A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Maio de 2019

14/01/2019 08:36

Olhar de Jaynne é esperança de casal que luta para filha se alimentar sozinha

Casal não perde a esperança porque sonha em ver a filha se divertir como uma criança merece

Thailla Torres
Casal ao lado de Jaynne e a filha mais velha, de 12 anos. (Foto: Arquivo Pessoal)Casal ao lado de Jaynne e a filha mais velha, de 12 anos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Aos 2 anos, Jaynne é a alegria da família que enfrenta uma jornada para dar qualidade de vida à menina desde o nascimento. Ela nasceu com uma síndrome rara que afeta a audição e a fala. Agora os pais fazem eventos para custear o tratamento da filha e ver a menina se divertir com a alegria e o sorriso que toda infância merece.

Jaynne nasceu em dezembro de 2017 e virou uma resistente para os pais. Ela veio ao mundo aos 7 meses de gestação da mãe Andrea Nunes Ramos, de 36 anos, que após uma consulta correu para o hospital por que estava com pré-eclâmpsia, quando se desenvolve hipertensão na gestante.

Jaynne tem dois anos de vida e luta para se alimentar sozinha. (Foto: Arquivo Pessoal)Jaynne tem dois anos de vida e luta para se alimentar sozinha. (Foto: Arquivo Pessoal)

Depois do nascimento, um diagnóstico pegou a família de surpresa. Jaynne tem a Síndrome de Goldenhar que prejudica sua fala e audição. Devido as limitações, ela nunca conseguiu se alimentar sozinha. Também apresenta uma assimetria nas orelhas e dificuldade para movimentar a boca. Agora, a rotina dos pais teve que dar espaço a todos os cuidados necessários para garantir uma vida melhor à filha.

"Desde que nasceu, ela nunca mamou pela boca, sempre usou sonda no nariz. Quando houve o diagnóstico fomos para São Paulo para uma cirurgia, mas ela sofreu uma parada cardíaca e não foi possível o procedimento. Demorou um tempo até isso acontecer e isso foi muito difícil", conta o pai Rogério Moreira de Assis, de 36 anos.

Por isso, Andrea largou o emprego e se dedica 24 horas à Jaynne. O pai abandonou o emprego fixo para dividir as tarefas com a esposa e atuar como pedreiro em horários mais flexíveis. "Tive que largar porque patrão nenhum aceita eu largar o emprego para sair e levar minha filha ao médico, por isso, sou autônomo", conta Rogério.

A menina tem apresentado aos médicos uma boa resposta ao tratamento, mas o processo é longo. "Dia 31 vamos fazer uma nova cirurgia e os médicos dizem que os tratamentos podem ocorrer até os 16 anos dela, por isso, entrei no ramo de eventos".

Rogério passou a elaborar eventos para arrecadar dinheiro, com intuito de ajudar no dia a dia da filha que precisa de uma alimentação especial e em breve que um aparelho auditivo. "Estamos sempre fazendo rifa, bingo ou algum evento na minha igreja para reunir os amigos e a família pela Jaynne. No decorrer do tempo entramos na justiça para garantir algumas coisas, mesmo assim a nossa luta é diária".

O dia a dia é cansativo, mas Rogério renova as esperanças no olhar da filha. "Toda vez que ela brinca e sorri pra mim é uma alegria, mas corta meu coração ver que ela não brinca com a mesma liberdade que as outras crianças. Nosso desejo é ver ela correndo sem que a gente se preocupe".

Quem quiser colaborar com a família basta entrar em contato com Rogério no telefone: (67) 99242-8862.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram

 



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.