ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  03    CAMPO GRANDE 29º

Sabor

Sem conseguir estágio, estudante faz quindins para bancar faculdade

Maria Eduarda passou a fazer doces para arcar com as despesas do curso de Psicologia, mas também busca chance para atuar na área

Por Alana Portela | 21/06/2020 07:23
Maria Eduarda Amaral Dornelles mostrando um prato com os quindins. (Foto: Arquivo pessoal)
Maria Eduarda Amaral Dornelles mostrando um prato com os quindins. (Foto: Arquivo pessoal)

Sem conseguir estágio, Maria Eduarda Amaral Dornelles aposta na produção de quindins para pagar o curso de Psicologia, em Campo Grande. O doce amarelinho, à base de gema de ovo, coco e com açúcar refinado tem conquistado a clientela pelo sabor. “É muito tradicional no Rio Grande do Sul, minha família é de lá”, diz.

Aos 21 anos, Madu, como é mais conhecida, é uma estudante simpática que sonha em atuar na área que escolheu para profissão. Animada, ela conversa com o Lado B e conta que a ideia de fazer doces iniciou no ano passado, após deixar o emprego de vendedora em busca de estágio.

“Queria muito um estágio para entrar na área da Psicologia, mandei vários currículos, principalmente para atuar na parte organizacional, de RH [Recursos Humanos], que me identifico muito. Fiz isso enquanto estava trabalhando e depois que saí do emprego, foquei só na procura, mas não fui chamada”. Isso ocorreu antes do segundo semestre de 2019.

Os quindins são doces amarelinhos, com coco e açúcar refinado. (Foto: Arquivo pessoal)
Os quindins são doces amarelinhos, com coco e açúcar refinado. (Foto: Arquivo pessoal)

Desempregada, as despesas com o curso, como mensalidade e materiais didáticos começaram a surgir. Sem muita alternativa, Madu começou a fazer doces para a família. “Fiz doces para a Páscoa e todos gostaram, depois deram a ideia de produzir para vender. Também fiz para o Dia das Mães”, lembra.

A partir disso, ela passou a investir na produção e criou o “Doces da Madu”, que agora se chama “Santo Quindim”, uma microempresa de doces delivery. A produção é feita na cozinha da casa onde mora com a família. Para dar conta do recado, Madu elaborou um cardápio na intenção de oferecer as opções a clientela. Assim, aos poucos, foi conquistando a freguesia.

No menu tem doces tradicionais, bolo gelado, doces com uva e com morango, bombom aberto, mousse trufado, mas o carro-chefe mesmo é o quindim. “Para fazer os quindins, comprei um curso on-line, mas nas aulas não tinha vídeo mostrando o preparo. Então dei uma adaptada na receita e também para ficar bom, depende do forno”, explica. “Muita gente gosta”.

Além disso, Madu também oferece bolos tradicionais, especiais, com cobertura e recheio. De sobremesa, ela prepara pudim com leite condensado, barca de doces com brigadeiros, pavê e mousse trufado. Outra opção é o ovo de colher de 350 a 900 gramas. No geral, os valores variam de R$ 1,20 a R$ 55,00.

Barca com morangos, doces no formato de coração, brigadeiros e beijinhos. (Foto: Arquivo pessoal)
Barca com morangos, doces no formato de coração, brigadeiros e beijinhos. (Foto: Arquivo pessoal)

Os doces são feitos apenas por encomendas e os pedidos podem ser realizados qualquer dia da semana. “É de segunda a segunda, atendo os clientes quando mandam mensagens”, explica.

Mas, é preciso avisar com antecedência, pois Madu também começou uma parceria com o noivo e passou a fazer entrega de hambúrgueres no período noturno. “Temos o delivery de hambúrguer há uns dois meses, pois com essa pandemia tivemos que fazer algo para melhorar a renda”, completa.

Bolo de pote com morangos. (Foto: Arquivo pessoal)
Bolo de pote com morangos. (Foto: Arquivo pessoal)

O valor que ganha com as vendas das produções, está sendo investido na formação. “Meus pais me auxiliam também, pois como sou autônoma, não tenho uma renda fixa todo mês. Mas, pago parte da faculdade, formatura e os gastos pessoais”, diz.

Apesar da rotina, Madu consegue conciliar o trabalho com a graduação. “Estamos tendo aula on-line e provas a distância. O conteúdo fica salvo na plataforma, então dá para estudar”.

A estudante está no sétimo semestre do curso e deve se formar no final de 2021. Mas, enquanto isso não acontece, ela continua em busca de uma oportunidade de estágio para ganhar experiência na área e quem sabe, até fazer parte da equipe após concluir a graduação.

Serviços - As encomendas podem ser feitas através do número (67) 9 9800-2678.

 Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Confira a Galeria de Imagens: