ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 24º

Comportamento

Em festa para nenhum santo, quem chegar de bicicleta não paga entrada

Naiane Mesquita | 11/07/2015 07:12
Professores ajudam no ensaio da quadrilha, enquanto alunos integram a banda  (Foto: Divulgação/ Instituto Educap)
Professores ajudam no ensaio da quadrilha, enquanto alunos integram a banda (Foto: Divulgação/ Instituto Educap)

Em tempos que o discurso de ódio tem se popularizado nas redes sociais e no mundo real, com agressões físicas e psicológicas a quem tem crenças diferentes, uma escola de Campo Grande resolveu fazer o caminho inverso ao propor uma festa julina diferente. Ao invés de comemorar o dia de Santo Antônio, Pedro ou João, os educadores preferiram celebrar as colheitas.

A coordenadora pedagógica do Instituto Educap, Célia Tavares Rino, explica que por respeito a diversidade religiosa e as tradições brasileiras, era preciso renovar as festas de julho.

"Nós resolvemos ampliar, buscando na história como as festas eram feitas e na pesquisa surgiu essa celebração pela colheita, comemorando a produção de alimentos", explica Célia.

Crianças aprenderam sobre as colheitas e plantações durante os preparativos para a festa.
Crianças aprenderam sobre as colheitas e plantações durante os preparativos para a festa.

A 1ª Festa da Colheita será realizada no sábado, dia 11 de julho, mantém as tradições do mês na culinária, com a venda de doces típicos, e na dança, com a formação de quadrilhas. A mudança na abordagem, segundo Célia, aumentou os questionamentos dos alunos.

"Surgiram várias indagações das crianças, por exemplo, como cultivar o feijão, da onde vem a tapioca e com isso vamos costurando as ideias. As comidas típicas escolhidas foram os caldos quentes, bolos e principalmente, a questão do milho, arroz, feijão e cereais", diz.

O propósito era fazer uma festa livre de preconceitos."A festa agrega de alguma forma a comunidade toda, não precisa necessariamente ter o cunho religioso. Muitas crianças não queriam participar porque a religião não permite, mas é importante perceber que existe a questão cultural. Nosso propósito é fazer a comunidade refletir e trabalhar esse tema", acredita.

As tradições folclóricas do meio rural, a cultura da roça e o papel da mulher no campo também foram abordados. "Todas as danças geram discussões profundas, como a dança das meninas. Estamos trabalhando com os alunos desde março, sobre as questões de gênero e diversidade", explica.

Para completar o novo olhar da festa, o preço de entrada é R$ 5, mas quem chegar de bicicleta não paga. "Nós já temos projetos de sustentabilidade e esse foi um upgrade. Na região da escola existem ações que promovem o ciclismo de passeio e como meio de transporte. Muitas crianças e pais de alunos já usam. Queremos incentivar", diz.

A festa ocorre a partir das 18h, no Quarteirão dos Amigos, localizado na rua Paraisópolis, 26, Vila Santo Eugênio. Mais informações pelo telefone 3025-3890.

Nos siga no Google Notícias