A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Maio de 2019

28/11/2018 08:19

Professoras, neta e avó recuperam material escolar doado, do lápis ao livro

O projeto que nasceu entre avó e neta prova que sempre é possível fazer algo pelo outro

Thailla Torres
Além de livros e cadernos, lápis, canetas, borrachas e apontadores são muito bem vindos. Além de livros e cadernos, lápis, canetas, borrachas e apontadores são muito bem vindos.

Um projeto que começou pequeno, agora é a grande motivação das professoras Juliana Silva e sua avó Dalva Aparecida Silva. As duas recuperam materiais escolares para um ano letivo mais colorido no próximo ano. Juntas, provam que na vida sempre é possível fazer algo pelo outro e isso faz toda a diferença.

Por isso, o pedido é para que ninguém jogue fora o caderno que sobrou com folhas brancas ou aquele estojo cheio de lápis que pode colorir a vida de outras crianças. “Minha avó arrecadava com as amigas todo ano materiais escolares para doar a um grupo de assistência social que atendia no Jardim Carioca, em um posto de assistência. Cresci vendo minha avó trabalhar nesses tipos de ações de arrecadação de materiais escolares, roupas e muitas vezes alimentos também”, conta Juliana.

Há 3 anos, ela é coordenadora em uma escola estadual do Jardim Aeroporto e ao receber o kit doado pelo Governo no início do ano, percebeu que não supria a necessidades dos alunos durante todo ano letivo. “Então em 2017, com ajuda de alguns amigos fiz uma campanha para arrecadar essas doações de materiais escolares usados em bom estado e a mensagem acabou se espalhando nos grupos de whats de algumas escolas da rede privada”.

Juliana e Dalva, idealizadoras do projeto de arrecadação.Juliana e Dalva, idealizadoras do projeto de arrecadação.

Juliana passou as férias escolares selecionando e organizando as doações. Em fevereiro, quando começou as aulas, levei tudo para escola e o que não foi utilizado pelos alunos, foi doado para uma creche pública que funciona ao lado.

A professora é criteriosa na separação dos materiais. Dos cadernos são retirados os espirais, folhas usadas vão para reciclagem e as limpas ficam separadas. Os livros didáticos, aqueles que não estão escritos, mas que são interessantes e estão em bom estado, Juliana leva para a biblioteca da escola ou para as professoras usarem como material de pesquisa para montagem das aulas. Os outros livros, ela retira os espirais e recicla as páginas, alguns desenhos são recortados para os murais da escola. Já os espirais são utilizados para montar novos cadernos com as folhas limpas separadas.

Os lápis são todos apontados, separados por cor e depois organizados em latinhas para uso coletivo nas salas de aula. As professoras levam no momento da atividade e todos os alunos podem usar. “As canetinhas, são todas testadas, as que não funcionam descarto, as outras vão para uma lata só de canetinhas. Os lápis e borrachas são limpos, apontados e separados. Conforme os alunos vão solicitando na coordenação, entregamos os materiais. Assim como réguas, apontadores e tesouras”, descreve.

As mochilas e estojos são lavados e entregues conforme a necessidade da criança. Não há uma cerimônia ou formalidade para entrega das doações para os alunos. “As entregas são feitas conforme necessidade, os materiais ficam na escola, alguns para uso coletivo, outros são entregues para as crianças que precisam”.

Varal solidário mantido na escola de Juliana. Varal solidário mantido na escola de Juliana.

Os livros de literatura, revistas e gibis vão para a biblioteca da escola. Que é viva, organizada e funcional, empresta livros para as crianças levarem para casa, além de receber atividades que os professores realizam nesse espaço. “Além disso, na sala de aula do primeiro ano do ensino fundamental há um espaço de leitura para onde vão alguns títulos doados, bem como gibis”, diz.

Juliana ainda mantém “Varal Solidário” na escola, onde são expostas as doações recebidas. As roupas adulto e infantil, roupas de cama e mesa, calçados são colocados no varal que funciona diariamente no estacionamento da escola e toda comunidade tem acesso.

Em algumas doações as pessoas mandam também brinquedos usados, que são divididos entre a escola e a creche pública que funciona ao lado da escola.

Toda doação é direcionada, mas não há ato de entrega. “Quando termino a triagem das peças, faço fotos e mando para o grupo de doadores que mantenho pelo WhatsApp, informando o destino das doações”.

Quem tiver interesse de doar, basta entrar em contato com a coordenadora pelo WhatsApp no (67) 99237-1374. 

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Materiais separados para ser reutilizado na escola. Materiais separados para ser reutilizado na escola.
Cadernos que são separados e doados a novos alunos.Cadernos que são separados e doados a novos alunos.


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.