ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 27º

Meio Ambiente

Aves raras são avistadas por observadores em unidades de conservação de MS

Em Campo Grande, foram avistadas um total de 55 espécies

Por Liana Feitosa | 18/05/2022 18:28
Ave chamada João-Grilo. (Foto: Reginaldo Oliveira)
Ave chamada João-Grilo. (Foto: Reginaldo Oliveira)

Observadores de aves avistaram 175 espécies, algumas delas, raras, em duas unidades de conservação do Estado durante o Global Big Day 2022, data em que observadores de aves de todo o mundo fotografam o maior número possível de espécies em 24 horas.

A data foi celebrada no último sábado (14). No Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema, mais de 120 espécies de aves foram registradas. De acordo com o gestor do parque, Reginaldo Oliveira, um grupo de cinco pessoas registrou 122 aves, incluindo o Tricolino, o João-grilo e o Socoí-vermelho, que são raros.

Para o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), o fato demonstra a importância das áreas protegidas para a conservação da biodiversidade. Esse parque possui mais de 73 mil hectares localizados na Bacia do Rio Paraná, abrangendo os municípios de Jateí, Naviraí e Taquarussu, em MS.

Ave conhecida como Tricolino. (Foto: Reginaldo Oliveira)
Ave conhecida como Tricolino. (Foto: Reginaldo Oliveira)

Em Campo Grande, no Parque Estadual do Prosa, localizado na área urbana da Capital, foram contabilizadas 55 espécies por um grupo de 15 observadores. O destaque foi a concentração de espécies endêmicas do Cerrado, sobretudo as dependentes florestais, como Soldadinho, Chorozinho-de-bico-comprido e Cisqueiro-do-rio.

No Estado, o Global Big Day tem apoio do Governo do Estado, por meio da Imasul, Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e Fundtur (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul), em parceria com o Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo. O objetivo da ação é incentivar a prática de observação de aves, promovendo o turismo e a prática de imersões em ambientes naturais.

“A cada ano temos mais adeptos nesta prática que vem fortalecendo o turismo e fomentando destinos inteligentes pelo MS, uma vez que envolve a valorização da biodiversidade, a inovação, o uso de tecnologias e plataformas colaborativas numa perspectiva de sustentabilidade e de valorização ao que temos de mais importante: a vida”, afirma Simone Mamede, do Instituto Mamede.

Nos siga no Google Notícias