ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  20    CAMPO GRANDE 22º

Comportamento

João e Luara dizem sim com ritos do candomblé e bandeira trans

O casal realizou festa com decoração em azul e rosa e celebração religiosa feita por pai de santo

Por Bárbara Cavalcanti | 25/09/2021 08:06
Cerimônia aconteceu no restaurante Giu Gastronomia. (Foto: Arquivo Pessoal)
Cerimônia aconteceu no restaurante Giu Gastronomia. (Foto: Arquivo Pessoal)

O amor de Luara e João, depois de mais de duas décadas, agora é matrimônio consagrado. Ontem, o casal disse o “sim” em uma celebração ritualística do camdomblé. O “mini-wedding” foi feito com 60 convidados, em uma cerimônia intimista no restaurante Giu Gastronomia.

“Foi tudo simplesmente perfeito, não tem outra palavra”, declara a noiva, Luara Diniz. A cerimônia foi celebrada pelo Babalorixá Robson, do Axé Taquarussu. “Incluímos alguns rituais, como a lavagem dos pés, meus e dos João na hora que chegamos e também soltamos pombos. Foi tudo simples, mas perfeito”, detalha Luara.

A história de amor dos dois já apareceu aqui no Lado B, ocasião em que João também explicou sua transexualidade. A cerimônia foi organizada na correria, em três meses e com a ajuda dos padrinhos. Toda a decoração do espaço foi feita pela própria dona do Giu Gastronomia.

A inclusão e representatividade LGBTQIA+ também estavam em peso no casório. “Temos casais LGBTQIA+ de madrinhas e também quisemos usar as cores azul e rosa, que são da bandeira trans. Os padrinhos e madrinhas também vestiram essas cores”, explica João.

Mesa de doces e bolo, com direito à bandeira transsexual. (Foto: Arquivo Pessoal)
Mesa de doces e bolo, com direito à bandeira transsexual. (Foto: Arquivo Pessoal)
Doces nas cores azul e rosa, as mesmas da bandeira transsexual. (Foto: Arquivo Pessoal)
Doces nas cores azul e rosa, as mesmas da bandeira transsexual. (Foto: Arquivo Pessoal)

Além de Luara ser sacerdotisa da umbanda e frequentar o candomblé, a cerimônia religiosa ter sido celebrado por uma religião de matriz afro foi também devido à inclusão. “As religiões de matrizes africanas permitem e celebram casamentos LGBTQIA+”, acrescenta João.

Não teve quem não se emocionasse, especialmente Luara. “Há alguns meses atrás, perdi minha mãe. Pensei muito em como queria que ela estivesse ali comigo. E meu pai, infelizmente, é uma pessoa que tem uma dificuldade muito grande em me aceitar e confesso que fiquei um pouco triste com isso. Mas, no final das contas, ficou tudo lindo, os votos do João mesmo foram perfeitos”, expressa Luara.

Luara e João em brinde durante a festa. (Foto: Arquivo Pessoal)
Luara e João em brinde durante a festa. (Foto: Arquivo Pessoal)

Em seus votos, João relembra uma mensagem que “previa” o casamento dos dois, muito tempo antes da data sequer ser definida. “Eu tenho uma mensagem sua salva no dia 11 de julho de 2020, 4 anos depois da gente ter começado a ter uns rolos, 7 dias depois da gente ter começado a realmente se conhecer. E nela, você diz “Você sabe que um dia nós vamos casar, né?” E esse dia chegou”, declarou.

Por fim, com uma declaração sensível e apaixonada, com uma referência divertida que só os dois entendem, João concluiu com: “Obrigado por ser a minha noiva, minha amante, minha melhor amiga. Quando você olhou nos meus olhos e disse “Kitchen popó”, eu já sabia que era você, sempre foi você e sempre será você”, finalizou.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário