A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Novembro de 2019

14/10/2019 06:50

Febre no mundo, Baby Shark provou que é capaz de hipnotizar uma plateia inteira

Aventura da família tubarão fechou o fim de semana da criança com chave de ouro, no Palácio Popular da Cultura

Danielle Valentim
Inspirado no fenômeno mundial, a turnê Baby Shark Live chegou em grande estilo por aqui. (Foto: Paulo Francis)Inspirado no fenômeno mundial, a turnê "Baby Shark Live" chegou em grande estilo por aqui. (Foto: Paulo Francis)

Quem nunca ouviu mãe reclamar sobre o filho que não para sentado? A noite de ontem (13), provou que, certamente, eles estavam em lugares chatos. Antes mesmo da família tubarão subir ao palco, o simples toque da introdução: Baby shark, du, du, du, du, du... deixou centenas de crianças “imóveis” em suas poltronas. Olhos brilhando e mãos batendo foram o suficiente para mostrar o quanto a turma é a sensação do momento.

Inspirado no fenômeno mundial, a turnê "Baby Shark Live" chegou em grande estilo por aqui. O auditório principal do Palácio Popular da Cultura, o Manoel de Barros, tem mais de mil poltronas e foi, praticamente, ocupado por completo.

Num palco de 23 metros, a turminha de tubarões e peixinhos pintou e bordou para animar quem estava esperando por eles. O vídeo “Baby Shark Dance” foi lançado em 2015 e se tornou completamente viral.

O sucesso pode ser explicado com a onda “cante e dance” capaz de prender a atenção até de adultos. (Foto: Paulo Francis)O sucesso pode ser explicado com a onda “cante e dance” capaz de prender a atenção até de adultos. (Foto: Paulo Francis)
Baby Shark. (Foto: Paulo Francis)Baby Shark. (Foto: Paulo Francis)
Daddy shark. (Foto: Paulo Francis)Daddy shark. (Foto: Paulo Francis)

O clipe já foi visualizado bilhões de vezes e, com certeza, com ajuda dos replays de muitos pais. O sucesso pode ser explicado com a onda “cante e dance” capaz de prender a atenção até de adultos.

Por aqui, mães, avós e madrinhas estão bem conscientes com relação ao excesso de internet. Manoela Caldas Tenuta, de 35 anos, conhece muito bem a fama do bebê tubarão e controla o acesso da filhas Júlia, de 1 ano e meio, e Maria, de 5 anos.

“Elas amam, principalmente a mais velha, mas eu controlo. Elas assistem sem exageros, libero aos fins de semana”, frisa Manoela.

Rochelly levou o filho da amiga. (Foto: Paulo Francis)Rochelly levou o filho da amiga. (Foto: Paulo Francis)
Manoela controla o acesso das filhas; em casa, nada de exagero. (Foto: Paulo Francis)Manoela controla o acesso das filhas; em casa, nada de exagero. (Foto: Paulo Francis)

Na fila da pipoca, Rochelly Mello, de 24 anos, aguardava a vez ao lado de Pedro, 3 anos. O show ainda nem tinha começado, mas o pequeno já estava “ligado” na inconfundível canção que tocava ao fundo. “Ele gosta muito e como a mãe dele está trabalhando eu vim acompanhá-lo”, disse.

A madrinha de Kauê, Marcela Vicente Rocha, de 23 anos, revela que o pequeno gosta tanto da família de tubarões que assistiu na TV pouco antes de ir até o espetáculo. “Todo dia tem assistir. Hoje mesmo ele estava falando: Baby shark, madrinha... e já veio sabendo que iria assistir novamente”, conta.

Vovó Maria Augusta só entendeu o gosto do neto vendo de perto. (Foto: Paulo Francis)Vovó Maria Augusta só entendeu o gosto do neto vendo de perto. (Foto: Paulo Francis)
Kauê gosta tanto que assistiu antes em casa. (Foto: Paulo Francis)Kauê gosta tanto que assistiu antes em casa. (Foto: Paulo Francis)
Fila para pipoca, algodão doce e churros estava enorme. (Foto: Paulo Francis)Fila para pipoca, algodão doce e churros estava enorme. (Foto: Paulo Francis)

Já a vovó Maria Augusta levou um casal de netos para assistir, mas ainda não conhecia. Ele afirma que Joaquim Salim, de 1 ano e dois meses, é o mais apaixonado. “Joaquim até come assistindo. A mãe deles está gestante e me pediu para trazê-los. Eu topei, mas nem sabia quem era. Agora eu vi o tanto que as crianças amam”, admite Maria.

E, claro, que um evento de criança chamaria muitos ambulantes para o Parque dos Poderes. Além da pipoca no hall do Palácio, dezenas de vendedores comercializava balões do tubarãozinho. Um simples combo de caneca + balão estava custando R$ 30,00.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Assista a trechos da apresentação:

imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.