A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018

07/07/2018 08:00

Confira a segunda parte do nosso especial sobre Street Fighter 2

Watcher Hein
Street Fighters Assassins Fist. (Foto: Divulgação)Street Fighters Assassins Fist. (Foto: Divulgação)

Após o sucesso estrondoso de Street Fighter 2 e suas versões, a série teve sua continuação em 1997 com Street Fighter 3 : The New Generation, seguida de Street Fighter 3 : Double Impact e, por último, com Street Fighter 3RD Strike : Fight for the Future em 1999. Todos estes títulos foram lançados para Arcade, Sega Dreamcast, Playstation 2, PSN E Xbox LIVE.

Quase 10 anos depois, em 2008 chegaria Street Fighter 4 para Arcades, PS3, Xbox 360, PS4, Xbox One e PC. Três versões foram geradas, sendo a última, Ultra Street Fighter 4, lançada em 2014. A mais recente adição à franquia é Street Fighter 5 de 2016 e seu upgrade chamado de Arcade Edition de 2018 para PS4 e PC.

Street Fighter 3. Street Fighter 3.

Street Fighter 2 já estava sendo planejado desde 1989, porém a chefia da Capcom queria um beat’up e não um fighting Vs, então após Final Fight, Yoshiki Okamoto achava que a empresa finalmente daria o sinal verde para ST2, porém não foi o que aconteceu. Devido ao enorme sucesso de Final Fight, a Capcom queria Final Fight 2 e deu a ordem para que fosse produzido, e Okamoto literalmente a desobedeceu. Entre as várias histórias sobre seu desenvolvimento as mais interessantes são :

- Okamoto queria que a barra de energia da Chun Li fosse menor que os demais lutadores já que no conceito dele, as mulheres são mais fracas que os homens, ideia recusada por Nishitani

- Street Fighter 2 custou aproximadamente pouco mais de 2 milhões de dólares para ser produzido. Okamoto diz que levou 10 meses de desenvolvimento. Já Noritaka Funamizu 2 anos.

- Yoko Shimomura, compositora da trilha de ST2 já foi questionada sobre a similaridade da música Mighty Wings do filme Top Gun e da música do personagem Ken. Ela simplesmente disse que assistiu ao filme antes de compor a música e que possivelmente, meio que ”inconscientemente” pode ter se baseado.

- O sistema de combo foi criado acidentalmente. No primeiro Street Fighter, fazer um Hadouken por exemplo era mais na sorte do que seguir a programação original, mas o comando existia, ele só não funcionava como deveria. Para corrigir isto, os desenvolvedores de ST2 utilizaram os mesmos comandos originais de ST1 porém acrescentaram mais frames de movimento e facilitaram sua execução deixando o timing mais lento, ou seja, queriam que fosse fácil de executar e com isto o jogo seria mais prazeroso. Estavam certos, porém os frames a mais e a o timing lento abriam a opção de encaixar golpes comuns aos especiais e com isto era possível realizar combos. Achavam até que se tratava de um bug.

- O lutador de luta-livre russo se chamava Vodka, depois substituído por Zangief.

- Akira Nishitani disse que nos estágios iniciais da produção o personagem Dhalsin não tinha golpes que se alongavam chegando a quase metade do cenário, mas admitiu que o time de desenvolvimento tentava cada qual “tornar mais forte” seus personagens preferidos.

Arcade de Street Fighter 2Arcade de Street Fighter 2

- O time de desenhistas levou uma média de dez meses para desenhar cada personagem. Akira Yasuda levou um mês e meio para desenhar a personagem Chun-li, pixel por pixel e ensinar o restante dos desenhistas como fazê-lo neste curto período de tempo e com a mesma qualidade e capacidade.

- Em 1989, a Capcom dos EUA divulgou num catálogo de vendas Street Fighter 2 para o NES. Joe Morici que trabalhava na divisão de marketing da empresa disse que não sabe o por quê de isto ter sido feito já que nem o primeiro Street Fighter teve versão para o console da Nintendo. Há um título chamado Street Fighter 2010 onde pegaram o personagem Ken que teria se aposentado dos torneios de lutas e 25 anos depois virou um policial ciborgue. Na versão do Famicom ele chama-se Kevin Striker.

- Em 1992, a Revista americana EGM lançou uma brincadeira de 1 de Abril a qual se cumprido certos requisitos jogando Street Fighter 2, poderíamos enfrentar um lutador lendário chamado Sheng Long. A brincadeira levou muitos jogadores à Loucura na época pois muitos acreditaram na história. Tanto foi levada a sério que nos anos seguintes acabou dando origem aos irmãos Gouki/Akuma e seu irmão Gouken que é o mestre de Ryu e Ken criando uma história mais detalhada sobre o passado de ambos, inclusive sobre o estilo de luta que agora se chamaria Ansatsuken.

Há uma série iniciada no YouTube em 2014 chamada StreetFighterAssasin’sFist que conta exatamente esta história em live-action. Que ShengLong é o nome do golpe de Ryu e Ken todo mundo sabe, o que talvez tenha passado despercebido é que em 1995 a Technos lançou um jogo de luta FightingVs chamado VoltageFighterGowcaiser aonde um dos lutadores chama de fato ShengLong, um lutador que enlouqueceu e se tornou um bandido. Sua personalidade não lembra em nada o mestre Gouken, porém seu golpes e até sua aparência se assemelham.

- Após o sucesso estrondoso que foi Street Fighter 2, ao contrário do time de ST1 que saiu da empresa em seguida, o time de ST2 continuou na Capcom inclusive trabalhando em outros projetos da casa.

- Akira Nishitani saiu em 1995 para formar sua própria companhia, a Akira, responsável pela franquia Street Fighter EX, Sakura Cardcaptors e o jogo Endless Ocean para Nintendo Wii.

- Akira Yasuda trabalhou na Capcom até 2003. Hoje trabalha como freelancer. Em seus trabalhos na Capcom após Street Fighter 2 os mais notáveis são a série Street Fighter 3(New generation e 3DS Strike), Red Earth (Warzards), X-Men Children of the atom, X-Men vs Street Fighter, Power Stone 1 e 2, Street Fighter Zero/Alpha 2 e 3.

- Yoshiki Okamoto trabalhou até 2003 na Capcom. Saiu para fundar sua própria empresa, a Game Republic, responsável pelos jogos Genji Dawn of the samurai para Playstation 2 e Genji days of the blade e Folklore para Playstation 3. Em 2011 a empresa faliu e desde então Okamoto trabalha com jogos para celular.

- Yoko Shimomura saiu em 1993 da Capcom para trabalhar na Square a qual seu primeiro trabalho foi em Live a Live. Em seguida trabalhou em Super Mario RPG, Parasite Eve, Legend of Mana, Kingdom Hearts e Final Fantasy 15 além de muitos outros. Seu próximo trabalho será em Kingdom Hearts 3.

Conheça o Video Game Data Base, o museu virtual brasileiro dos videogames.

Catálogo da Capcom de 1986Catálogo da Capcom de 1986


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.