A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Agosto de 2018

13/10/2017 12:09

Grandes franquias ainda não apostam no Playstation VR, 1 ano após o lançamento

Pedro Ivo Prates/CLUB 16-BIT
Grandes franquias ainda não apostam no Playstation VR, 1 ano após o lançamento

Após um ano do lançamento do Playtation VR em 13 de outubro de 2016, a Sony ainda sofre com a falta de investimento de grandes franquias e faz parecer para o público que ainda está rebolando para acertar o produto para o seu consumidor final. Há pouco tempo houve um rumor nas redes sociais que a empresa lançaria outro óculos VR sem mesmo que a satisfação do público esteja plena.

Na maior feira de games da América Latina de 2017, a Brasil Game Show, o Playstation VR não está em destaque no estande da Sony e possui um espaço relativamente pequeno para o tamanho do investimento de seu projeto: são 3 óculos ligados e uma fila enorme para joga-los. Um exemplo real do problema é a falta de investimento de grandes franquias, como a Call of Duty, a franquia só lançou uma demo na PSN com o título: Infinity Warfare Jackal Assault VR experience, e só.

Essa frustação para os fãs do game leva a própria Sony e outras Game Houses a começar franquias de guerra totalmente do zero, como Bravo Team, uma aposta da Sony que vem no final do ano pra tentar conquistar os gamers, lembrando que a Activision e seu Call of Duty nunca foi fã de apostar em acessórios da Sony. Não houve um jogo da franquia para jogarmos com a Sharpshooter e o PlayStation Move, outra frustação absurda pra quem comprou os periféricos esperando jogar o game, a lacuna foi tamanha que levou a Sony correr com o Killzone 3 para suprir a necessidade de jogarmos com a Sharpshooter.

Apesar do catálogo de jogos VR na PSN estar relativamente grande, os jogos ainda não se firmaram, está tudo muito novo para o consumidor brasileiro que ainda não tem o poder aquisitivo para ter o óculos e seus jogos, o que tranforma tudo isso em um hype negativo para o produto. O jogo The Inpatient leva o jogador, que no jogo está com amnésia, a um sanatório e a narrativa do jogo faz com que todas as suas ações para descobrir porque você está nesse sanatório interfira no final do game. Jogo que tem boas perspectivas e pode se firmar comercialmente.

Outra função que o óculos VR da Sony está fazendo é de simular situações como escalar o monte Everest ou mesmo ir até a lua com a Apollo 11, muito legal, mas não é jogo. Temos que destacar a empresa Bethesda que com muita coragem, investiu dinheiro nas suas maiores franquias: Doom para VR e o jogo The Elder Scrolls V: Skyrim. De olho na concorrência, a Sony já tratou de colocar um jogo para VR parecido com Mario Kart VR lançado no Japão para a empresa HTC VIVE, a empresa VIEWPOINT GAMES LTD está colocando no mercado o jogo VR Karts.

Hypes, achismos e dúvidas ainda cercam o óculos VR, produto ainda nas sombras obscuras do Resident Evil, único AAA para o VR até agora.

Continuem ligados aqui no Lado B para mais matéria sobre a Brasil Game Show, na cobertura especial que estamos fazendo junto com o Video Game Data Base, o museu virtual brasileiro dos videogames, que está com um estande cheio de diversão e informação no evento. Conheça a Mega Eletrón, a loja online de games oficial do Vídeo Game Data Base.

 

 



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.