foto: Acervo/Arquivo Histórico de Campo Grande)
(Arte: Barbara Campiteli)
(Arte: Barbara Campiteli)

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias